Dia de pouca liquidez com feriado nos EUA e divulgação de PMIs

255
Wall Street (Foto: divulgação)
Wall Street (Foto: divulgação)

Os mercados europeus fecharam a sessão de sexta-feira sem direção única. Os receios em torno da variante delta da Covid-19 continuaram a ser um ponto de atenção dos investidores. Pelo lado acomodatício, o Banco Central Europeu (BCE) ainda acredita que a inflação no continente é temporária após o Índice de Preços ao Produtor (IPP) de maio subir 9,6% ao ano. Londres teve queda de 0,03%. Frankfurt subiu 0,30%. Paris teve perda marginal de 0,01%. Milão caiu 0,89%. Na Península Ibérica, Madri perdeu 0,28% e Lisboa subiu 0,77%.

Nos EUA, os fortes dados do payroll animaram o mercado norte-americano. O principal índice de empregos do país registrou criação de 850 mil postos de trabalho, evidenciando retomada da atividade econômica. O dado não afetou os rendimentos das treasuries para 10 anos, contribuindo para a alta nos mercados de ações. Dow Jones teve alta de 0,44%. S&P 500 ganhou 0,75% e Nasdaq subiu 0,81%.

Não obstante o cenário político com ruídos e a indigestão em relação à reforma tributária, o Ibovespa teve correção, subindo 1,56% aos 127.622 pontos, seguindo seus pares globais. Os níveos baixos das treasuries também contribuíram para a tomada pelo risco.

Hoje, com os novos casos de Covid-19 e o PMI de serviços aquém do esperado na China, as principais Bolsas asiáticas fecharam sem direção única em dia de menor liquidez por conta do feriado nos EUA. Pelo lado positivo, se destaca a promessa de Pequim para ajudar as companhias do setor de tecnologia. O Nikkei teve queda de 0,64%. Hong Kong perdeu 0,59%. Xangai subiu 0,44%. Seul ganhou 0,35% e Taiwan teve valorização de 1,18%.

Espaço Publicitáriocnseg

Em dia de feriado nos EUA, os mercados europeus operam em alta, com bons números do PMI composto e de serviços nas principais economias do continente.

No exterior, os mercados abriram majoritariamente em alta. Na Europa, serão divulgados dados da produção industrial na Zona do Euro. Nos EUA, os futuros abrem mistos enquanto os agentes ponderam a decisão do Fomc e a retomada da economia. No Brasil, os futuros do mini-índice operam em queda mediante os ruídos políticos e as denúncias envolvendo o governo.

Como ocorre toda segunda-feira, o BC divulgou o Relatório Focus. O documento apresentou mais uma alta nas expectativas dos especialistas de mercado em relação à inflação medida pelo IPCA (+6,07%), PIB (+5,18%) e produção industrial (+6,30%). A taxa de câmbio teve projeção de queda para R$ 5,04 e a perspectiva para a Selic se manteve em 6,5%. A autoridade monetária também fará leilões de swap cambial a partir das 11h30.

Tal qual nos outros países, IHS Markit disponibilizará os indicadores do PMI de serviços e composto do Brasil.

O mercado também ficará atento aos ruídos políticos e aos avanços da vacinação no país.

Na Europa, se destacam os PMI’s e o indicador de confiança da Zona do Euro.

.

Matheus Jaconeli

Economista da Nova Futura Investimentos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui