Dialogo, “no”

Professor de universidades japonesas nos anos 90, o cientista político Theotonio dos Santos, integrante do Conselho Editorial do MM, conta da dificuldade para convencer seus anfitriões sobre a importância de uma aproximação com a China: “Eles, no máximo, se viam como fornecedores de tecnologia aos chineses, o que não aconteceu, até porque, nesse período, a própria China desenvolveu tecnologia própria”, observa, acrescentando que a o atual gigante asiático foi o principal responsável por retirar o Japão da recessão que durou cerca de uma década.

Fora da realidade
Candidatos a apadrinhar uma criança carente na Campanha Papai Noel dos Correios estão decepcionados com os pedidos que as meninas e meninos estão fazendo para o Bom Velhinho. Fruto da influência da mídia nos hábitos de consumo, há pedidos de laptops, computadores, celulares com câmera, MP-4, Playstation 2, entre outros brinquedos caríssimos. Diante desse tipo de pedidos, muitos padrinhos em potenciais, que queriam presentear as crianças, desistiram e farão doação de brinquedos para outras instituições, como orfanatos. Muitos sentem a falta de pedidos tradicionais e mais realistas para os bolsos, como bonecas, bolas, roupas e jogo de panelinhas. Os Correios deveriam fazer uma propaganda mostrando que as crianças devem fazer pedidos mais humildes.

Energonhados
“A escola pode ser privada, mas educação é uma atribuição do poder público.” A boa síntese é do deputado federal Antonio Carlos Pannunzio (PSDB-SP), ao criticar articulação de representantes das universidades  particulares visando a elaborar projeto de lei que proíba a divulgação dos resultados das provas de avaliação do ensino superior aplicadas pelo Ministério da Educação: “O Legislativo não pode compactuar com essa tramóia para tentar esconder informações, não só de quem está matriculado na escola, mas também do cidadão contribuinte. Quem não quer que o resultado das provas de avaliação das universidades seja de conhecimento público, age assim porque precisa esconder fatos dos quais muito tem de que se envergonhar”, sentencia.

Portas abertas
Segundo Pannuzio, o movimento das particulares encontrou “sua porta de entrada no Congresso” pelo gabinete do deputado Severiano Alves (PDT-BA). Alves preside a Frente Parlamentar em Defesa do Ensino Privado, formada por cerca de 170 deputados e senadores e criada há um ano para defender os interesses das particulares. A alegação, diz o deputado tucano, é de que as provas não refletem uma avaliação in loco das instituições de ensino, como infra-estrutura, limitando-se unicamente ao desempenho do aluno: “Não é o acervo bibliográfico, nem a parafernália de recursos tecnológicos audiovisuais que asseguram a qualidade de ensino. A melhor forma de aquilatar isso é o desempenho dos estudantes”, rebateu Pannunzio.

Mochila
Mais mochileiros estrangeiros têm sido atraídos pelo Rio, um visitante que passa longe dos hotéis cinco estrelas e não é figura fácil nos pontos turísticos convencionais. Jovem (65% têm entre 17 e 22 anos), a maioria (75%) se hospeda em albergues. O gasto médio por turista é na faixa de US$ 40 por dia. O perfil é revelado por pesquisa realizada pelos professores Bayard Boiteux e Mauricio Werner. Quase metade vem da Europa (45%), vindo em seguida os jovens da América do Norte (30%). Visitam o Brasil pela primeira vez 80% e 90% têm intenção de voltar. Os locais mais visitados são a Lapa (25%), Pão de Açúcar (17%) e Corcovado (13%), mas também as favelas (10%).

Pendura
Por causa da crise, as operadoras de telefonia celular pensam em pedir ao governo que adie o prazo de pagamento da taxa de fiscalização, que vence sempre no mês de março. O presidente da Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel), Ércio Zilli, disse  que a previsão para março de 2009 é de que as empresas de telefonia celular recolham cerca de R$ 2 bilhões para o Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel). A idéia de se adiar o pagamento do Fistel seria uma alternativa à recusa do governo de adiar a data de pagamento das licenças de terceira geração (3G), que custaram às empresas R$ 5,3 bilhões.

Eu também
Esta coluna também tem uma proposta a fazer às teles: adiar, por 18 meses, o pagamento das contas que vencem em dezembro, janeiro e fevereiro. Afinal, a crise é para todos.

Artigo anteriorFim de uma certa história
Próximo artigoIlhados
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

Mortes dos essenciais

Aumentam em mais de 50% óbitos de caixas, frentistas e educadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.

Equador: Não haverá contagem rápida no domingo de eleições

Arauz, candidato do ex-presidente Rafael Correa lidera as pesquisas com 37% das intenções de voto contra 30% do candidato do Aliança Creo, o banqueiro Guillermo Lasso.

Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação

Segundo FGV, fato reflete avanço das campanhas de vacinação contra a Covid.

Brasil movimentou R$ 2 tri em transações com cartões em 2020

Transações digitais foram impulsionadas por modernização do mercado e pandemia.

IPCA de março variou abaixo da expectativa do mercado

Nossa projeção para o ano que vem permanece de 6,5%, podendo ser antecipada para este ano.