Desigualdade

Os Investimentos Externos Diretos (IED) não contribuíram para reduzir a desigualdade de renda na América Latina, conclui estudo do International Economic Development Group, instituto de pesquisas independente britânico. Ao contrário, os IED podem ter contribuído para piorar a situação da distribuição de renda, afirmação que precisaria de estudos empíricos para ser comprovada. No Chile e na Bolívia, possivelmente, o fluxo de IED aumentou a diferença salarial entre trabalhadores com mais educação e treinamento e os demais. O estudo completo pode ser acessado em www.odi.org.uk/iedg/Meetings/FDI feb2003/fdi la dwtv.pdf

Pan federal
O prefeito do Rio de Janeiro, César Maia, não vai ficar por muito tempo capitalizando sozinho o Pan de 2007. O governo federal vai entrar pesado no apoio ao evento. A organização dos jogos fica a cargo do Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

Preferência jovem
A Internet ocupa mais tempo de adolescentes e jovens adultos norte-americanos do que os demais tipos de mídia. Segundo pesquisa da Carat North America (da Harris Interactive) e da Teenage Research Unlimited com 2.500 pessoas entre 13 e 24 anos, o uso da Internet por esse tipo de público atinge, em média, 16,7 horas por mês. Esse total não contabiliza o tempo gasto com mensagens eletrônicas. Os jovens dedicam 13,6 horas mensais à TV; 12 horas ao rádio; 7,7 horas para falar ao telefone; e apenas seis horas à leitura de livros e revistas (sem contar o material escolar). Em tempo: o resultado também foi divulgada por uma das partes interessadas no tema: o portal Yahoo!

Auto-explicativo
A eleição de Antônio Palocci como melhor ministro do governo Lula numa enquete realizada entre jornalistas explica, em grande medida, o tom da cobertura da política econômica.

Negócios do além
Sempre de olho em clientes potenciais, a V Funexpo, maior Feira de Produtos e Serviços para Funerárias e Cemitérios da América Latina, reúne de 5 a 7 de setembro, no Centro de Exposições de Imigrantes, em São Paulo, cerca de 30 expositores do setor funerário do Brasil e exterior (Uruguai, Argentina, Holanda e Itália). Os organizadores esperam atrair cerca de 6 mil visitantes, entre proprietários de empresas funerárias e cemitérios, do Brasil e do resto da América Latina.

Negócios do além II
Para tratar de assunto ainda considerado tabu por muito, os promotores apelaram para o humor, a começar pelo título do material de divulgação: “É de Morte!” Apesar da brincadeira, o setor cresce a todo vapor, prevendo incremento de 60% a 70% até a metade da década. O setor no Brasil é um negócio do tamanho do mercado de pneus. Apenas na V Funexpo, a previsão é de que, entre urnas funerárias, copos plásticos personalizados, veículos, flores, prestação de serviços do marketing ao gerenciamento informatizado, sejam gerados negócios de cerca de R$ 1,5 milhão.

Mil e uma noites
Estudo da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira (CCAB) aponta que o comércio entre o Brasil e os países árabes pode saltar para US$ 7 bilhões, em 2007, contra os US$ 2,6 bilhões registrados em 2002. Para incrementar as relações comercial entre as duas partes, a CCAB) inaugura no próximo dia 17 a Agência de Notícias Brasil-Árabe (Anba), que divulgará notícias sobre economia e oportunidades de negócios no Brasil entre os 22 países árabes representados pela CCAB.

Herança
Estranho o critério de eficiência de certos colunistas dos “jornalões”: criticam a atual diretoria do BNDES por mudar os integrantes da antiga administração, como superintendentes e chefes de departamento. A “eficiente” gestão anterior deixou de presente para a atual um prejuízo que deve chegar a R$ 2 bilhões no primeiro semestre. A dívida da AES, com garantias de difícil execução, é responsável pela maior parte do estrago.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPalpite
Próximo artigoSabor carioca

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...