Dois pesos

Enquanto defendem o mercado livre nos outros países, os Estados Unidos continuam sua escalada protecionista. Ontem, foi a vez de o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil de Confecção (Abit), Paulo Skaf, colocar a boca no trombone contra as restrições às exportações de toalhas de banho para os EUA. Segundo Skaf, em apenas seis meses, os empresários brasileiros já atingiram a cota de 38,5 milhões de unidades impostas pelos norte-americanos para todo o ano: “É preciso acabar definitivamente com o protecionismo norte-americano”, cobra Skaf, que, pela amostra no seu setor, deve ter uma noção do que representaria a implantação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

Saco sem fundo
Com o país caminhando a passos acelerados para a insolvência, a equipe econômica corre para transformar a prorrogação do acordo FMI num fato consumado a ser empurrado goela abaixo do novo governo, mesmo – e principalmente – se for eleito em oposição aos resultados da aplicação das políticas do fundo. Para fechar as contas deste ano e garantir liquidez para a retirada de dólares do país, já se fala em novo empréstimo de até US$ 20 bilhões.
Mais uma vez, esta coluna repete advertência feita no último dia 19 de junho de que, ano passado, o empréstimo de US$ 4,250 bilhões do FMI virou pó em apenas quatro meses. Esse total praticamente empatou com as perdas das reservas entre outubro e dezembro do ano passado, que fizeram o país esterilizar US$ 4,179 bilhões com pagamento de juros e principal. Além disso, esse número correspondeu a 56,5% da sangria sofrida pelas reservas internacionais do país em 2001, que chegou a US$ 7,382 bilhões.

No ar
Com uma produção de 20 aeronaves por mês e os negócios em expansão, a Embraer vai precisar de 1.400 engenheiros aeronáuticos até 2006. A previsão otimista está no Jornal da Unicamp, de 29 de julho a 4 de agosto (www.unicamp.br). Para conseguir estes profissionais, a empresa quer firmar parcerias com universidades para a formação de engenheiros eletricistas, mecânicos, químicos e civis. A Unicamp já mostrou interesse no assunto.

Sem gás
Estudo do LatinPanel, empresa dos grupos Ibope, Taylor Nelson Sofres e NDP, especializada em pesquisa de consumo, aponta um crescimento de 16%, em volume, do mercado de água engarrafada. Em faturamento o setor movimentou, nos 12 meses encerrados em maio, R$ 385,4 milhões, ante os R$ 304,3 milhões do ano anterior.
A pesquisa mostra que o índice de penetração do produto nos lares brasileiros saltou de 32%, em abril de 2001, para 36,1% em abril passado. A região do Grande Rio de Janeiro foi a de maior incremento, com um salto do índice de penetração de 21,7% para 34,6%. A água sem gás tem domínio total: 99,1%.

Sem tratamento
Ao contrário da maioria dos produtos, o maior mercado de água engarrafada está nas regiões Norte e Nordeste, com 48% de fatia, percentual quase quatro vezes maior que o ocupado pelo segundo colocado, que é a região da Grande São Paulo, com 14%. Fácil de explicar: falta água tratada naquelas regiões.
O perfil da classe econômica que consome água engarrafada no Brasil parece confirmar essa dedução: menos da metade (41%) são das classes A/B; 33% são da classe C e 25% pertencem às classes D/E.

Dossiê latino
Depois das confissões tardias de que Domingo Cavallo e Carlos Menem mantêm contas em paraísos fiscais, e das declarações do secretário do Tesouro dos EUA, Paul O”Neill, aguarda-se novas revelações em outros países da região. Afinal, o florescimento de dólares no exterior em nome de locais é um dos principais corolários da implementação das “reformas” empreendidas na América Latina.

Hiena
Recordar é viver. Do presidente FH em outubro de 1995: “Quando alguém me fala de recessão, eu tenho vontade de dar uma gargalhada.” Sete anos depois é o país que chora.

Artigo anteriorMultipolaridade
Próximo artigoCelular mais em conta
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços ao consumidor de março avançaram mais que esperado

Veículos novos registraram o segundo mês consecutivo sem variação, enquanto os usados apresentaram variação positiva.

Castello Branco diz adeus à Petrobras

Assembleia de acionistas da estatal aprovou a destituição.

Alerj pede ao STF suspensão do pagamento de dívida na pandemia

Alerj estima que desde março de 2020, quando se iniciou a pandemia, o Estado do Rio já quitou R$ 1 bilhão em juros da dívida com a União.

Governo Bolsonaro tumultua e população vive drama para receber auxílio

Consórcio do Nordeste, formado por todos os governadores da região, defende que governo descentralize pagamento do benefício.

Indústria do cimento cresce 19% no 1º tri

Mau desempenho no primeiro trimestre de 2020, em razão das fortes chuvas e do início da pandemia, frente ao mesmo período de 2021, refletiram na alta do setor.