Desemprego nos EUA surpreende e cai em maio

Taxa ainda é alta; em 3 meses perderam-se os postos recuperados desde 2008.

Internacional / 20:57 - 5 de jun de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Os números do desemprego nos Estados Unidos em maio surpreenderam e levaram euforia às bolsas de valores. Com a retomada da economia em andamento nos 50 estados, os EUA recuperaram 2,5 milhões de empregos. A previsão do mercado financeiro era de destruição de 7,5 milhões de postos de trabalho no mês passado.

Com isso a taxa de desemprego caiu de 14,7% em abril para 13,3% em maio. Analistas acreditavam em uma disparada da taxa para 20%.

O presidente Donald Trump comemorou as notícias em uma conferência de imprensa, alegando que era a prova de que a economia dos EUA estava no caminho da recuperação. “Isso é melhor que um V”, disse Trump sobre o formato da curva de recuperação do país. “Este é um foguete.”

A taxa de desemprego permanece historicamente alta, acima dos 3,5% registrados em fevereiro. Os ganhos de uma década obtidos no mercado de trabalho desde a última recessão foram apagados em apenas três meses.

Os números, porém, não mostram o quadro completo. Uma medida mais ampla do desemprego, que inclui trabalhadores que desistiram de procurar emprego e trabalhadores em meio período que procuram emprego em período integral, mostra uma imagem mais sombria da situação. A medida foi de 7% em fevereiro, antes da pandemia atingir os EUA, para 21,2% em maio.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor