Deslumbramento

Um dos gurus do mercado financeiro, o ex-presidente do Federal Reserve (Fed) Paul Vocker parece estar naquela fase de fazer mais sucesso na imprensa tupiniquim que entre seus pares estadunidenses. Enquanto em seu próprio país, seu relatório recomendando apertar os controles sobre o sistema financeiro local foi parar na lata do lixo, no Brasil, sua recomendação de que o Brasil desacelere a economia – que só fugiu da recessão em 2012 graças a manobras contábeis que adiaram o registro das importações da Petrobras e não deve crescer nem 3% este ano – são ouvidas como saídas das escrituras sagradas.

Fim da picada
Além de enfrentar viés de baixa em seu país, Vocker mostra-se desinformado sobre a realidade brasileira, como se deduz da sua tese de que o Brasil teve “um pico (de crescimento) nos últimos 20 anos, desde o presidente Fernando Henrique Cardoso” e que, agora, teria de desacelerar. Nos oito anos do interminável governo FH, o Brasil cresceu, em média, apenas 2,29%, contra a média de 4,5% do período republicano, que teve mediana de 4,7%. Nos dois mandatos de Lula, a média subiu para 4%, mesmo assim, abaixo da média (4,6%) e da mediana (4,4%) do crescimento de 186 países cujos números estão disponíveis no FMI.

Vale
Com um crescimento abaixo da média mundial, que Vocker classifica de “pico”, o Brasil enfrenta um processo de perda de posição relativa na economia mundial. Com isso, a participação média do PIB do Brasil no PIB mundial, que já caíra para 2,93% com FH, recuou para 2,74% com Lula, apesar de, com este, ter crescido 1,7 vez mais do que com o tucano.

Bancos no pico
Pode ser, no entanto, que Volcker, ao se referir ao pico, não se referisse ao PIB brasileiro, mas ao avanço da fatia dos bancos na riqueza nacional. Nesse caso, teria razões de sobra. Segundo levantamento do economista Adriano Benayon, da Universidade de Brasília (UnB), o lucro dos bancos no Governo FH teve crescimento real de 11% ao ano, acumulando 130% nos dois mandatos do tucano. De acordo com Anbima, em 1995, primeiro ano da admistração tucana, os 20 maiores bancos do país responderam por 66,5% dos ativos do setor bancário brasileiro, tendo avançado para 86% em 2000. Com Lula, o lucro real acumulado chegou a 147% em apenas cinco anos (2003 a 2007).

Incorporou
Crítica das medidas neoliberais, a advogada e professora Angélica Carlini, da Universidade Paulista (Unip), defende a tese de que a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, incorporou a alma de Margaret Thatcher. A comparação foi feita durante encontro com jornalistas para debate os “Desafios Econômicos e Jurídicos da Saúde Suplementar”. Ao falar sobre o Estado do bem-estar social no Brasil, Angélica salientou que “a globalização neoliberal coloca-se como contraponto às políticas sociais do Estado de bem-estar social”

Sinal vermelho
Quatro em cada dez veículos que circulam pelo Sul Fluminense não pagaram o IPVA do ano passado. De olho na arrecadação – são 140 mil inadimplentes só na região – o Detran do Rio de Janeiro está intensificando as operações de fiscalização, que serão estendidas por todo interior do estado. Barra Mansa foi a primeira cidade, na qual foram apreendidos 41 veículos, entre os quais alguns modelos de luxo.

Retorno
Espera-se que, junto com a operação de cobrança, o Governo do Rio inicie também operações de recuperação de estradas, sinalização e outros direitos dos motoristas, que pagam – os que o fazem e os que agora serão parados nas operações – um IPVA que está entre os mais altos do Brasil.

Questão de nome
Ao resistir à pressão para que mude o nome oficial do Engenhão de João Havelange para João Saldanha ou por outro esportista alvinegro de reputação ilibada, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), alega não fazer parte das suas preocupações administrativas rebatizar lugares públicos. Essa indiferença tem, pelo menos, uma exceção: a Cidade das Artes, ex-Cidade da Música. Aliás, a Cidade da Música era a ex-Cidade Roberto Marinho, mas a primeira mudança foi de autoria do então prefeito Cesar Maia (DEM), do qual Paes já foi pupilo devoto.
 

Artigo anteriorSangue nas mãos
Próximo artigoExposição
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

Mortes dos essenciais

Aumentam em mais de 50% óbitos de caixas, frentistas e educadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

‘Eu quero uma casa no campo…’

Êxodo urbano: mais de 1,3 milhão de famílias brasileiras pretendem migrar para áreas rurais.

Direita vence no Equador

Banqueiro Guillermo Lasso vence socialista Andrés Arauz no segundo turno da eleição.

Mercados internacionais abrem com cautela

Enquanto isso acontece lá fora, aqui Ibovespa ensaia leve alta.

Semana começando sob tensão

Desde a semana passada, segue a novela do Orçamento.

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.