Devemos esperar novas guerras para obter água?

As maiores epidemias da história tiveram uma relação, mais ou menos direta, com a escassez e a saúde da água e com a consequente pobreza das práticas de higiene: os cursos d’água mais lendários do mundo, como o Ganges, o Nilo, o Reno, embora arautos de riqueza e prosperidade, muitas vezes têm sido a fonte de inúmeros males.

Por isso, os avanços científicos sobre o modo de transmissão de doenças como a cólera e a febre tifoide têm ajudado a estimular uma consideração mais cuidadosa das reservas de água, principalmente nas cidades, já no final do século XIX.

Mais água, portanto, não é apenas sinônimo de mais água para beber, mas, acima de tudo, uma ferramenta fundamental para a higiene pessoal e pública, juntamente com a capacidade de drenar ou diluir águas residuais.

Por esse motivo, os conflitos relacionados à segurança hídrica para orientar a saúde e o futuro geopolítico do planeta são chamados de guerras da água ou denominados com o nome lustroso de water diplomacy, diplomacia da água.

Mais de um ano após a eclosão da pandemia de coronavírus, apesar das origens do Covid-19 ainda serem obscuras, agora está claro o quanto as práticas de higiene e, portanto, a água, são essenciais na prevenção de um vírus que requer abluções contínuas e meticulosas.

Ao contrário da primeira fase da pandemia, durante a qual o continente mais afetado foi a Europa, principalmente devido ao alto índice de fluxos de pessoas e mercadorias, hoje as situações mais críticas são registradas na América do Norte, América do Sul e Ásia. Os países com mais casos, de longe, são os Estados Unidos – com mais de 30 milhões de casos confirmados – e a Índia, com 11,4 milhões. Ambos países que tiveram, além de suas administrações, problemas muito graves de abastecimento de água, desde tempos imemoriais.

Nos Estados Unidos, que certamente não é um país em desenvolvimento, um estudo da Cornell University e do grupo de defesa nacional Food & Water Watch (FWW) constatou, por exemplo, que o corte no abastecimento de água, vinculado à impossibilidade de muitas famílias de pagar os serviços públicos, contribuiu para o desenvolvimento de, pelo menos, meio milhão de infecções e talvez mais.

A Índia, por outro lado, experimentou, nas últimas semanas, um ressurgimento da epidemia. No país, mais de 50% da população não tem acesso à água potável, e cerca de 200.000 pessoas morrem, a cada ano, por falta de acesso à água potável.

A atual pandemia de coronavírus não está tornando este problema nacional mais fácil de se controlar. Cerca de 82% das famílias rurais não têm água potável. Lavar as mãos é um luxo que milhões de indianos não podem pagar: o que está ocorrendo, desde 2020, na verdade, foi definido pelo National Institution for Transforming India como “a pior crise hídrica” da história da Índia, enquanto o Composite Water Management Index, Índice Composto de Gestão da Água (CWSI), 2018, descobriu que a demanda de água excederá o fornecimento disponível em 2030.

Como todos os estressores agudos, a pandemia Covid-19 atua como um multiplicador de vulnerabilidades crônicas, acelerando a insegurança hídrica, especialmente em áreas altamente urbanizadas. Isso significa que, uma vez que a categoria “guerra por petróleo” caiu nas sombras, as temidas guerras de água, já uma realidade em si, se tornarão a razão mãe para os próximos conflitos.

Na verdade, a segurança da água tem se mostrado fundamental no combate à pandemia. Além disso, o elemento água pode mudar a fisionomia ou agravar inúmeros conflitos “congelados”, como o árabe-israelense: um dos maiores obstáculos para a paz entre israelenses e palestinos, na verdade, está precisamente ligado ao uso comum do aquífero de montanha, cuja porção rica em água está localizada no assim dito west bank, a margem oeste do rio Jordão.

 

Edoardo Pacelli é jornalista, ex-diretor de pesquisa do CNR (Itália) e editor da revista Italiamiga.

Artigos Relacionados

A era da fratura social

Por Ranulfo Vidigal.

O Brasil chora por Paulo Gustavo

Por Paulo Alonso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.