Dpvat: Senado deve votar nesta 4ªf novo seguro obrigatório

Projeto com novo seguro obrigatório que substituirá o Dpvat já foi aprovado pela Câmara; valor ainda será definido

251
Acidente com moto
Acidente com moto (foto de Italo Ricardo, Secom Governo RO)

O Senado deverá votar nesta quarta-feira o projeto de lei (PLP 233/2023) sobre o Seguro Obrigatório Para Vítimas de Acidentes de Trânsito (Spvat), que reformula e substitui o Dpvat. Antes de ir ao Plenário, no mesmo dia, a proposta será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Enviado pelo governo, o projeto sobre as novas regras do Dpvat foi aprovado na Câmara dos Deputados em 9 de abril. O texto estabelece que o seguro será operado pela Caixa Econômica Federal e será estruturado no modelo de fundo mutualista privado. O relator, senador Jaques Wagner (PT-BA), que é líder do governo no Senado, apresentou relatório favorável.

Pelo projeto, serão garantidas indenização por morte e por invalidez permanente, total ou parcial, além de reembolso de despesas com: assistências médicas e suplementares que não estejam disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no local de residência da vítima; serviços funerários; e reabilitação profissional de vítimas com invalidez parcial.

O Dpvat foi criado por uma lei de 1974 para indenizar vítimas de acidentes de trânsito em todo o território nacional.

Espaço Publicitáriocnseg

O projeto no Congresso retoma a cobrança anual obrigatória do seguro para proprietários de veículos, que foi extinta no governo Bolsonaro em 2020 como forma de tentar recuperar a popularidade abalada pelos erros no combate à Covid. Naquele ano, o valor cobrado pelo Dpvat teve uma redução de 60%; em 2021, 2022 e 2023, não houve cobrança.

Dessa forma, o dinheiro que havia em caixa – R$ 8,9 bilhões, segundo o governo na ocasião – foi usado para pagar indenizações. Até o ano passado, a Caixa operou o seguro de forma emergencial com os recursos que ainda estavam disponíveis. No final de 2023, a Caixa informou que só poderia pagar o seguro para acidentes ocorridos entre 1º de janeiro de 2021 até 14 de novembro de 2023. Segundo o banco, não há recursos para acidentes depois do dia 14.

Dados da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg), de 2019, aproximadamente 30% dos proprietários de veículos no país têm condições de pagar um seguro privado. Em dezembro de 2017, a CNSeg registrava 17 milhões de veículos segurados, contra uma frota de 63 milhões de veículos, informou a Rede Brasil Atual em 2019, quando Bolsonaro tentou acabar com o Dpvat via medida provisória – que foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Os valores da indenização deverão ser definidos pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), conforme estabelece a proposta. Na Câmara, o texto foi aprovado com uma emenda que altera o arcabouço fiscal (Lei Complementar 200/2023), aprovado no ano passado pelo Congresso. O trecho permite antecipar a liberação de crédito suplementar no cenário em que há crescimento adicional da receita deste ano em relação ao mesmo período de 2023.

Com Agência Senado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui