Do sonho ao concreto

Os empresários da construção civil acreditam – com razão – que o setor tem potencial para ser protagonista da retomada econômica. Mas ainda há um longo caminho a ser trilhado. O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), Walter Cover, afirma que seu segmento requer uma política cambial que estimule exportações e não permita importações a preços aviltantes. “Tão ruim como um real sobrevalorizado é a alta flutuação do câmbio, que além de não dar sinais importantes aos exportadores, afugenta o investimento externo”, reclama. Desde a posse de Michel Temer como presidente interino, o real se valorizou 8%.

Há outros obstáculos. “O medo do desemprego tem postergado reformas nas moradias, responsável por 50% da utilização de materiais de construção”, afirma Cover. “Já o mercado das construtoras depende de crédito imobiliário em condições favoráveis e de um programa consistente de obras de infraestrutura e de moradia popular com algum subsídio” – declarações de causar arrepios em Henrique Meirelles.

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) aposta nas PPPs e em uma mudança na cultura empresarial, com a estruturação de políticas adequadas de controle interno e políticas rígidas de compliance para afastar o risco de corrupção. Para o presidente da Cbic, José Carlos Martins, “é preciso resgatarmos valores que foram esgarçados e criar uma cultura de tolerância zero contra a corrupção e a prática de desvios como premissa da vida em sociedade. As empresas precisam fortalecer e aprofundar seus mecanismos de controle interno e rever a forma como se dá o relacionamento com o poder público, impondo um novo paradigma. Por outro lado, Executivo, Legislativo e Judiciário precisam rever práticas hoje consagradas e que se tornaram verdadeiras janelas de oportunidade para a prática de desvios. É preciso aperfeiçoar os marcos regulatórios e as condutas inerentes à administração pública”, afirma.

A conta

O combate ao Projeto de Lei Complementar (PLP) 257, que trata da renegociação de dívidas dos estados com a União, mobiliza os trabalhadores. A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) promete manifestações em Brasília a partir da segunda-feira para pressionar contra a votação do projeto.

Segundo os sindicalistas, a proposta prevê o congelamento de salários, a paralisação de concursos públicos, o aumento da contribuição previdenciária, além da privatização de serviços, entre outros pontos. A CSB acredita que o Governo Federal já dá sinais de que poderá recuar em razão da pressão das entidades sindicais e da sociedade. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou à imprensa na terça-feira que os artigos do PLP que obrigam os governos estaduais a se enquadrar em novas regras sobre limites de gastos com pessoal é algo secundário.

Fênix

A taxa de mortalidade de empresas ligadas ao mundo digital é proporcional ao crescimento delas. Por isso, ver a Nero ultrapassar, neste início de agosto, a marca de 100 milhões de usuários – dos quais 12 milhões brasileiros – de seus novos programas de gestão de conteúdos multimídia é uma grata notícia.

Sinônimo de gravação na era de ouro dos CDs, a companhia alemã conseguiu se reinventar. Investiu no segmento de suítes de aplicativos para editar, compartilhar virtualmente, executar e criar efeitos de estúdio em música, vídeo e fotos – além de gravar os resultados, para os consumidores conservadores, em mídias físicas.

Dumont olímpico

A faceta esportista de Santos Dumont é tema do livro que será lançado nesta quinta: Santos-Dumont, aviador esportista: o primeiro herói olímpico do Brasil, dos professores Lamartine da Costa e Ana Miragaya. O inventor ganhou do próprio Pierre de Coubertin o Diploma Olímpico.

No início do século XX, a aviação era um esporte. Veio daí a homenagem a Dumont, competidor em aeronaves esportivas. Também receberam o Diploma o presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt e o explorador do Polo Norte Fridjoff Nansen.

O lançamento será às 10h, no Incaer (Praça Marechal Âncora, 15-A – Centro, Rio de Janeiro – RJ).

Rápidas

Depois das Olimpíadas de Sydney, empresas australianas aproveitaram a experiência de participação naquele grande evento esportivo para se especializarem como fornecedoras de megacompetições. De 2000 para cá, mais de 140 companhias do país atuam com destaque no segmento. Para mostrar esta experiência, a Austrade – agência do governo australiano – realiza dia 8, na Casa Austrália, na Praça XV, o seminário Negócios do Esporte. Inscrições pelo e-mail [email protected] *** O Caxias Shopping (RJ) comemora o Dia dos Pais com a “Oficina de Pipas de Pai para Filho”, que acontecerá dia 14, das 16h às 18h30 *** O Carioca Shopping comanda o Clubinho Torcedor, diariamente entre 6 e 28 de agosto. No dia 10, o mascote Vinicius marca presença para tirar fotos e interagir com a garotada.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBonitinho, porém ordinário
Próximo artigoSuor e vaias

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

Ceciliano lidera mais uma frente em defesa do Rio

Governo Federal quer desviar térmicas para o Nordeste.

EUA: 3 em 4 mortes por Covid foram acima de 65 anos

Segundo relatório, óbitos pela doença no país equivalem a ataque de 11 de setembro todos os dias durante 336 dias.

China emite US$250,66 bilhões em títulos dos governos locais até abril

Os governos locais da China emitiram mais de 1,69 trilhão de yuans (cerca de US$ 250,66 bilhões) em títulos nos primeiros quatro meses deste ano, mostraram os dados do Ministério das Finanças nesta quarta-feira.

Produção da indústria satélite da China atinge US$ 69 bilhões

O valor total de produção da indústria chinesa de navegação e serviços de localização por satélite atingiu 469 bilhões de yuans (US$ 69,6 bilhões) em 2021, um aumento anual de 16,3%, de acordo com um livro branco da indústria divulgado na quarta-feira.

Flexibilidade aumenta conexão com a cultura da empresa

Política de benefícios adaptada aos modelos remotos permite que profissionais se sintam vistos, mesmo que fisicamente não sejam