Dominó Pateta

A crise provocada pelo estouro da “bolha” imobiliária dos Estados chegou à Disney, em Orlando. Com o consumidor norte-americano descapitalizado devido à forte alta dos valores das prestações das suas casas, os parques andam vazios. A redução do número de visitantes também replicou na ocupação de hotéis em cidades próximas, como Miami. Em alguns hotéis, como o Sunshine Resort, dos 120 apartamentos, apenas cerca de 30% estão ocupados.

Brasil espirra…
Segundo brasileiros que trabalham em hotéis em Miami, o problema da pouca ocupação foi agravado pela crise aérea no Brasil, que afastou o brazucas do parques da Disney: “Você não sabe como tem brasileiro por aqui. Isso aqui vivia cheio de brasileiro. Com a crise aérea, eles sumiram”, lamenta a funcionária de um hotel de Miami.

Pane seca
Nos últimos 25 anos, denuncia o ex-prefeito da Cidade do México Andrés Manuel López Obrador, não foi construída uma única refinaria no país. No primeiro semestre de 2007, o México teve de importar 40% da gasolina consumida, a um custo que, a cada dois meses, equivale ao de uma refinaria nova. Segundo o candidato derrotado nas eleições presidenciais – em um pleito para lá de contestado – se a situação não mudar, “em 2010, o valor das importações de gasolina irá superar o das exportações de petróleo cru”.

Vizinho
Obrador, informa o boletim eletrônico Resenha Estratégica, denuncia que o México se encontra diante de uma crise econômica iminente e prisioneiro de dogmas que o deixaram sem rumo. O ex-prefeito da capital pinta com cores fortes a vulnerabilidade do país diante da instabilidade financeira global e da fragilidade econômica dos Estados Unidos, destino de 90% das exportações do país. Segundo ele, as políticas públicas das últimas duas décadas, mantidas pelo governo de Felipe Calderón, estão prejudicando a competitividade da economia nacional e aprofundando o déficit na balança de pagamentos, principalmente, devido ao enfraquecimento deliberado do setor energético.

Mito revisitado
“Dizer que a Previdência Social teve déficit de R$ 42 bilhões, em 2006, faz tanto sentido quanto dizer que um cidadão com três empregos está no vermelho, porque o salário de um deles não cobre todos os seus gastos.” A comparação, em forma de ironia, é do jornalista, ex-servidor do INSS e pesquisador em Seguridade Social Henrique Júdice Magalhães. Em artigo na página eletrônica do Correio da Cidadania, intitulado “Previdência (1): O déficit que não existe e outras mentiras”, Magalhães observa que o resultado do alegado déficit se restringe à diferença entre a arrecadação das contribuições sobre a folha de salários e o gasto com pagamento de benefícios.
Mas relembra que essas contribuições não são as únicas fontes de financiamento da Previdência. E acrescenta que a Previdência perde arrecadação devido a isenções concedidas pela União a setores como pequenas empresas, entidades filantrópicas e exportadores.

Conta incompleta
Magalhães recorda que, em fevereiro, o próprio Ministério da Previdência e Assistência Social mudou a forma de calcular o resultado previdenciário, passando a incluir como receita do INSS o valor que o instituto deixa de arrecadar com as isenções fiscais: “Por esse critério, o déficit cai pela metade. Mas essa tampouco é a maneira correta de calcular o resultado da Previdência”, salienta o pesquisador.
Ele lembra que, apesar da mudança, o ministério ainda não considera a arrecadação de Cofins, CSLL e CPMF – tributos destinados constitucionalmente à Seguridade Social: “A professora Denise Gentil, do Instituto de Economia da UFRJ, faz a conta considerando essas receitas. O resultado é um superávit de R$ 1,25 bilhão em 2006. O INSS tem, ainda, um crédito de R$ 156 bilhões a receber de empresas sonegadoras, de acordo com estimativas da Advocacia Geral da União (AGU)”, finaliza Magalhães.

A favor de quem?
“Sou favorável a todo reajuste salarial para os trabalhadores” A proclamação de princípios foi feita pela líder do PT na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), deputada Inês Pandeló. A declaração, no entanto, não engaja a petista na defesa de um aumento menos magro para o funcionalismo do que os 4% oferecidos pelo governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), à categoria. Antes, serve como uma tentativa de justificar o voto favorável à proposta de Cabral e contra o funcionalismo, antiga base do PT pré-Lula no poder. Na oposição, o PT tinha retórica menos enviesada.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Bye, bye, England”
Próximo artigoDia D

Artigos Relacionados

Deputado bolsonarista: servidor não pode ser sacrificado

‘Sociedade acha que não é o momento da reforma administrativa’.

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Prorrogação da concessão sem pagamento de outorga.

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Últimas Notícias

Pitch Night Mulheres no Comando

Grupo de mulheres investidoras anjo autofinancia startup de tecnologia lideradas por elas mesmas.

Limite de R$ 1 mil para saques entre 20 h e 6h deve dividir opiniões

Crescimento de golpes obriga BC a adotar medidas restritivas Na tentativa de evitar fraudes, o Banco Central adotou esta semana duas medidas restritivas: limite de...

Brasileiros começam a descobrir a Mesa proprietária

No Brasil o conceito ainda é desconhecido para a maioria das pessoas, mas é possível ganhar dinheiro trabalhando como trader no mercado financeiro e...

China: US$ 1,47 tri em aeronaves nos próximos 20 anos

O mercado de aviação da China criará uma demanda de novas aeronaves comerciais avaliada em US$ 1,47 trilhão nos próximos 20 anos, informou uma...

Cerca de 51% das ações ordinárias da ES Gás serão vendidas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o governo do Estado do Espírito Santo e a Vibra Energia (antiga BR Distribuidora) assinaram,...