Diário do Mercado

Opinião do Analista / 12:50 - 28 de out de 2011

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Bolsas: a boa evolução e definição do "acerto" europeu entre governos, bancos privados, entidades multilaterais e credores e devedores de títulos de dívida soberana grega propiciou um grande rebalanceamento dos mercados internacionais de renda fixa, variável e monetário. Ao final da sessão desta quinta-feira, o Ibovespa apresentou uma valorização de 3,7% e volume financeiro elevado de R$ 10,1 bilhões. Com resistências técnicas ultrapassadas com força a partir de 58.600 pontos, a força compradora pode ainda se mostrar presente nesta sexta, especialmente após a boa aceitação da prévia do PIB norte-americano anualizado do terceiro trimestre de 2011 e se novos dados de inflação no Brasil e da confiança do consumidor nos EUA agradarem os agentes econômicos. Câmbio/Juros - O dólar enfraqueceu-se na quinta-feira no mercado de câmbio internacional e doméstico após o acordo de líderes europeus para sanar a crise fiscal na região ter estimulado desde a madrugada o apetite por aplicações mais arriscadas. Os investidores também se animaram com o crescimento de 2,5% do PIB dos Estados Unidos no terceiro trimestre, porque o dado afasta os temores de recessão no país. Na BM&F, a moeda à vista terminou na mínima do dia, de R$ 1,708, em baixa de 2,77%. Como a ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) apenas reforçou a idéia de que o ajuste da taxa Selic deve ter prosseguimento nas próximas reuniões, sem esclarecer a durabilidade deste ciclo, o mercado de juros futuros se voltou para os desdobramentos do plano europeu para minimizar a crise na região e recompôs os prêmios que havia cedido ontem. Internamente, os dados do mercado de trabalho indicaram alguma acomodação e contribuíram para limitar a alta das taxas ao longo da curva a termo. Assim, ao término da negociação normal na BM&F, o DI janeiro de 2013 ficou em 10,39%, de 10,33% no ajuste, enquanto o DI janeiro de 2014 subiu a 10,70%, de 10,53%. Entre os longos, a taxa projetada pelo DI janeiro de 2017 avançou para 11,29%, na máxima, ante 11,14% ontem, e o DI janeiro de 2021 indicou 11,33%, também na máxima, de 11,19% na véspera. Empresas/Setores - - Calendário de Proventos - Energias do Brasil (ENBR3): Resultado 3T11 - Natura (NATU3): Resultado 3T11 - Redecard (RDCD3): Resultado 3T11 - Santander (SANB11): Resultado 3T11 - Vale (VALE3/VALES): Resultado 3T11. - Calendário de Resultados 3T11 Marco Melo

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor