Doutores em fraudes

Na opinião de Pedro Paulo Negrini, presidente do Grupo Negrini, que atua no combate à fraude contra o seguro, os brasileiros são doutores no assunto. A estimativa é que a fraude no setor atinja de R$ 4 bilhões a R$ 5 bilhões por ano. O faturamento anual do mercado fica em torno de R$ 60 bilhões.
O grupo traz ao Brasil diversos especialistas internacionais para debater o tema no Seminário Internacional de Programas de Combate à Fraude no Seguro, nesta quinta-feira, no auditório da Firjan, no Rio.

Trégua suspeita
O prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia, bateu pesado no manifesto que a ONG Viva Rio entregou ao governo fluminense pedindo uma polícia mais inteligente e menos agressiva, que não seja a primeira a atirar nas incursões às favelas. Maia, em seu Ex-blog, lembrou: “Fizeram isso no início do Governo Garotinho e o tráfico de drogas cresceu; fizeram isso durante a ocupação da Rocinha pedindo a saída da PM e deu no que deu. E ainda insistem.”
O Viva Rio reuniu o que classificou como “líderes comunitários” para entregar o documento. A proposta é, no mínimo, estranha: esses supostos “líderes” se comprometem a pressionar o tráfico de drogas e as milícias a acabarem com os ataques ou revide durante as ações policiais.
“Se a PM se dobrar, o final do filme é conhecido: mais força para o tráfico de drogas”, dispara Cesar Maia. “Será que não se corrigem? A quem servem?”, questionou o prefeito.

Vítimas
Até o dia 20 deste mês, 31 policiais – nove em confrontos, 22 no período de folga – foram assassinados no Rio em 2007. Durante todo o ano passado, 29 policiais foram mortos. Em apenas uma semana de março (entre 8 e 15) 12 PMs foram assassinados no estado.

OMC
A Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics) reclama da tarifa de importação de 9% imposta pela União Européia ao produto brasileiro desde janeiro do ano passado. Os produtores brasileiros querem uma ação na OMC para reduzir a taxação e recuperar a competitividade, já abalada pelo câmbio irreal. Para outros países, a UE não impõe a taxa. No ano de 2006 a exportação brasileira foi reduzida para 14, 05 mil toneladas, 9% a menos em relação ao mesmo período anterior.

Bolha tupiniquim
O crescimento do estoque de empréstimos consignados revelado pelo Banco Central reforça antiga advertência de especialistas sobre os riscos embutidos no descompasso entre a renda da população e seu endividamento crescente. Nos Estados Unidos, esse movimento resultou no crash do mercado de hipotecas imobiliárias. Aqui, o risco é do estouro de uma bolha dos aposentados.

Artigo anteriorNa City
Próximo artigoMão invertida
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

A cabeça do dragão

Por Gustavo Miotti.

Portugueses pedem extensão das moratórias bancárias

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) está pleiteando a prorrogação das moratórias bancárias até 31 de março de 2022”. O...

China libera reservas de metais não ferrosos para reduzir custos

A China disse que continuará a liberar suas reservas estatais de cobre, alumínio e zinco para garantir preços estáveis para as commodities e aliviar...