Diálogo em um cenário de polarização

Uma voz moderada entre os extremos, o filósofo político italiano Norberto Bobbio foi mestre em estabelecer diálogos. Em um momento de grande polarização no Brasil, o jornalista, advogado e mestre em Filosofia Nilson Mello lança Política e Direito na Filosofia Convergente de Norberto Bobbio (Publ!t). O embaixador aposentado Mario Augusto Santos destaca, no prefácio do livro, três temas que dialogam com a situação brasileira: a dicotomia público/privado, a sociedade civil e o liberalismo social.

A presença do Estado sempre foi alvo de crítica de parte do setor privado. “Toda vez que se apresenta uma redefinição entre o público e o privado na área econômica, gera-se controvérsia”, lembra Mario Santos. Uma visão complementar, capaz de utilizar ambas as esferas para reduzir a desigualdade social e garantir o desenvolvimento, seria típica do pensamento de Bobbio.

Difícil imaginar uma convergência no Brasil, ainda mais com os erros cometidos por aquela que se convencionou tachar de esquerda e ante uma direita que despreza a soberania nacional. No jogo geopolítico, força-se o país a um alinhamento incondicional – melhor definido como submissão – aos interesses dos Estados Unidos. Romper essa corrente e recuperar a soberania são pontos que podem forjar uma união.

Norberto Bobbio mediou diálogos, mas não se furtou a participar ativamente da resistência ao fascismo de Mussolini.

 

Negócio fechado

Amigo da coluna que voltou há pouco de Washington e no início do ano passeou pela Europa ressalta algo que o deixa chocado: os Estados Unidos, a Inglaterra e a França tinham as melhores livrarias do mundo. “Isto está se transformando aceleradamente em coisa do passado. A cada vez que passo pelos Estados Unidos e procuro pelas minhas redes de livrarias favoritas, fico pasmo ao ver que inúmeras filiais estão sendo fechadas”.

Não responsabilizem o Trump por isto, destaca: o grande culpado chama-se Jeff Bezzos, hoje a maior fortuna pessoal nos Estados Unidos, dono da Amazon, proprietário do jornal Washington Post e inimigo número 1 do Donald (o presidente).

 

Desvendando o ‘embromês’

Cessão onerosa no pré-sal – São 5 bilhões de barris de petróleo, entregues pela União à Petrobras, para obter maior participação acionária e como ressarcimento pelos investimentos feitos naquelas áreas de petróleo, descobertas no pré-sal. Para tanto mudou o tipo de contrato de exploração/produção de petróleo existente, o de concessão, passando a adotar os modelos de partilha e de cessão, exclusivamente nas áreas do polígono do pré-sal: as bacias de Campos, Santos e Espírito Santo.

No modelo da cessão, a União cedeu à Petrobras, por preço médio predeterminado, o volume de 5 bilhões de barris. Na cessão, a estatal será a única operadora, e os preços pagos têm uma cláusula de revisão, que devem representar a flutuação do preço de petróleo no mercado internacional em determinado período, de modo que o valor pago seja justo e que represente um valor médio do petróleo. As áreas da cessão onerosa compreendem os Campos de Búzios e as acumulações Iara.

Leiloar o que excedeu essa cessão – volume de petróleo acima do que estava previsto – é entregar reservas no valor de US$ 800 bilhões para serem explorados por estrangeiros, sem muito esforço.

 

Explique a omissão

O Ministério Público tem obrigação de demonstrar porque as suspeitas levantadas pelo Coaf contra o assessor, motorista e segurança do deputado Flávio Bolsonaro foram descartadas pela Operação Furna da Onça, que levou à prisão dez deputados estaduais do Rio. Ainda mais que a filha do assessor estava, até mês passado, lotada no gabinete do Bolsonaro pai, em Brasília, e recebeu robustas transferências em dinheiro em sua conta.

As explicações, ao menos, serviriam para que não prosseguissem as dúvidas – até o momento robustas – do envolvimento da família Bolsonaro com movimentação financeira atípica.

 

Moro responde

Será que confissão de caixa 2 é uma prova “robusta”?

 

Rápidas

O Ibre/FGV lançou nesta sexta-feira o Portal da Inflação, com informações sobre a dinâmica de preços na economia. Uma das ferramentas permitirá ao usuário construir seu “índice de inflação pessoal”: https://portal-da-inflacao.fgv.br/ *** O Sindicato da Construção de São Paulo (Sinduscon-SP) lançou o Guia de Eficiência Energética (https://guiaenergiaedificacoes.com.br/).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Imposto maior sobre corporações poupa ricaços

Piketty calcula que tributação sobre grandes fortunas poderia render 10 vezes mais.

Governo quer reduzir indústria naval a desmonte de ferro-velho

Deputados cobram a utilização e a inovação do parque industrial instalado no Rio.

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Emirados Árabes e Líbano compraram arroz do Brasil em março

Segundo associação do setor, os dois países estiveram entre os destinos internacionais do arroz brasileiro no mês passado.

Indústria tenta se recuperar no primeiro trimestre

Setor de bebidas se destacou no trimestre, com 53,8% de crescimento no período e 16,7% no acumulado de 12 meses.

China produzirá 3 bilhões de vacinas até fim do ano

Sinovac, que produz a Coronavac, promete entregar 2 milhões de doses.

Rio aumenta incentivo para cultura e esporte

Restituição do ICMS aumenta para 2% e 0,5% .

TCU relata abuso de poder no combate a Covid-19

Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), concluído em abril, mostra que o governo alterou documentos para se eximir da responsabilidade de liderar...
Monitor Mercantil