Diminui o percentual de famílias endividadas na cidade do Rio

Parcela da renda comprometida com o pagamento de dívidas, entretanto, subiu em fevereiro.

No mês de fevereiro, o percentual de famílias endividadas na cidade do Rio de Janeiro apresentou queda no comparativo com o mês anterior e alcançou 62,5% (frente a 63,7% em janeiro). O levantamento é do Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec-RJ), da Federação de Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio), apurado pela Confederação Nacional do Comércio (CNC).

A dívida no cartão de crédito, que historicamente é a mais contraída entre as famílias, foi citada em fevereiro deste ano por 72,1% dos endividados, muito acima da segunda modalidade de dívida mais citada, os carnês (12,6%). O cheque especial, cujos juros foram recentemente limitados em até 150% ao ano, foi citado por 9,3% das famílias.

A parcela da renda das famílias comprometida com o pagamento de dívidas também subiu em fevereiro e alcançou 28,8%, quarto aumento consecutivo.

A dívida no cartão de crédito, que historicamente é a mais contraída entre as famílias, foi citada em fevereiro deste ano por 72,1% dos endividados, muito acima da segunda modalidade de dívida mais citada, os carnês (12,6%). O cheque especial, cujos juros foram recentemente limitados em até 150% ao ano, foi citado por 9,3% das famílias.

A redução da proporção de famílias endividadas foi acompanhada pelo crescimento da proporção de famílias inadimplentes. Depois de duas quedas sucessivas, a proporção voltou a subir e atingiu 13,9% em fevereiro (contra 12,6% em janeiro).

A parcela da renda das famílias comprometida com o pagamento de dívidas também subiu em fevereiro e alcançou 28,8%, quarto aumento consecutivo.

Para o diretor do IFec-RJ, João Gomes, a redução consistente da inadimplência e da parcela da renda dedicada ao pagamento de dívidas dependerá de uma recuperação também mais consistente do mercado de trabalho na cidade do Rio de Janeiro.

"Dados mais recentes têm mostrado que a taxa de desemprego ficou parada no último ano. Entre o primeiro e o quarto trimestres de 2018, a taxa média de desemprego na cidade foi igual a 12,6%. Um ano depois, a taxa média apresentou redução de 0,1 ponto percentual e alcançou 12,5%", ressaltou.

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) indicam que a manutenção da taxa de desemprego aconteceu mediante o crescimento da taxa de informalidade no mercado de trabalho carioca. Ao contrário do estado do Rio de Janeiro, que registrou saldo positivo de empregos formais em 2019 igual a + 13.629, a cidade do Rio apontou valor igual a -6.841, quinto resultado anual negativo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mais um residencial na zona portuária

Empreendimento imobiliário vai gerar até R$ 600 milhões em negócios.

Comércio do Rio espera aumento de 3% nas vendas do Dia dos Pais

Aldo: maioria dos clientes deverá parcelar o pagamento, usando cartão de crédito ou cartão e carnê de crediário próprios das lojas.

Alerj protesta contra fim de voos para Norte Fluminense

Ceciliano lamenta decisão da Azul e cobra atuação da Agência de Aviação.

Últimas Notícias

Mercado financeiro reduz projeção da inflação de 7,15% para 7,11%

Esta é a sexta redução consecutiva da projeção, diz BC.

Real pode se beneficiar da queda do dólar ante moedas emergentes

Em NY, os índices futuros acionários operam no positivo, assim como as principais Bolsas europeias; alta também na Ásia.

Dia dos Pais: shoppings preveem crescimento de 16% nas vendas

Setor deve movimentar R$ 4,4 bilhões entre os dias 8 e 14 de agosto.

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos