Doutores em fraudes

Na opinião de Pedro Paulo Negrini, presidente do Grupo Negrini, que atua no combate à fraude contra o seguro, os brasileiros são doutores no assunto. A estimativa é que a fraude no setor atinja de R$ 4 bilhões a R$ 5 bilhões por ano. O faturamento anual do mercado fica em torno de R$ 60 bilhões.
O grupo traz ao Brasil diversos especialistas internacionais para debater o tema no Seminário Internacional de Programas de Combate à Fraude no Seguro, nesta quinta-feira, no auditório da Firjan, no Rio.

Trégua suspeita
O prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia, bateu pesado no manifesto que a ONG Viva Rio entregou ao governo fluminense pedindo uma polícia mais inteligente e menos agressiva, que não seja a primeira a atirar nas incursões às favelas. Maia, em seu Ex-blog, lembrou: “Fizeram isso no início do Governo Garotinho e o tráfico de drogas cresceu; fizeram isso durante a ocupação da Rocinha pedindo a saída da PM e deu no que deu. E ainda insistem.”
O Viva Rio reuniu o que classificou como “líderes comunitários” para entregar o documento. A proposta é, no mínimo, estranha: esses supostos “líderes” se comprometem a pressionar o tráfico de drogas e as milícias a acabarem com os ataques ou revide durante as ações policiais.
“Se a PM se dobrar, o final do filme é conhecido: mais força para o tráfico de drogas”, dispara Cesar Maia. “Será que não se corrigem? A quem servem?”, questionou o prefeito.

Vítimas
Até o dia 20 deste mês, 31 policiais – nove em confrontos, 22 no período de folga – foram assassinados no Rio em 2007. Durante todo o ano passado, 29 policiais foram mortos. Em apenas uma semana de março (entre 8 e 15) 12 PMs foram assassinados no estado.

OMC
A Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics) reclama da tarifa de importação de 9% imposta pela União Européia ao produto brasileiro desde janeiro do ano passado. Os produtores brasileiros querem uma ação na OMC para reduzir a taxação e recuperar a competitividade, já abalada pelo câmbio irreal. Para outros países, a UE não impõe a taxa. No ano de 2006 a exportação brasileira foi reduzida para 14, 05 mil toneladas, 9% a menos em relação ao mesmo período anterior.

Bolha tupiniquim
O crescimento do estoque de empréstimos consignados revelado pelo Banco Central reforça antiga advertência de especialistas sobre os riscos embutidos no descompasso entre a renda da população e seu endividamento crescente. Nos Estados Unidos, esse movimento resultou no crash do mercado de hipotecas imobiliárias. Aqui, o risco é do estouro de uma bolha dos aposentados.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNa City
Próximo artigoMão invertida

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Condomínios do Rio podem exigir comprovante de vacinação

É recomendado que tal exigência seja aprovada em assembleia por maioria dos presentes

Agronegócio brasileiro ainda está amadurecendo tecnologicamente

Por Regina Teixeira – Especial para o Monitor Mercantil

Livro traz bastidores de aquisições de startups por grandes empresas

Livro: 'Saída de Mestre: estratégias para compra e venda de uma startup'

Plano de assinatura garante um smartphone novo todo ano

A parceria une o propósito da Samsung de trazer inovação a cada lançamento - desta vez oferecendo sua terceira geração de smartphones - e...

WhatsApp testa funcionalidade de indicação de negócios em SP

Por enquanto só São Paulo terá esse recurso