Disputa elétrica

Esquenta a briga entre as estatais de energia elétrica, o Ministério de Minas e Energia e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Em reunião esta semana com o presidente da Eletrobrás, Aloisio Vasconcelos, os empregados da estatal reclamaram que a EPE está colhendo os frutos dos trabalhos realizados pela Eletrobrás, sem pagar por isso.
A EPE não tem quadro de pessoal, o que só ocorrerá após concurso público, ainda não marcado. Enquanto isso, para realizar seu trabalho – teoricamente, planejar o setor energético brasileiro – recorre aos trabalhadores da Eletrobrás, Petrobras e outras estatais. Funcionários das empresas querem que a EPE pague pelas informações, atualmente liberadas de graça.
Ao mesmo tempo, o ministério montou uma estrutura paralela e está competindo com a EPE. No fundo, uma disputa sobre quem irá mandar no setor de energia – especialmente elétrica. Ou, do jeito que vai a carruagem, quem vai comandar o espetáculo do apagão em 2007-2008.
Mais Fatos & Comentários na página 2

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDigital
Próximo artigoVocabulário

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.