Despesas de planos de saúde aumentam 70,8% em 5 anos

O levantamento foi feito com base nos números do Mapa Assistencial da Saúde Suplementar, publicação anual da ANS.

osé Cechin, superintendente executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), comentou os resultados do estudo “Análise Especial do Mapa Assistencial da Saúde Suplementar no Brasil entre 2014 e 2019”, que mostram que, em cinco anos, as despesas do setor de planos de saúde médico-hospitalares registraram crescimento de 70,8%.

O levantamento foi feito com base nos números do Mapa Assistencial da Saúde Suplementar, publicação anual da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O relatório ainda traz números de exames, consultas, terapias e internações no período assinalado, além de comparar com dados de outros países para avançar nas discussões sobre ações de prevenção de doenças e promoção da saúde, políticas e práticas do setor.

Nesse período, o número de procedimentos de todos os grandes grupos aumentou, em especial os exames complementares, com crescimento de 28,7%; terapias, com avanço de 27,7%; e internação, que registrou aumento de 13,9%. Em 2019, foram realizados 916,5 milhões de exames complementares, 277,5 milhões de consultas médicas ambulatoriais, 158,8 milhões de outros atendimentos ambulatoriais (sessões/consultas com fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, terapeuta ocupacional, psicólogos e outros), 72,0 milhões de terapias e 8,6 milhões de internações.

Claro que os dados podem indicar a maior consciência dos brasileiros quanto à importância de se ter um acompanhamento médico ao longo da vida, até mesmo mais importante do que realizar visitas pontuais aos prontos-socorros. No entanto, precisamos estar atentos para a superutilização de exames e procedimentos, especialmente em vista dos possíveis riscos que eles trazem. O exame é recomendado sempre que seus benefícios superam seus riscos. A publicação reforça a necessidade de repensar o setor, aprimorar sua gestão e enfrentar os crescentes desafios com o acelerado envelhecimento da população”, conclui Cechin.

De acordo com ele, a análise mostra que, na saúde suplementar brasileira, o número de exames de ressonância magnética por mil beneficiários passou de 115,4 em 2014 para 179,0 em 2019. Essa taxa é superior à média dos Estados Unidos (128,0), da Islândia (109,3) e do Canadá (54,5), por exemplo, países com os valores mais altos entre os membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O estudo alerta que mesmo representando menos de 1% do total de procedimentos na saúde suplementar, as internações detêm a maior parcela das despesas do segmento. Entre 2014 e 2019, esse tipo de procedimento teve elevação de 70,1% no gasto por parte das operadoras, saltando de 47,3 bilhões para 80,4 bilhões.

Em 2019, as internações responderam por 44,8% do total das despesas do setor, seguidas por R$ 36 bilhões com exames complementares, o que representa 20,1%, e R$ 25,8 bilhões com consultas médicas, 14,1% dos gastos. Além dos gastos com terapias e demais despesas médico-hospitalares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Demanda por seguros de autos cai 15,6% em relação a março

Na comparação entre abril de 2022 e mesmo mês de 2021, houve alta de 21,9%.

Planos de saúde individuais e familiares têm aumento de 15,5%

É o maior reajuste anual já aprovado pela ANS.

Planos coletivos atingem 33,8 milhões de vínculos

Cechin: novas adesões estão diretamente ligadas à oferta de empregos gerada no país.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.