27.6 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

Desemprego vai bater recorde antes de recuar gradualmente

Segundo previsão Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a economia brasileira deve apresentar queda de 7,4% neste ano. Essa retração pode ser ainda maior, se houver uma segunda onda de contaminação pelo coronavírus, chegando a 9,1% de queda do Produto Interno Bruto.

Segundo relatório publicado hoje pela OCDE, a economia brasileira estava finalmente se recuperando de uma longa recessão quando veio o surto da Covid-19. E agora, há previsão é que a economia sofra uma recessão ainda mais profunda, diz a organização.

Para a OCDE, a recuperação da economia será lenta e parcial, e alguns empregos e empresas serão perdidos. "O desemprego vai bater recorde histórico antes de recuar gradualmente", avalia.

Para 2021, a previsão é de crescimento de 2,4% do PIB, no cenário com duplo surto de Covid-19. No cenário com apenas uma onda de contaminação, a previsão de expansão para o próximo ano é 4,2%.

A previsão da OCDE para a queda da economia mundial é de 6% neste ano, em caso de controle do surto da covid-19, com crescimento de 5,2%, em 2021. Se houver uma segunda onda de contaminação, a projeção de queda é 7,6%, em 2020, e expansão de 2,8% em 2021.

Na segunda-feira, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou queda de 27,5% no Indicador Ipea Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), no mês de abril, frente a março deste ano. Na comparação com o mesmo período do ano passado, houve recuo de 32,8%.

O Indicador de Formação Bruta de Capital Fixo mede os investimentos no aumento da capacidade produtiva da economia e na reposição da depreciação do seu estoque de capital fixo. Apesar dos investimentos terem crescido 0,2% no acumulado em 12 meses, o resultado mostra o impacto econômico da pandemia de Covid-19. O trimestre móvel encerrado em abril fechou com queda de 11%.

A FBCF é composta por máquinas e equipamentos, construção civil e outros ativos fixos. Em abril, houve queda de 39,4% nos investimentos em máquinas e equipamentos, na comparação com o mês de março. A produção nacional desses bens teve retração de 43,4%, enquanto a importação recuou 27,6%. A construção civil também apresentou resultado negativo em abril (-19,6%), assim como os outros ativos fixos (-15%).

Na comparação com abril de 2019, a queda nos investimentos atingiu todos os segmentos: máquinas e equipamentos (-46%), construção civil (-25,6%) e outros ativos fixos (-19,1%).

 

Com informações da Agência Brasil

Artigos Relacionados

Para 68% dos brasileiros, desigualdade de renda será maior em 2021

Para Receita, entretanto, existem medidas mais eficientes de justiça social e tributária do que Imposto sobre Grandes Fortunas.

Empregado que se recusar a tomar vacina pode levar justa causa

Para especialista, empresa pode demitir funcionário, por trazer riscos sanitários para colegas, mas recomenda tentar conversa antes de medidas definitivas.

Desemprego é recorde, mas empresas falam em dificuldade para contratar

Já o trabalho temporário alcançou mais de 2 milhões de vagas em 2020, alta de 34,8% ante 2019; indústria puxou 65% das contratações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.