Dá e sobra

Ano passado, a arrecadação com a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) cresceu R$ 14 bilhões em relação a 2003. Esse número supera em R$ 9 bilhões os R$ 5 bilhões que o governo alega que a Previdência gastará a mais com pagamento de aposentadorias e pensões a partir do reajuste do salário mínimo para R$ 300 este ano. Os dados, que constam de estudo do Dieese, desmontam a fábula de que as contas da Previdência são uma barreira instransponível para permitir que o país supere a vergonha de ter um mínimo menor do que o Paraguai.
O problema é que, em vez de destinado a seguridade social – que inclui saúde, previdência e assistência social – como reza a Constituição que o presidente Lula jurou defender, a dinheirama da Cofins é desviada para a gastança do governo com pagamento de juros.

Antipopulismo
A pesquisa do Dieese destaca ainda que o reajuste do salário mínimo para R$ 300 reforçará em R$ 3 bilhões este ano a arrecadação de União, estados e municípios com o recolhimento de variados tipos de impostos. O aumento real do mínimo tem, no entanto, de fato, um efeito colateral perverso para certo tipo de governo. A cada R$ 1 de aumento para o mínimo, reduz-se a necessidade de manutenção de programas assistencialistas, o que diminui a margem de manobra de governos que têm no gerenciamento da miséria seu principal escudo contra os efeitos do desemprego estrutural provocado por suas políticas econômicas.

II Guerra
Sessenta anos após o fim da II Guerra Mundial, a Coordenadoria de Assuntos Internacionais do Governo do Estado do Rio de Janeiro vai debater a participação brasileira e as consequências sociopolíticas na vida nacional. Os debatedores serão o professor Antonio Carlos Peixoto, titular da coordenadoria; o general Sérgio Morgado, do Instituto Geográfico e Histórico Militar do Brasil; o brigadeiro Oswaldo Terra de Faria, do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica; o coronel Amerino Raposo Filho, que participou da Força Expedicionária Brasileira (FEB); e o brigadeiro e ex-ministro da Aeronáutica Rui Moreira Lima, que integrou o 1º  Grupamento de Aviação de Caça (“Senta a Pua!”). Será na próxima segunda feira., às 15h, na Rua México, 125/11º andar, Auditório, no Centro do Rio.

Maioria
Mais de 53% da população da cidade do Rio de Janeiro – cerca 3,1 milhões de habitantes – são mulheres. Em Copacabana, três em cada cinco moradores são mulheres. Os dados são do Instituto Municipal Pereira Passos. O contingente de mulheres do Rio compõe a maior participação feminina nas capitais do Brasil.

Melodias
Amanhã, o radialismo brasileiro completa um ano sem o jornalista José Mauro. Ele foi o responsável pela implantação no Brasil da programação exclusivamente musical. O modelo, inspirado em rádios norte-americanas, foi adotado na Rádio Tamoio. Nascido em 1916, irmão do cineasta Humberto Mauro, o mineiro José Mauro produziu os programas Um Milhão de Melodias e Tabuleiro da Baiana, sendo contemporâneo de Almirante, Haroldo Barbosa, Lamartine Babo e Mário Lago, entre outros.

Caxias
O empresário Antonio Berdge Kessedjian toma posse hoje, às 16h, na presidência da Representação Regional da Firjan em Duque de Caxias (Baixada Fluminense). Na ocasião, será assinado convênio entre a Firjan e a prefeitura nas áreas de educação e saúde. Será no Teatro do Sesi (R. Arthur Neiva 100 – Bairro 25 de Agosto)

Os intocáveis?
Embora emblemáticas, são indefensáveis as reações contra a proposta do presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (PPB-PE), de ampliar a discussão sobre a trajetória dos juros. Afinal, qual o motivo para interditar a extensão aos juros do debate que a sociedade trava sobre os demais preços, como os salários e os industriais? Por isso, em graus variados e com as nuanças compreensíveis, a proposta de democratizar as decisões dos juros recebeu apoios tão variados.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRisco Brasil
Próximo artigoPaís da vassoura

Artigos Relacionados

Estaleiros darão a volta por cima

Indústria naval brasileira sofre com política do Governo Bolsonaro.

‘Empreendedores’ fecham suas empresas

Aumentou 35% número de negócios fechados em 2021.

Por que mexer no ICMS e manter dividendos elevados?

Acionistas ganham em dividendos tanto quanto toda a população perderia com corte no imposto.

Últimas Notícias

Clorin ganha destaque nos lares e empresas brasileiras

A empresa amplia distribuição da marca Milton no Brasil.

Tokenização: conceitos e casos de uso dessa tecnologia

BC e CVM acompanharão ao longo deste ano as operações dos projetos aprovados nos respectivos sandboxes regulatórios

Sim Pro Samba homenageia Lula Gigante

O Sim Pro Samba começa às 18h30, na Praça dos Professores. Gratuito!

Solução para o investidor no cálculo e declaração do IR

Usufruir de serviços automatizados para o cálculo e o pagamento de DARFs,

CVM divulga estudo sobre ESG e o mercado de capitais

Relação entre o mercado de capitais e o tema sustentabilidade,