Dilma critica ato de força e defende a Constituição

A presidente Dilma Rousseff manifestou, em nota e pronunciamento, seu inconformismo com a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para depoimento na Polícia Federal, em São Paulo. Mais cedo ela telefonara para Lula e disse estar solidária.
“Manifesto meu integral inconformismo com o fato de um ex-presidente da República que, por várias vezes, compareceu voluntariamente para prestar esclarecimentos perante as autoridades com-petentes, seja agora submetido a uma desnecessária condução coercitiva para prestar um depoimento”, diz a nota.
Para Dilma, “é necessário que as investigações prossigam, para a final punição de quem deve ser punido. Mas, no ambiente republicano e democrático, o protagonismo da Constituição, sob orienta-ção Supremo Tribunal Federal, constitui importante salvaguarda”.
“Vazamentos ilegais, prejulgamentos antes do exercício do contraditório e da ampla defesa, não contribuem para a busca da verdade, mas apenas servem para animar a intolerância e retóricas anti-democráticas”, ressaltou a presidente.
Em entrevista à Folha de S.Paulo, o ministro do Supremo Marco Aurélio de Mello criticou de forma veemente a decisão do juiz Sergio Moro: “Só se conduz coercitivamente, ou como se dizia antigamente, debaixo de vara, o cidadão que resiste e não comparece para depor. E Lula não foi intimado.” Disse também que “isso implica retrocesso, não avanço”. E concluiu: “Nós, magistrados, não somos legisladores, não somos justiceiros.”
O ex-ministro José Gregori, que ocupou a pasta da Justiça e a Secretaria de Direitos Humanos no governo de Fernando Henrique Cardoso, se somou às críticas. À BBC, classificou a condução coercitiva contra o ex-presidente Lula como um exagero, destacando desconhecer, “na nossa legislação, a figura da condução coercitiva sem que tenha havido antes a convocação”.
Também integrante do governo tucano, o jurista Walter Maierovitch igualmente se manifestou contra o mandado de Moro: “Essa vergonha está acontecendo no país é uma coisa que precisa ser apurada, mas me preocupa quando tem um desvio de legalidade.”
Mais cedo, com a deflagração da 24ª fase da Operação Lava Jato, a Polícia Federal conduzira, de forma classificada pelo PT como espetáculo de pirotecnia, o ex-presidente, que estava em casa, em São Bernardo do Campo, a uma unidade da polícia no Aeroporto de Congonhas para tomar o depoimento.
A PF informou que a Operação Aletheia, nome dado a essa etapa da Lava Jato, envolveu cerca de 200 policiais federais e 30 auditores da Receita Federal, que cumpriram 44 ordens judiciais, sendo 33 mandados de busca e apreensão e 11 mandados de condução coercitiva – quando a pessoa é levada para a delegacia a fim de prestar depoimento e depois é liberada.SITE 1dilma

Artigos Relacionados

Cabo eleitoral do pai pode apurar falsidade ideológica do filho?

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) continua na linha de frente das notícias pouco convincentes. A promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho - que fez...

Corte na saúde e educação é sentença ao atraso e à miséria para o país

Associação médica publica nota de repúdio contra PEC Emergencial; ontem, Bolsonaro sancionou lei que reduz à metade investimento em pesquisa do setor elétrico.

STJ pode anular amanhã processo contra Flávio Bolsonaro

Para criminalista, se anulado, processo volta à estaca zero: 'é possível que alguns crimes apurados, que ocorreram entre 2007 e 2018, prescrevam'.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Eles são representantes da União no Conselho da empresa, petrolífera divulgou nota ontem à noite.

Biden quer estados priorizando vacinação de professores

Presidente americano pediu que educadores recebam pelo menos uma dose de vacina.

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.

Planta da BRF é habilitada a exportar empanados para Omã

Companhia informou que sua unidade de Toledo foi habilitada pelo governo do país árabe a exportar empanados de frango.

Migrantes detidos no México sofrem com pobreza e violência

Cerca de 70 mil pessoas ainda estão em situação de vulnerabilidade extrema, segundo Médicos Sem Fronteiras.