Dez passos para obtenção de recursos antes de abrir o capital

Por Igor Romeiro

A oferta pública inicial de ações da fintech Nubank, o maior unicórnio da América Latina, é um teste para a tendência que vem se consolidando nos últimos anos: o IPO de startups. Até 2017, nenhuma operação desse tipo ocorreu. O movimento começa entre 2018 e 2019 (5 operações). Em 2020 foram 4 e 2021 intensificou o ritmo, mostrando que é possível encurtar o caminho entre o início do negócio e a abertura de capital. Será?

A resposta é não. Captar recursos com a finalidade de financiar uma ideia e tirá-la do papel requer um planejamento adequado do empreendedor. O risco é de que o salto seja grande demais, ou em palavras corriqueiras, o passo seja mais largo que as pernas e, com isso, se frustram tanto o dono da ideia quanto os investidores.

A sustentabilidade de um negócio requer um plano de ação bem delineado no longo prazo, testes de mercado e um crescimento de acordo com a demanda que deve gerar receita. O que vemos, em muitos casos, é o contrário, cada vez mais startups e fintechs, ao gerar consumo de seu produto, na verdade, ampliam seus custos. Vendem crescimento e não ganhos financeiros. Tal contexto, num primeiro momento, pode parecer uma boa conversa para vender o negócio, porém os riscos intrínsecos são elevados e levam a decepções.

Portanto, mesmo que seja mais longo, o passo a passo da captação deve ser respeitado. Claro que, dependendo do andamento dos negócios, pode até ser possível acelerar o processo sem necessariamente passar por todos os estágios, mas sempre com cautela e avaliação. Os ranges não são uma regra e, muitas vezes, podem sobrepor outras fases, principalmente o Bootstrap, pois há muitos empreendedores que, em conjunto com os sócios investem muito do próprio bolso, Observar os 10 passos antes do IPO deve ser a prioridade do empreendedor.

1. Nível: Bootstrapping

Origem capital: Capital Próprio:
Objetivo: Concepção – Investem na ideia para tirá-la do papel, abertura de empresa, hospedagem e criação do site, criar o produto ou desenvolver o serviço, obter os primeiros clientes;
Valor Investimento: R$ 5mil até R$ 50 mil

2. Nível: FFF (Family, Friends and Fools)

Origem capital: Amigos e familiares que querem ajudar o empreendedor.
Objetivo: Concepção – aumentar a base dos primeiros clientes, investindo pouco recurso em micro marketing.
Valor Investimento: R$ 50 mil até R$ 100 mil

3. Nível: Programas de aceleração

Origem capital: Aceleradoras e Incubadoras
Objetivo: Validação – A ideia é desenvolver o negócio com testes, colher feedbacks, melhorar, testar, feedbacks etc. As incubadoras ajudam a promover o negócio com rede de contatos;
Valor Investimento: R$ 100 mil até R$ 200 mil

4. Nível: Investidores Anjos

Origem capital: Pessoas Físicas com expertise para investir em startups
Objetivo: Ajudar na contratação dos primeiros funcionários, abrir contatos comerciais para o produto/serviço, ajudar o empreendedor a não cometer erros, aconselhar sobre planejamento futuro etc.;
Valor Investimento: R$ 100 mil até R$ 400 mil

5. Nível: Pré-seed e Seed

Origem capital: Micro Ventures Capital, Grupos de Investidores em PJ e alguns Equities Crowdfunding.
Objetivo: Encontrar o PSF (problem-solution fit ou adequação do problema à solução), ou seja, o produto ou serviço se encaixar a uma necessidade real que os clientes têm;
Valor Investimento: R$ 500 mil até R$ 1 Milhão
6. Nível: Seed
Origem capital: Equity Crowdfunding e fundos Ventures Capital
Objetivo: Atingir o PMF (Product Market Fit ou adequação do produto no mercado) e criar o MVP (Minimum Viable Product ou Produto Mínimo Viável) aumentando a tração em vendas e marketing;
Valor Investimento: R$ 1 Milhão até R$ 5 Milhões; alguns fundos chegam até R$ 10 Milhões.

7. Nível: Série A

Origem capital: Fundos Ventures Capital
Objetivo: Escalar o negócio focando em aumentar a base de usuários e criar novas ofertas de produtos e serviços; aprimorar processos, automatizações e novas contratações;
Valor Investimento: R$ 10 Milhões até R$ 30 Milhões;

8. Nível: Série B

Origem capital: Fundos Ventures Capital e Family Office
Objetivo: O Investimento é destinado na expansão do negócio, recrutando time, criar novos departamentos e conquistar novos mercados;
Valor Investimento: R$ 30 Milhões até R$ 100 Milhões;

9. Nível: Série C

Origem capital: Fundos Ventures Capital, Private Equity e Bancos de Investimentos
Objetivo: Acelerar a empresa lançando-a no mercado internacional e/ou adquirindo novas companhias e se preparar para o IPO.
Valor Investimento: R$ 100 Milhões até R$ 500 Milhões;

10. Nível: Série D e E

Origem capital: Fundos Ventures Capital, Private Equity, bancos de Investimentos e Fundos de Hedge;
Objetivo: Algumas Startups necessitam entrar nesta série para se capitalizar antes da abertura do IPO ou para alguma fusão;
Valor Investimento: R$ 300 Milhões até R$ 700 Milhões;
Estes são os 10 níveis iniciais antes de atingir o IPO, quando a empresa pode levantar o capital para comprar startups mais novas e serve para porta de saída para que os investidores passados vendam suas participações da startup para obter o lucro dos investimentos. Um bom desempenho no IPO e pós-IPO requer um planejamento claro do futuro.

* Igor Romeiro é sócio-fundador da plataforma de investimentos em startups Efund

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

E outubro está chegando…

Por Paulo Alonso.

Check-up do acerto de contas com o Leão

Por Sandro Rodrigues

Últimas Notícias

SP é a segunda UF com maior potência de energia solar em telhados

Geração própria de energia solar no Rio ultrapassa 49,8 mil conexões em telhados e pequenos terrenos.

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.

Despesas de planos médicos atingiram R$ 206 bi na pandemia

Estudo mostra que aumento de 24% durante um ano está relacionado com a retomada de procedimentos médicos a partir de 2021.

Tunisianos investem em azeite orgânico para entrar no Brasil

Segundo executivo, Tunísia está em primeiro lugar no ranking global de azeites orgânicos.

População mais pobre está bastante pessimista em relação ao Brasil

Em contrapartida, segundo a Associação Comercial de São Paulo, classes AB e C mostram cada vez mais confiança na economia do país.