Direita marcha unida… para onde?

Poucos duvidavam que a direita marcharia unida nas eleições deste ano (Bolsonaro integra um esquadrão à parte). A definição do Centrão pela candidatura Alckmin esclarece alguns pontos. Primeiro, que a defesa da ética pelos tucanos vai só até a página 3. Segundo, que o “mercado” adora o combate à corrupção quando atinge Lula, mas comemora sem pudor a aliança dos principais partidos envolvidos em falcatruas. Terceiro, encenam um clima de “já ganhou” para tentar livrar da inércia o “picolé de chuchu”.

Não é tão simples. As pesquisas não ajudam o tucano. Apesar de governador do maior estado brasileiro e de já ter sido candidato a presidente – apenas cerca de 10% dos pesquisados não o conhecem – Alckmin patina em um dígito. A rejeição é elevada. Pesquisa da CNT/MDA de maio mostrava que 55,9% não votariam “de jeito nenhum” no ex-governador de São Paulo. Só um em cada quatro eleitores simpáticos ao tucanato declara votar nele.

Também não ajudam as investigações de corrupção. Mesmo com a lerdeza da justiça, a complacência de parte do MP e a blindagem dos jornalões, as denúncias estão na antessala de Alckmin. Se a apuração na Dersa andar um pouquinho que seja, a coisa ficará feia para o lado do ex-governador. E ainda há, no PSDB, a imagem de Aécio Neves.

A aposta é na força da máquina (o MDB deve apoiá-lo informalmente, pois um abraço de Temer significaria morte), na capilaridade dos partidos do Centrão e no tempo na TV. Com o apoio do bloco, Alckmin, que tinha sozinho 1 minuto e 18 segundos na propaganda eleitoral (em cada bloco de 12 minutos e 30 segundos), somará 4 minutos e meio, quase 40% de toda a fatia. O PT, sem aliança, tem 1 minuto e 34 segundos; o PDT de Ciro Gomes, menos de um terço disto; o PSB pode melhorar a situação de um ou de outro com seus 47 segundos.

O problema é que propaganda na TV não garante eleição. Ulysses Guimarães tinha larga vantagem sobre Fernando Collor em 1989, mas venceu o caçador de marajás. Na época, não existiam redes sociais, um fator a mais de incerteza hoje.

 

JC Cardoso, direto da China

Boa pergunta

Exceto quem já foi ao Brasil, poucas pessoas aqui na China ouviram falar em Brasília. E ficam surpresos quando digo que é projeto de um comunista. Acham que a capital do país é o Rio. Alguns arriscam São Paulo. Também digo que não, que São Paulo é maior cidade, que é o centro financeiro, que tem a Bolsa.

Perguntam se o Rio tem muitas indústrias. Digo que tem poucas. Que houve uma evasão enorme, tem algumas indústrias no estado, poucas, mas quase nenhuma na capital. Aí vem sempre a pergunta: se o Rio não é mais a capital, não é a maior cidade, se o Rio não tem indústria, de que o Rio vive?

 

Elvis não morreu

Em um dos barezinhos em frente à embaixada do Brasil (sempre eles), o Spotify (ou qualquer outro programa assim) toca Love Me Tender. O chinês que atende no balcão e que fala um inglês horrível aponta para a caixa de som e fala: “Alfis”.

Sim, Elvis. Mostrei no celular outras coisas do cantor. Diz que conhecia de ouvir, mas nunca tinha visto a cara do “Alfis”. Ficou surpreso ao ver que era um… branco!

 

Nova na bossa

Barzinho, situação dois. A música continua tocando até que entra uma bossa-nova. Não era uma música brasileira (nem mesmo versão), mas a batidinha é inconfundível. Digo que aquele ritmo era do Brasil. Foi difícil tentar explicar o que era ritmo… Acho que entendeu o que era, mas a dificuldade estava na palavra. Tentei pronunciar “bosa-nova” “bousa-nova”, “new bossa”, “new style”, “bossa noufa”… Enfim, o cara pediu para escrever. Depois de ler “bossa-nova”, diz: “Ah! I know!” Pronunciou qualquer coisa que não entendi como sendo “bossa nova”. E me mostrou no celular a cara da Lisa Ono!

 

Rápidas

Aprendizagem Organizacional com Storytelling” é o tema da palestra do professor e consultor Jerônimo Lima na Associação Brasileira de Consultores (ABCO), Núcleo Niterói, terça-feira. Detalhes em www.abco.org.br *** A Fecap recebeu, pela primeira vez, o Encontro Brasileiro de Finanças (EBFin). A 18ª edição do evento, organizado pela Sociedade Brasileira de Finanças (SBFin), terminou neste sábado. Mais informações: http://sbfin.org.br/pt/2018/EBFin *** O Carioca Shopping inaugurou o Espaço Rua, área destinada ao fomento da arte urbana. Até 31 de julho, o espaço receberá uma exposição do artista carioca Fábio Ema.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

G20 promete ‘financiamento total’ de compra de vacinas pela OMS

Medida desbloquearia quase US$ 20 bilhões.

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.