Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

O movimento de autopreservação empreendido por Bolsonaro para limitar os aumentos dos combustíveis levou o mercado financeiro à guerra contra a heresia, convocando para a linha de frente os meios de comunicação parceiros. O ataque abusa de fake news e imparcialidade que a mídia tanto critica nos sites bolsonaristas. Como os entrevistados são ex-ministros, ex-diretores do BC e chefes de instituições financeiras, não se pode alegar despreparo ou desconhecimento; fica-se entre a análise enviesada pela ideologia ou má-fé.

Essa cobertura que se pretende jornalística infla mitos sobre a Petrobras:

1 – Prejuízo com controle dos preços. Uma comentarista chegou a falar na televisão que a estatal teve prejuízo de US$ 200 bilhões ao manter preços internos de combustíveis inferior aos internacionais. Essa política ocorreu durante três anos, de 2012 a 2014. Portanto, seria uma perda de quase US$ 70 bilhões por ano, valor desproporcional ao lucro da Petrobras – que, ressalte-se, só teve prejuízo com ajustes contábeis após 2014.

O economista aposenta da estatal Cláudio Oliveira prefere usar como critério a Geração Operacional de Caixa, que reflete melhor a realidade da empresa. Pois a Petrobras sempre gerou mais de US$ 25 bilhões por ano; em 2014, quando os preços dos combustíveis teriam causado mais prejuízo, foi justamente quando a empresa gerou mais caixa: US$ 26,6 bilhões.

2 – Refinarias não dariam conta de atender ao mercado interno pois não têm como processar o óleo pesado extraído no Brasil. “Besteirol!”, irrita-se um especialista, cujo nome a coluna prefere preservar. “Com o pré-sal, 90% da carga das refinarias da Petrobras podem ser de petróleo nacional.” Por conta da política de preços após 2016, as refinarias estão trabalhando com 40% de ociosidade. A necessidade de importação é mínima.

 

Presente

O projeto O Presente Encontro está acontecendo em um novo formato em asilos do Rio de Janeiro. As visitas continuadas, realizadas por palhaços especializados em idosos, ganhou uma versão virtual: um ator vai à instituição levando um tablet e faz uma chamada de vídeo; do outro lado da linha, um palhaço apresenta sua mensagem ao idoso.

O grupo preparou também uma peça online. Serão 6 apresentações em 13 e 14, 20 e 21 e 27 e 28 de março, sempre às 19h, no YouTube.

 

Rápidas

A Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L) realiza até quinta o seminário “Open Justice na era da informação, transparência e acesso à justiça” *** O Núcleo de Prospecção e Inteligência Internacional da FGV promoverá este ano o “Focus on Asia”, série de debates sobre países do entorno da China, a partir desta quinta, às 10h, com o embaixador da Indonésia, Edi Yusup *** A importância do ESG, a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais (PNPSA) e os títulos verdes serão debatidos pelos advogados Erik Oioli, sócio da VBSO Advogados, e por Samanta Pineda, sócia do Pineda & Krahn, no webinário “Negócios Sustentáveis”, nesta quinta, 19h.

Leia mais:

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Caubói solitário, com frio e no escuro

BNDES abre mão de ganhar bilhões

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Novo Fiat Cronos quer resgatar clientes do Siena

Preços variam entre R$ 74.790 (1.0 manual) e R$ 93.490 (Precision 1.3 AT).

Investimentos e ações para enfrentamento das mudanças climáticas

Alterações não se apresentam como algo normal a longo prazo.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.