Desemprego atinge 14,1 milhões no trimestre encerrado em outubro

Segundo IBGE, população que desistiu de buscar emprego é de 5,8 milhões de pessoas.

A população que procurou trabalho e não encontrou no trimestre encerrado em outubro cresceu para 14,1 milhões, 7,1% a mais que nos três meses finalizados em julho. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada hoje, no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A alta acrescentou 931 mil à população desocupada e fez a taxa de desocupação aumentar 0,5 ponto percentual, chegando a 14,3%.

Segundo o IBGE, a população ocupada também cresceu no trimestre encerrado em outubro, chegando a 84,3 milhões. Esse contingente representa 48% das cerca de 175 milhões de pessoas em idade de trabalhar no país.

Além da desocupação, o instituto mede a subutilização da força de trabalho, que considera também pessoas que estavam disponíveis e gostariam de ter trabalhado mais horas naquele período. A taxa de subutilização caiu 0,7 ponto percentual no trimestre encerrado em outubro e chegou a 29,5%, somando 32,5 milhões de pessoas.

Ainda segundo a pesquisa, a população desalentada permaneceu em 5,8 milhões de pessoas, sem alterações significativas em relação ao trimestre anterior. Os desalentados são os trabalhadores desempregados que desistiram de procurar emprego e não são incluídos na taxa de desocupação.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores não teve variação significativa no trimestre analisado e ficou em R$ 2.529, o que representa um aumento de 5,8% em relação ao mesmo período de 2019. Apesar disso, a massa de rendimento real habitual de todos os trabalhadores caiu 5,3% na comparação interanual e atingiu R$ 207,9 bilhões.

Quatro grupamentos de atividades tiveram queda no rendimento médio real habitual quando o trimestre encerrado em outubro é comparado com os meses de maio, junho e julho: construção (-4,9%); transporte, armazenagem e correio (-6,9%); outros serviços (-6,8%) e serviços domésticos (-4,7%). Já na comparação com o ano passado, somente os trabalhadores da indústria tiveram alta no rendimento médio.

A pesquisa divulgada hoje contabiliza 29,8 milhões de trabalhadores em empregos com carteira assinada no setor privado, 9,5 milhões em empregos sem carteira, 25 milhões de trabalhadores por conta própria e 4,7 milhões de trabalhadores domésticos. Há ainda 3,9 milhões de empregadores e 12 milhões de empregados no setor público.

A taxa de informalidade avançou no trimestre analisado e chegou a 38,8%, somando 32,7 milhões de trabalhadores. Nos três meses encerrados em julho, a taxa foi de 37,4%.

A população com emprego formal no setor privado teve uma alta de 384 mil pessoas no trimestre encerrado em outubro, em relação ao trimestre finalizado em julho.

Na mesma base de comparação, o grupo de empregados sem carteira assinada no setor privado aumentou 9%, o que, em números absolutos, representa 779 mil pessoas.

O grupo de trabalhadores por conta própria teve a maior alta em números absolutos, com 1,1 milhão de pessoas a mais, o que equivale a 4,9% de aumento. Já o de trabalhadores domésticos não teve variação significativa.

Segundo o IBGE, o número de trabalhadores ocupados cresceu no trimestre em quatro de dez grupamentos de atividades, na comparação com o período imediatamente anterior: agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (3,8%), indústria (3,0%), construção (10,7%) e comércio e reparação de veículos automotores (4,4%).

Em relação a 2019, o trimestre teve queda na ocupação em oito dos dez grupamentos analisados: indústria (-10,6%), construção (-13,7%), comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (-11,2%), transporte, armazenagem e correio (-13,4%), alojamento e alimentação (-28,5%), informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (-4,0%), outros serviços (-20,4%) e serviços domésticos (-25,4%).

Leia mais:

Indústria do Rio recupera 51% dos empregos perdidos na pandemia

Desemprego sob Bolsonaro: recorde atrás de outro

Artigos Relacionados

IGP-M varia 0,78% em julho e acumula alta de 33,83% em 12 meses

Preços das rações influiu na aceleração do índice ao produtor. O IPA subiu 0,71% em julho.

Criação de empregos formais contrasta com dados do IBGE

Em 1 ano, 377 trabalhadores demitidos por hora.

Vale: alta do minério alavanca lucro em 662%, US$ 7,5 bilhões

Lucro convertido em reais atingiu os R$ 40 bi.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

S&P aumenta nota de crédito da Petrobras

A agência de classificação de risco S&P Global Ratings (S&P) elevou a nota de crédito da Petrobras. A nota de crédito stand-alone (risco intrínseco)...

Movida supera as expectativas e ações sobem 8%

A Movida, empresa de locação de veículos, gestão e terceirização de frotas e vendedora de semininovos, reportou lucro líquido ajustado de R$ 174 milhões...

BNDES financia Norflor no combate ao efeito estufa

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) concederá financiamento será concedido à Norflor Empreendimento Agrícolas no valor de até R$ 27,4 milhões,...

Uma criptomoeda 100% brasileira

Uma parceria entre as startups Stonoex e AMZ viabilizou o lançamento da criptomoeda brasileira ZCO2. É uma criptomoeda que prevê a proteção da Amazônia...

Aumenta investimento estrangeiro em Xangai

O investimento estrangeiro integralizado em Xangai registrou um aumento anual de 21,1% no primeiro semestre de 2021, anunciaram autoridades locais. A utilização real do...