Dia das Crianças: tíquete médio é maior do que para o Dia dos Pais

Só 6% dos brasileiros vão se reunir virtualmente, enquanto em 2020, 34% usaram a internet para celebrar a data.

Levantamento intitulado Pulso Dia das Crianças, realizado pela Hibou em parceria com a Score Group, apontou que, quando se trata de presentear as crianças, 72% acreditam que o presente deva ser algo que se sabe que o pequeno gosta; 28%, uma novidade que eles não esperam; 25%, algo educativo; 17%, utilidade para o dia a dia; 16%, que tenha bom preço; 8%, itens personalizados; e 1% pensa que deva ser algo de uma marca conhecida.

Entre as ideias estão brinquedos em geral (43%); vestuário (28%); jogos educativos (26%); livros (19%); kits de montar (18%); passeios a parques ou exposições (15%); jogos de tabuleiro (15%); produtos “faça você mesmo”, como quebra-cabeça, jogos de montar, pintar camisetas 15%); brinquedos menores que estão na moda, como slime, pop it, hand spinner, (14%); calçados (14%); games (12%); comestível (10%); brinquedos colecionáveis (10%); eletrônicos (9%); crédito em plataformas diversas como streaming, games (7%); produtos esportivos (7%); artesanato (3%); viagens – passagens/estadia (3%), e RPGs (1%).

A antecedência não é um hábito para 5% dos adultos, que compram o presente apenas na véspera do Dia das Crianças. Já 33%, assim que encontram o presente perfeito, se antecipam e garantem a lembrança; 24% aguardam o bolso permitir; 16%, compram cerca de uma semana antes da data; 13% compram o presente quando descobre o que a criança quer; 8% garantem o presente assim que recebe o salário.

Além disso, 57% pretendem fazer compras pela internet, com entrega em casa; 3%, no formato pick up – encomendar pela internet e retirar na loja. As compras virtuais serão em sites de redes de varejo 100% digitais por 59% dos brasileiros; Plataforma de e-commerce por 43%; em sites de redes de varejo de shopping por 37%; e em site da marca por 15%. Sites de pequenos lojistas são a escolha de 14%; as redes sociais (loja da marca ou pessoa) são opção de 5%; e outros canais, foram citados por 4% dos brasileiros. Google Shopping (3%); site de hiper/supermercado (1%); e aplicativo de entrega (1%) também apareceram entre as opções. Em contrapartida, 53% pretendem ir até a loja física fazer suas compras; 2% vão produzir o presente; e apenas 1% não vai presentear na ocasião.

O tíquete médio para os presentes para 50% dos brasileiros está na faixa de R$ 50 a R$ 150; 21% pretende gastar até R$ 50; 19%, entre R$ 150 e R$ 250; 7%, de R$ 250 a R$ 500; 2%, de R$ 500 a R$ 1.000.

Com a data sendo comemorada ainda em durante a pandemia, alguns comportamentos e expectativas se mantém. 53% dos brasileiros acreditam que as pessoas continuarão usando máscaras pelas ruas; 46% imaginam que a grande maioria da população terá recebido a primeira dose da vacina contra a Covid-19; 25% pensam que ainda terão cidades com alertas amarelo ou vermelho devido ao coronavírus; 16% acreditam que muitas pessoas ainda estarão infectadas.

Ainda segundo o estudo, 87% dos entrevistados afirmam que esperam ser vacinados com as duas doses até a ocasião. E embora haja uma campanha de vacinação em andamento, 10% dizem que ainda não terá tomado a segunda dose até o dia 12 de outubro; 1% ainda não terá tomado nenhuma dose de imunizante; 1% declara que não vai se vacinar.

Mais da metade dos brasileiros (61%) está otimista e acredita que o Dia das Crianças deste ano vai ser melhor que o de 2020; 38% supõem que será a mesma coisa do ano passado; e 1% declara que será pior que no ano passado; 48% creem que já terá bem mais flexibilidade e as pessoas farão compras nas ruas; e 32% preveem que as lojas e parques estarão abertos para comemorar a data. Em tempos de dúvidas, 12% declaram não ter ideia do que vai acontecer.

Para 34% dos entrevistados, o Dia das Crianças é mais um dia para aproveitar ao lado das crianças da sua vida; 28% veem a data como uma chance de passar um dia divertido com os pequenos; 17% acreditam ser uma data com uma simbologia importante; 1% vê como uma oportunidade de viajar, afinal, a data também é feriado; e 18% veem a ocasião apenas como mais uma data comercial.

Se em 2020 34% dos brasileiros ficaram em casa e comemoraram com a família por videoconferência, em 2021, apenas 6% vão celebrar virtualmente. Ainda para este ano, o plano de 21% é de se divertir junto às crianças em casa; 13% ir ao encontro das crianças na casa delas; 10% passear no shopping ou parque com os pequenos; 8% receber a família em casa; 2% ir para a casa dos filhos; 2% viajar com as crianças; e 1% ir a um restaurante com a família. 37% ainda estão indecisos e 5% declararam não comemorar a data.

A pesquisa foi realizada com 1.473 brasileiros de forma digital, entre 27 e 29 de agosto de 2021, garantindo 95% de significância e 2,55% de margem de erro nos dados revelados. Entre os entrevistados, 50% é formado por homens e 50% por mulheres, 37% têm idade entre 36 e 45 anos; 25% de 46 a 55 anos; 20% de 26 a 35 anos; 14% de 56 anos ou mais; 5% declararam ter até 25 anos.

Já levantamento feito pela plataforma OLX sobre a aquisição de brinquedos usados e seminovos apontou que no último trimestre, por exemplo, o pop it fidget toy, febre do momento entre a criançada, a boneca e a casinha de boneca foram os mais procurados na plataforma, registrando 29%, 22% e 14% das buscas, respectivamente. Dentre os mais vendidos estão boneca (37%), patinete infantil (18%), pop it fidget toy (13%), patins infantis (13%) e casinha de boneca (9%).

Dentre os brinquedos mais anunciados na plataforma estão boneca (45%), pop it fidget toy (22%), patinete infantil (7%), patins infantis (7%) e casinha de boneca (6%). Quando o assunto é brinquedo retrô, o mercado de usados e seminovos é uma ótima oportunidade para os papais que buscam modelos que brincavam na infância. A OLX identificou que os clássicos Barbie, lego e jogos de tabuleiro estão no Top 5 dos brinquedos retrôs mais vendidos na plataforma nos últimos três meses. Dentro os mais procurados estão Barbies, Legos e jogos de tabuleiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Ciência: entidades pedem liberação de recursos

Organizações questionam redirecionamento para outras áreas de R$ 515 milhões, que eram do CNPq.

BC garante cumprir meta de inflação de 2022

Em apresentação nesta sexta-feira em uma conferência promovida pelo banco Goldman Sachs, na capital dos Estados Unidos, o presidente do Banco Central, Roberto Campos...

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...