Dinheiro sujo

O Banco Mundial estima entre US$ 1 trilhão e US$ 1,6 trilhão o dinheiro sujo que circula anualmente pelo mundo. A revelação é feita pelo ex-ministro argentino Jose Nun, em artigo no La Nacion. Depois de estudar 23 países, Raymond Baker, diretor de um think tank de Washington, elevou esse número a US$ 2 trilhões, e conclui que 3% do total podem ser atribuídos à corrupção política, um terço ao crime organizado e entre 60% e 65% a manobras ilícitas de pessoas físicas e grandes empresas. Traduzindo: os ricos evadem o dobro do dinheiro que os políticos e o crime organizado juntos.

Tirar o véu
A curiosidade a respeito das investigações sobre as relações entre público e privado estimuladas pela evolução patrimonial do ministro Antonio Palocci não pode ser detida ou rebaixada a mera luta partidária entre tucanos e petistas, o que resultaria em mais um acordo de neutralização como ocorreu na CPI do Banestado. A sociedade precisa se mobilizar para, além da briga política que envolve Palocci, dentro e fora do governo, questionar as relações mantidas entre empresas contratantes de ex-integrantes de órgãos estratégicos de Estado, como Banco Central, Fazenda e BNDES. Para garantir transparência ao processo, é preciso expor, não só quais empresas recebem consultoria, como que tipo de negócios, diretos ou indiretos, mantiveram com o governo à época em que o consultor estava no poder.

Promessa quebrada
O mercado de consultorias é tão sedutor que o ex-ministro da Fazenda Pedro Malan, depois de passar os oitos anos em que ocupou o posto no interminável Governo FH, repetindo o mantra de que tinha orgulho de ser funcionário público, migrou para a direção do Unibanco. À época de sua gestão, Malan autorizara aos donos do seu futuro emprego a incorporar o Banco Nacional, após este receber uma injeção de R$ 5,9 bilhões de dinheiro púbico, via Proer, para ser saneado antes de a transferência ser efetivada.

Senhor Inflação
Esse mesmo mercado também tem critérios muito singulares na contratação de seus consultores. Um dos mais bem remunerados integrantes desse universo, o ex-ministro Mailson da Nóbrega tornou-se um dos mais solicitados para palpitar sobre inflação e fórmulas para conter o avanço dos preços. Certamente, teria maiores chances de acerto se tais demandas se concentrassem em como produzir inflação. Como último ministro da Fazenda do Governo Sarney, Mailson acumula as medalhas de ouro, prata e bronze na categoria maiores inflação da história republicana tupiniquim – 63%, 72% e 84%, respectivamente, em janeiro, fevereiro e março de 1990, embora, neste último caso, tenha a deferência de dividir tal façanha com Zélia Cardoso de Mello, a primeira ministra da Economia de Collor e responsável pelos últimos 16  dias daquele mês.

Peixe industrial
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) lança, nesta quinta-feira, o portal de compras coletivas da indústria. O objetivo é reduzir os custos das empresas do setor. No Clube Indústria de Benefícios, site de negócios e relacionamento, cerca de 600 mil indústrias poderão comprar produtos e serviços com condições especiais. O gerente-executivo da Unidade de Relações do Trabalho e Desenvolvimento Associativo da CNI, Emerson Casali, conta que o portal beneficiará, principalmente, as micro e pequenas indústrias, que, pelo seu porte, dificilmente teriam acesso a condições de compras semelhantes. O projeto conta com parceiros como Totvs e Ticket, entre outras grandes empresas.

Fora da pauta
A ausência de referências às acusações de corrupção feitas pela BBC ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira, no Jornal Nacional, despertou a curiosidade de um leitor: “Terá Globo censurado a BBC?”

Ele frágil
Para quem foi apresentado pelo “mercado” como o grande fiador do governo Dilma junto às altas finanças, o ministro Antonio Palocci, enquanto continue a ser o principal representante dos rentistas no poder, está se revelando um dos principais aríete para os que, com menos de seis meses, buscam desestabilizar ou enquadrar a nova administração.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCheia
Próximo artigoNunca na História

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...

Ciência: entidades pedem liberação de recursos

Organizações questionam redirecionamento para outras áreas de R$ 515 milhões, que eram do CNPq.

Rating da EDP BR não muda com aquisição da Celg-T

Para a Fitch Ratings, a qualidade de crédito da EDP Energias do Brasil S.A. (EDP BR, Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA (bra)’, Perspectiva...

Tesouro: Queda do investimento líquido em ativos não financeiros

O Tesouro Nacional informou nesta sexta-feira que no 2º trimestre de 2021, a necessidade líquida de financiamento do Governo Geral alcançou 7,1% do PIB,...

Leilão de Excedentes da Cessão Onerosa terá sucesso?

Após a realização da 17ª Rodada de Licitações de Blocos para exploração e produção de petróleo e gás natural no último dia 7, considerado...