Dois meses de aposentadoria de Meirelles bancariam Museu Nacional por 1 ano

O ex-ministro do Governo Temer Henrique Meirelles recebe R$ 260 mil mensais de aposentadoria pelos bons serviços prestados ao BankBoston. Dois...

O ex-ministro do Governo Temer Henrique Meirelles recebe R$ 260 mil mensais de aposentadoria pelos bons serviços prestados ao BankBoston. Dois meses do ganho seriam suficientes para pagar as despesas de manutenção do Museu Nacional por um ano.

Seria um ato de quem apoia a Cultura do próprio bolso, não com incentivos fiscais. O dinheiro não faria falta a Meirelles. Em 2016, ele recebeu, por consultorias, R$ 217 milhões, sendo que R$ 167 milhões foram pagos três meses antes de assumir o Ministério da Fazenda do Governo Temer, e R$ 50 milhões, em setembro, quando ele já estava no cargo. A maior parte do dinheiro foi paga em contas fora do país. Uma parcela foi recebida da JBS.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais