Direitos trabalhistas retardam explosão do desemprego

Se governo não agir de maneira integrada e firme, conta virá em 3 meses.

O aumento de apenas 150 mil pessoas na fila do seguro-desemprego no Brasil entre março e a primeira quinzena de abril deste ano, em relação ao mesmo período de 2019, e a notícia que cerca de 4,3 milhões de trabalhadores formais tiveram o contrato suspenso ou jornadas e salários reduzidos por até três meses trazem uma notícia boa, duas constatações e um alerta.

A boa notícia é que fica comprovado que os direitos trabalhistas deixam o mercado mais resiliente. Somando o excesso na fila do seguro em relação ao ano passado com os que tiveram contato suspenso ou reduzido, temos pouco menos de 4,5 milhões de pessoas, pouco mais de 13% dos 33,6 milhões de trabalhadores no setor privado com carteira assinada. Nos EUA, onde os contratos lembram os de boias-frias, em cinco semanas de crise causada pela pandemia, 26 milhões engrossaram a fila do seguro-desemprego (lá, como cá, represada pela avalanche de pedidos online).

A primeira constatação é que essa estatística abrange apenas metade do número de trabalhadores no país. Os 11,6 milhões de empregados sem carteira assinada e os 24,5 milhões que trabalham por conta própria não aparecem nos números, e só se poderá ter uma ideia do impacto quando o IBGE divulgar a Pnad Contínua de abril (ao final de maio). Mesmo os números do mercado formal são aproximações, pois desde janeiro o governo não divulga o Caged, devido às dificuldades na mudança da Rais para o eSocial.

A segunda constatação é que, não fossem os freios impostos pelos direitos trabalhistas e as medidas, ainda que insuficientes, para apoiar as empresas a manterem os empregos, o desemprego teria explodido.

Aí vem o alerta: se não forem adotadas medidas mais abrangentes, veremos em três ou quatro meses esta explosão de efeito retardado. Só Paulo Guedes para acreditar que acenando com reformas o país voltará a girar as engrenagens. Os R$ 600 (vezes três) pagos aos informais e MEIs vão desaparecer feito água na areia; os adiamentos de impostos e os empréstimos para bancar a folha de pagamento terão que ser quitados; as empresas, sem poder manter os contratos de trabalho suspensos ou reduzidos, vão demitir.

 

Gripezinha

Bolsonaro afirmou que 70% dos brasileiros serão contaminados pela Covid-19. Com população de 210 milhões, seriam 147 milhões. Se a taxa de mortalidade ficasse em modesto 1%, 1,5 milhão de brasileiros iriam para os cemitérios. Ainda bem que o presidente é tão ruim de Matemática quanto de Medicina.

 

Rastreamento

Não será surpresa se Bolsonaro decidir, na saída da quarentena, adotar o programa Fleming, que usa dados de celulares e saúde para acompanhar possíveis infectados. O sistema é da israelense NSO, que comercializa o Pegasus, que invade o WhatsApp e é muito apreciado pela família.

 

Rápidas

A Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ, com o apoio da escola técnica de turismo Cieth, inaugura nesta quinta a exposição de fotos Rio Maravilhoso, no Facebook, com curadoria de Ana Botafogo e Gustavo Delesderrier. As fotos são de Vanda Klabin, Cristina Lacerda e Bayard Boiteux, entre outros *** Como ficam os contratos dos jogadores de futebol, com a suspensão dos campeonatos e a consequente queda na arrecadação dos clubes? Essa questão será discutida na live que o IAB fará no Instagram, “Os impactos da Covid-19 nos contratos de trabalho dos atletas”, nesta quinta, às 16h, no perfil @iabnacional *** A Associação dos Advogados de SP (Aasp) promove nesta quinta-feira, às 17h, o webinar gratuito “Medidas Provisórias e segurança jurídica”, com o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Alexandre de Souza Agra Belmonte, entre outros. Inscrições aqui *** CEOs da Ambev, Magazine Luiza, Boticário e outros discutem oportunidades para o pequeno varejo superar a crise econômica no bate-papo ao vivo dos embaixadores do movimento Compre do Bairro, nesta sexta-feira, a partir das 11h, no Facebook (@movimentocompredobairro) e outros canais digitais do movimento *** A empresária e jornalista Tatiana Datz, da Agência Datz, falará sobre “Assessoria de imprensa em tempos de Covid”, no próximo dia 6, às 14h, na plataforma Teams da Facha. O link para a palestra será disponibilizado no Instagram @faculdadefacha

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...