34.6 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Dois pesos

Verborragia e ironia à parte, as declarações do ex-governador e secretário de Segurança do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, trazem à tona pelo menos uma verdade: se o que ocorreu com o filho de Lula tivesse acontecido no Rio, os “jornalões” – inclusive fluminenses – já estariam pedindo intervenção federal no estado.

Abnegação
Apesar de os recursos para financiamento da pesquisa no Brasil encolherem a cada ano, o número de pesquisadores aumenta anualmente, bem como o número de trabalhos publicados em revistas indexadas também. Para tentar explicar essa contradição, o bioquímico Leopoldo de Meis, realizou, junto com um grupo de colaboradores, pesquisa com 118 professores, doutorandos e mestrandos do programa de pós-graduação em bioquímica do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da UFRJ, na qual trabalha. A elevada motivação e o desejo de publicar trabalhos para assegurarem sua excelência como pesquisadores são os principais impulsionadores da produção acadêmica.

Sob chicote
A pesquisa constatou que 90% dos trabalhos brasileiros indexados de 1997 a 2001 foram produzidos em instituições públicas, sobretudo universidades (80% do total), e em sua maioria tendo como autores estudantes de pós-graduação. Apesar dessa produção, as dificuldades para obter recursos, mesmos nos grupos com elevada produção, estão longe das facilidades sempre à disposição da banca. De acordo com dados de um comitê de avaliação do CNPq, de 437 auxílios solicitados; o comitê identificou 267 como merecedores de recursos, mas só havia dinheiro para 20.

À beira de um ataque
Como o prestígio da publicação na qual o pesquisador divulga seu trabalho é uma das principais senhas para se mover nesse funil, é grande a disputa para emplacar um artigo nesses periódicos. Para ter direito a nota 7 (a mais elevada) da Capes, os grupos de excelência precisam publicar nas revistas de maior impacto (5% do total de publicações). Diante desse quadro, a pesquisa identificou a presença da síndrome burnout, entre os integrantes do grupo. “Essa síndrome é encontrada em todas as atividades que exigem um grande envolvimento do indivíduo com o trabalho. É uma das conseqüências mais marcantes do estresse profissional e se caracteriza por exaustão emocional, autodepreciação, depressão, insensibilidade com relação a quase tudo e todos,  comportamento agressivo e irritadiço e tendência ao uso excessivo de drogas (álcool e outras)”, diagnosticou Meis, acrescentando que 21% das pessoas pesquisadas precisaram pelo menos uma vez de atendimento psiquiátrico ou terapia psicológica. Desses, mais da metade teve evolução que exigiu acompanhamento.
Sua conclusão é que o crescimento da ciência brasileira se dá graças a “um enorme desgaste emocional das pessoas envolvidas e que não têm o menor poder de pressão, pois são minoria, ilhas com dificuldade de comunicação dentro das próprias universidades em que atuam e dentro da comunidade universitária em geral”.

Idosos
Cobrar juros mais altos dos idosos é prática abusiva, contrária à Constituição Federal e às leis do País. Quem garante é o advogado Gilberto Fraga, do escritório Fraga, Bekierman e Pacheco Neto – Advogados. “O Código de Defesa do Consumidor, art. 39, IV, considera prática abusiva do fornecedor de produtos ou serviços prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor, tendo em vista sua idade para empurrar-lhes seus produtos ou serviços”. O idoso que precisa recorrer a créditos bancários ou provenientes de financeiras tem de pagar, em média, 30% a mais de juros do que o normal, denuncia o advogado. Para comprar um carro a prazo o idoso não tem o direito de parcelar em muitas vezes, como acontece com uma pessoa de 30 anos.

Informação
O professor Nilson Lage, da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Santa Catarina, toma posse, na próxima terça-feira, como diretor do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) do Ministério da Ciência e Tecnologia. A cerimônia contará com a presença do ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral.

Artigo anteriorRumo aos EUA
Próximo artigoDa boca para fora
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.