35.5 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Drenagem

A ligeira melhora da situação das contas externas do País nos 12 meses terminados em outubro, quando o déficit foi de 4,36%, contra 4,7%, nos 12 meses encerrados em outubro, foi provocada, além de efeitos estatísticos, principalmente, pela desvalorização do real. O fim do irresponsável congelamento do câmbio – apesar da sua desastrosa execução - ajudou a melhorar o desempenho do comércio exterior (queda de 89,3% no déficit de janeiro a outubro, sobre o mesmo período de 1998), do turismo (redução de 67,97%), da remessa de lucros (queda de 52,56%).
Pelo lado da gastança, o principal vilão foram os juros, cujo pagamento ao exterior cresceu 29,71% em outubro, devido à expansão do endividamento do País. Ou seja, não basta ao Brasil tapar o buraco das dívidas externas pelo lado da balança comercial, é preciso suturar o rombo causado pelos gastos financeiros.

Banco do povo
Ao comentar sexta-feira, da tribuna do Senado, em Brasília, o relatório apresentado pela Comissão Mista criada no Congresso para definir políticas de combate à pobreza, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) criticou a falta de sensibilidade do país para os problemas sociais. “O presidente Fernando Henrique Cardoso se cercou de banqueiros, quando deveria ter dispensado à agricultura familiar a mesma atenção que deu aos bancos fraudulentos através do Proer”, afirmou o senador. Simon considerou o relatório da comissão “tímido”, por se limitar à sugestão de criação de um fundo de combate à pobreza, “quando há tantos projetos e propostas excelentes no Congresso sobre o assunto”. O senador anunciou que vai propor “a criação de um Banco Popular, nos moldes do Banco do Povo de Bangladesch, para apoiar iniciativas de pessoas que hoje vivem à margem da sociedade, mas têm potencial para produzir e desenvolver, criando empregos e gerando renda”.

Ameaçados
A Associação Nacional dos Jornais (ANJ) denunciou que jornalistas do Correio Popular (de Campinas/SP) estão sofrendo ameaças de morte, tanto que não estão assinando matérias sobre a CPI do Narcotráfico para não revelar suas identidades. O presidente da ANJ, Paulo Cabral, e o vice-presidente responsável pelo Comitê de Liberdade de Expressão, Renato Simões, enviaram sexta-feira correspondência ao secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Marco Vinicio Petrelluzzi, manifestando a preocupação da entidade com o fato.

Aos berros
A subprefeitura do Flamengo resolveu berrar contra a cultura. Usando dinheiro do contribuinte, o subprefeito, Marcelo Maywald,  instalou uma caixa de som voltada na direção das barracas da Feira do Livro, brindando os ouvidos de livreiros e leitores com as últimas notícias da sua administração berradas a todo volume. Livreiros que ousaram reclamar do excesso de barulho ouviram como resposta que “a praça é pública”. Pode ser, mas a boa educação também deveria ser.

Internas
O destino do desastroso Governo, que já faz água antes de terminar o primeiro ano do segundo mandato, preocupa até amigos íntimos do presidente FH. Conhecido intelectual ligado a FH enviou extensa correspondência, com mais de 15 páginas, a um conhecido economista da oposição, num pungente, embora retardatário, desabafo contra a falta de perspectivas a que o País foi levado.

Em obras
A empresa Águas de Niterói, que assumiu o papel da Cedae na cidade vizinha ao Rio, está disposta a mostrar serviço. Operários já estão na Região Oceânica, iniciando as obras para levar água e esgoto aos bairros da localidade que  mais cresce em Niterói.

Transferência milionária
Da série privatizar é… Proprietária de duas linhas telefônicas assustou-se ao saber que a Telemar lhe cobraria R$ 206 pela transferência das linhas do Flamengo para Ipanema. Como a mudança gorou na última hora, pediu à Telemar para cancelar a transferência, sendo informada, então, de que teria de pagar mais R$ 206 para ter as linhas, que ainda não tinham deixado sua casa, reinstaladas. No total, uma “mordida” de R$ 412, ou mais de cinco vezes o custo de uma linha telefônica, cujo preço está em cerca de R$ 80. É como se o consumidor que comprou um carro pagasse mais pelo aluguel da garagem do que desembolsara pelo veículo.

Atual
Além do desfalque incalculável à cultura nacional, a perda de Plínio Marcos coincidiu com cruel ironia registrada pelo próprio dramaturgo, que, pouco antes de morrer, lamentava que seu raio X sobre a tragédia social do País continuava, incomodamente, mais atual do que nunca.

Artigo anteriorIniciativa
Próximo artigoExpert
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.