Devora-me…

O enigma Donald Trump continua devorando muita gente. Não à toa. Midiático por definição, Trump permite mais de uma leitura. A ONG The Center for Public Integrity analisa, em artigo de John Dunbar, que a candidatura do republicano é um exercício da arte da propaganda. “Propaganda efetiva não trata de fatos e política, e sim de emoções.”

Trump explora pelo menos duas delas: medo e raiva. Em 1932, um político também explorou o medo para aglutinar seus eleitores. Não que se queira comparar o norte-americano a Adolf Hitler, mas apenas para destacar quão poderoso o discurso do medo pode ser.

Outro recurso de Trump é demonizar seus adversários com nomes ofensivos ou pejorativos. Hillary Clinton é “O Diabo”. Seu ex-adversário republicano era chamado de “Ted Mentiroso”, e a senadora democrata Elizabeth Warren de “Pocahontas”.

Finalmente, Trump usa o recurso de repetir uma mentira várias vezes, pois as pessoas acabarão acreditando nela (sim, a frase é atribuída a outro nazista, Joseph Goebbels). O artigo de John Dunbar mostra que o site PolitiFact, que confere a veracidade de afirmações, premiou Trump em 2015 como o “Mentiroso do Ano”. O site classificou 76% de 77 declarações como falsas – um recorde.

ou te decifro

A análise dos recursos de propaganda usados por Donald Trump indica como ele pretende se comunicar com o eleitor para chegar à Casa Branca. Mas não é suficiente para explicar sua popularidade – ou a impopularidade de seus adversários. Também não ajuda a entender por que os líderes republicanos o rejeitam – e alguns, sem tanto sigilo, preferem apoiar Hillary Clinton.

Algumas das propostas de Trump – ainda que em boa parte recheadas de adjetivos sem significado prático, como mostra o Center for Public Integrity – vão na contramão do que vem repetindo nas últimas décadas o establishment norte-americano, com apoio da grande mídia. O candidato republicano ataca Wall Street, diz que o país precisa voltar a produzir bens, simpatiza com o presidente russo Vladmir Putin… Com isso, vem angariando críticas dos conservadores norte-americanos e também de europeus. Mas faz sucesso entre os eleitores, ainda que crie para si próprio arestas com vastas parcelas da população.

Trump pode ser considerado um efeito colateral de anos de demonização dos políticos. Junta-se, então, aos que criticam Washington e a política tradicional, usando os discursos destes para devorá-los. O norte-americano, especialmente os jovens, está cansado das teses conservadoras. O apoio que o ex-pré-candidato democrata Bernie Sanders obteve nas prévias comprova; em vários estados, o senador por Vermont bateu Hillary Clinton por uma proporção de cinco votos para um entre os eleitores com menos de 29 anos.

Apresentar-se como alternativa ao status quo, portanto, parece ser uma estratégia vencedora. Se dará certo, saberemos em três meses. Descobrir o que fará caso eleito, porém, vai demorar mais.

Autor

O título das duas notas acima foi emprestado do livro Devora-me ou te Decifro (LPM, 1976), de Millôr Fernandes.

Legado

O ministro do Esporte do governo interino, Leonardo Piccciani, garante que não há problemas de segurança nas áreas próximas às competições olímpicas. Os nadadores norte-americanos assaltados na madrugada de domingo estavam fora deste espaço. Ou seja, longe dos estádios, vale a insegurança do dia a dia dos cariocas.

Rápidas

A Câmara Portuguesa de Comércio e Indústria do Rio de Janeiro realiza dia 30 um almoço-palestra com a deputada estadual Martha Rocha, ex-chefe da Polícia Civil do Rio, sobre Segurança Pública. A palestra será gratuita; o almoço será pago. Informações: eventos@camaraportuguesa-rj.com.br *** “Inadimplência e recuperação de créditos. O que fazer para cobrar o devedor” é o tema do evento da Roncato Advogados no próximo dia 18. A palestra será do advogado Gustavo Barros, especialista em Direito Cível. Inscrições: gracielle@roncatoadvogados.com.br *** O Centro de Engenharia de Conforto (CEC) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) recruta voluntários para testes de conforto de passageiros em viagens de avião. Os resultados serão usados para melhorar o conforto de novos modelos de aeronaves Boeing. Detalhes em www.poli.usp.br *** O escritório Nelson Wilians & Advogados Associados (NWADV) e a Global Business Group promovem no próximo dia 19 o terceiro almoço-palestra, no restaurante Figueira Rubaiyat, em São Paulo. O evento contará com palestra de Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central, e de Milton Santos, diretor-presidente da Desenvolve SP *** “Como Obter Financiamentos de Longo Prazo – BNDES e Outros” é o curso que Paulo Gurgel Valente dará no Ibef-Rio, em 21 de setembro. Informações: (21) 2217-5566 *** A TIM está com inscrições abertas para o seu programa de estágio. A operadora selecionará também pessoas com deficiência. São cerca de 200 oportunidades para estudantes em www.tim.com.br/programadeestagiotim

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

IGP-M acumula inflação de 28,94% em 12 meses

Segundo FGV, taxa ficou em 2,53%, em fevereiro, após registrar 2,58% em janeiro.

Confiança do comércio tem leve alta em fevereiro

Segundo a FGV, é a primeira alta depois de quatro quedas consecutivas.

Balanço melhor que o esperado da Petrobras anima mercado nacional

Hoje, no exterior, Bolsas mundiais operam sem direção única.

O futuro está nas criptomoedas?

Quarta foi de intensa volatilidade nos mercados externos; por aqui com justificativa, ainda em função do imbróglio de Petrobras e Eletrobras.

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.