Ditabranda

Três meses depois do golpe que derrubou o presidente de Honduras, Manoel Zelaya, do poder, a ditadura hondurenha estabeleceu um recorde mundial: não foi reconhecida por um único governo. Nem os Estados Unidos, habitués no apoio a ditaduras na região, se sentem à vontade para reconhecerem o governo golpista. A rara unanimidade internacional não inibiu parte da imprensa tupiniquim de insistir em tratar os golpistas de “governo interino”, ou “governo de fato”, entre outros malabarismos de retórica que buscam edulcorar a ditadura hondurenha. Emblematicamente, são, em essência, os meios órgãos apoiadores e, et por cause, beneficiários da ditadura brasileira.

Reforma agrária da mídia
O antagonismo entre a mídia financista e a democracia não é fato inaugural no Brasil. Sua exibição sem pudores, apenas 24 anos depois da ditadura brasileira, no entanto, reafirma a importância da aprovação, na Conferência Nacional de Comunicação, no fim do ano, em Brasília, de propostas que comecem a romper com os latifúndios midiáticos, que se pretendem perenes e fora do alcance dos ditames que a lei demanda de concessionários de serviços públicos.

Golpistas, golpistas
Em tempo, em todo o episódio envolvendo o golpe em Honduras, a posição do presidente Lula e do Itamaraty, personificado na figura do chanceler Celso Amorim, são irrepreensíveis. A posição clara adotada em defesa da democracia permitiu, inclusive, que Lula, numa única sentença, desmontasse a rocambolesca edição televisiva que tentava culpar Zelaya para absolver os golpistas hondurenhos: “Chamar de governo interino é uma forma sofisticado de não chamar de golpe. São golpistas, golpistas, golpistas”, fulminou Lula.

No ar
A empresa Fuel Cell já vende geradores de hidrogênio para residências, condomínios e fazendas de médio porte. No Japão, já existem kits de célula combustível que, em pouco tempo, poderão substituir as atuais baterias recarregáveis dos computadores, laptops, Ipods, DVDs e filmadoras.

Espírito olímpico
Em 1999, Central do Brasil concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro. Na cerimônia de entrega dos prêmios, foi chamada para anunciar o vencedor a atriz italiana Sophia Loren. E o Oscar foi para… o italiano A Vida é Bela.

Efeito
Nesta quarta-feira, o professor Bayard Boiteux fala sobre “Impactos da economia turística na população do Rio”, no Conselho de Turismo da Confederação Nacional de Comércio.

Acelera e freia
Das duas uma, ou o país reduz Imposto sobre Produtos Industriais (IPI) para compra de automóveis e comemora o fato de ser um dos cinco principais mercados automobilísticos ou estimula o transporte coletivo. As duas coisas juntas é esquizofrenia.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMeirellices
Próximo artigoEmpacotamento

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais