Ditabranda

Três meses depois do golpe que derrubou o presidente de Honduras, Manoel Zelaya, do poder, a ditadura hondurenha estabeleceu um recorde mundial: não foi reconhecida por um único governo. Nem os Estados Unidos, habitués no apoio a ditaduras na região, se sentem à vontade para reconhecerem o governo golpista. A rara unanimidade internacional não inibiu parte da imprensa tupiniquim de insistir em tratar os golpistas de “governo interino”, ou “governo de fato”, entre outros malabarismos de retórica que buscam edulcorar a ditadura hondurenha. Emblematicamente, são, em essência, os meios órgãos apoiadores e, et por cause, beneficiários da ditadura brasileira.

Reforma agrária da mídia
O antagonismo entre a mídia financista e a democracia não é fato inaugural no Brasil. Sua exibição sem pudores, apenas 24 anos depois da ditadura brasileira, no entanto, reafirma a importância da aprovação, na Conferência Nacional de Comunicação, no fim do ano, em Brasília, de propostas que comecem a romper com os latifúndios midiáticos, que se pretendem perenes e fora do alcance dos ditames que a lei demanda de concessionários de serviços públicos.

Golpistas, golpistas
Em tempo, em todo o episódio envolvendo o golpe em Honduras, a posição do presidente Lula e do Itamaraty, personificado na figura do chanceler Celso Amorim, são irrepreensíveis. A posição clara adotada em defesa da democracia permitiu, inclusive, que Lula, numa única sentença, desmontasse a rocambolesca edição televisiva que tentava culpar Zelaya para absolver os golpistas hondurenhos: “Chamar de governo interino é uma forma sofisticado de não chamar de golpe. São golpistas, golpistas, golpistas”, fulminou Lula.

No ar
A empresa Fuel Cell já vende geradores de hidrogênio para residências, condomínios e fazendas de médio porte. No Japão, já existem kits de célula combustível que, em pouco tempo, poderão substituir as atuais baterias recarregáveis dos computadores, laptops, Ipods, DVDs e filmadoras.

Espírito olímpico
Em 1999, Central do Brasil concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro. Na cerimônia de entrega dos prêmios, foi chamada para anunciar o vencedor a atriz italiana Sophia Loren. E o Oscar foi para… o italiano A Vida é Bela.

Efeito
Nesta quarta-feira, o professor Bayard Boiteux fala sobre “Impactos da economia turística na população do Rio”, no Conselho de Turismo da Confederação Nacional de Comércio.

Acelera e freia
Das duas uma, ou o país reduz Imposto sobre Produtos Industriais (IPI) para compra de automóveis e comemora o fato de ser um dos cinco principais mercados automobilísticos ou estimula o transporte coletivo. As duas coisas juntas é esquizofrenia.

Artigo anteriorMeirellices
Próximo artigoEmpacotamento
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

Mortes dos essenciais

Aumentam em mais de 50% óbitos de caixas, frentistas e educadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.

Equador: Não haverá contagem rápida no domingo de eleições

Arauz, candidato do ex-presidente Rafael Correa lidera as pesquisas com 37% das intenções de voto contra 30% do candidato do Aliança Creo, o banqueiro Guillermo Lasso.

Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação

Segundo FGV, fato reflete avanço das campanhas de vacinação contra a Covid.

Brasil movimentou R$ 2 tri em transações com cartões em 2020

Transações digitais foram impulsionadas por modernização do mercado e pandemia.

IPCA de março variou abaixo da expectativa do mercado

Nossa projeção para o ano que vem permanece de 6,5%, podendo ser antecipada para este ano.