Dívida pública no overnight

Débito cresce, prazo cai, e mais de R$ 800 bilhões vencem este ano.

A Dívida Pública Federal – que inclui o endividamento interno e externo do Brasil – fechou 2019 em R$ 4,249 trilhões, informou a Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Economia. O valor representou aumento de 9,59% em relação a 2018, um aumento de R$ 372 bilhões.

A previsão é que chegue ao final de 2020 entre R$ 4,5 trilhões e R$ 4,75 trilhões, de acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF) da dívida pública.

Em 2018, 16,32% do débito vencia em 12 meses. O percentual pulou para 18,68% no ano passado, e a expectativa do governo é que salte para uma faixa entre 20% e 23%.

O governo afirma que, caso tenha dificuldades em rolar o débito, tem um “colchão” para cobrir pouco mais de seis meses dos vencimentos da dívida pública interna, que totalizarão R$ 808,2 bilhões este ano.

O prazo médio da dívida igualmente vem diminuindo: de 4,11 anos em 2018 para 3,97 anos em 2019. Para 2020, a Secretaria do Tesouro prevê um prazo médio de 3,9 e 4,1 anos.

Em dezembro, os maiores detentores da dívida pública eram os fundos de investimentos (26,68%). O estoque desse grupo passou de R$ 1,065 trilhão para R$ 1,089 trilhão de novembro para de-zembro. Em seguida, estão os fundos de Previdência, com uma fatia de 24,89%; as instituições financeiras, com 24,69%; os investidores estrangeiros (10,43%); o governo (3,97%); as seguradoras (3,94%) e outros (5,41%).

O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, reafirmou que a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) deve ter fechado 2019 pouco abaixo de 77% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país), o que indicaria a primeira queda anual no indicador desde 2013.

Artigos Relacionados

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

PEC do calote quer elevar Bolsa Família para R$ 400

Proposta é parcelar dívidas reconhecidas pela justiça para criar o Auxílio Brasil.

Preços de commodities turbinam balança comercial

Mesmo com valores recordes de produtos básicos, exportações cresceram menos que importações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

STF dá prazo para Bolsonaro explicar bloqueio de jornalistas

O presidente da República terá 10 dias para explicar o bloqueio de jornalistas em seu perfil no Twitter. O prazo foi estipulado pela vice-presidente...

Bolsonaro descarta tributar grandes fortunas

A possibilidade de instituir imposto sobre grandes fortunas, tabelamento de preços ou aumento de carga tributária no Brasil foi descartada nesta segunda-feira pelo Jair...

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

Brasil pode ser principal player para investimentos verdes

“Atualmente, estima-se R$ 30 bilhões em gestão de títulos verdes no país, com grande potencial de crescimento, frente a US$ 1 trilhão de recursos...