Dia das Crianças teve 170% a mais em tentativas de fraudes que em 2020

Levantamento que apontou mais de 151 mil ações fraudulentas analisou o período de 29 de setembro a 12 de outubro.

O Dia das Crianças deste ano teve aumento de 170,4% no número de fraudes evitadas no comércio eletrônico brasileiro, subindo de 55.880 pedidos potencialmente fraudulentos em 2020 para 151.114 neste ano. Em termos financeiros, foram R$ 124,67 milhões em fraudes evitadas no varejo virtual em 2021, contra R$ 66,43 milhões no ano passado – crescimento de 87,59%.

Os dados são do levantamento da ClearSale, que avaliou o período entre 29 de setembro a 12 de outubro, e foram analisados somente pedidos pagos com cartão de crédito.

As categorias que geraram maior número de fraudes evitadas neste ano foram: celular, eletrônicos, bebidas, drogarias e automotivo. Em 2020, a lista foi composta por alimentos, celular, eletrônicos, bebidas e joias.

Já analisando pelo valor dos produtos, as categorias com maior índice de possíveis ações fraudulentas foram: eletrônicos, bebidas, ferramentas, celular e automotivo. No ano passado, o Top5 foi preenchido por eletrônicos, celular, joias, bebidas e magazine.

Já segundo a Pesquisa de Tecnologia Bancária 2021 (ano-base 2020) realizada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o mobile banking tornou-se o canal dominante, responsável por 51% das transações bancárias.

O levantamento da Febraban mostra que o aporte de recursos em tecnologia aumentou 8% em 2020, chegando a R$ 25,7 bilhões. Desse total, 10% do valor foi destinado à cibersegurança. Outras prioridades foram inteligência artificial e trabalho remoto.

A pesquisa ainda aponta que depois dos governos, o setor bancário é o maior investidor em tecnologia no Brasil e no mundo. Isso mostra que os bancos são geradores de inovações para o oferecimento de serviços com mais valor agregado, eficiência e redução de custos.

Com as normas que contribuem para a proteção das informações, o Brasil passou da 71ª posição para a 18ª no Índice Global de Segurança Cibernética 2020, ranking realizado pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), agência especializada em tecnologia da informação e comunicação da Organização das Nações Unidas (ONU).   O Índice da UIT mede as iniciativas dos países para enfrentar os riscos cibernéticos. A pontuação obtida para o ranking avalia cinco aspectos: jurídicos, técnicos, cooperativos, organizacionais e de capacitação. O objetivo da avaliação é ampliar a conscientização sobre os compromissos das nações em relação à cibersegurança, identificar os pontos fortes e as áreas que precisam de melhorias.

Esse avanço deixa o país como terceiro colocado da América, ficando atrás somente dos EUA e Canadá. A posição conquistada pelo Brasil demonstra que mesmo diante de um cenário de pandemia, o país tem o compromisso de reduzir as ameaças à cibersegurança.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Número de inadimplentes subiu 4,8% no acumulado do primeiro semestre

Cartão de crédito é responsável por mais de 80% dos brasileiros endividados.

Roubini: EUA caminham para recessão longa e severa

Economista espera juros ‘bem acima de 4%’.

Últimas Notícias

Fux suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível

Com isso, ex-presidente da Câmara não poderá se candidatar.

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Rio restabelece parte dos serviços hackeados

Sistemas fazendários continuam fora do ar.

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.