Ducha fria

Um ano depois da histórica eleição de Lula para presidente do Brasil, um fato, em particular, chamou a atenção de observadores mais atentos: a total ausência de comemorações populares. Em contraste com as multidões que invadiram as ruas em todo o país, há apenas um ano, a ausência de povo teve seu principal contraponto no excesso de “mercado” que marcou a efeméride.

A bolha do Palocci
O superávit de US$ 1,338 bilhão das transações correntes do país registrado em setembro -o melhor resultado mensal desde que o Banco Central começou a divulgar, em 1980, esta série – embalou os sonhos dos profetas do espetáculo do crescimento dentro e fora do Planalto. Ao lado da redução da dívida interna dolarizada, de cerca de 40% para 26% de uma dívida pública que somou R$ 707 bilhões mês passado, o superávit nas transações correntes são, de fato, entre os famosos indicadores exibidos pela equipe econômica, os mais interessantes. Entre janeiro e setembro, o saldo das transações correntes está positivo em US$ 3,856 bilhões, sinalizando que o país fechará suas contas externas no azul.
Mais importante do que brandir esse fato é examinar suas causas. A última vez que em que ele se repetiu foi no longínquo 1992, último ano do desastre collorido, marcado por forte recessão. Não por acaso, a grande responsável pela marca atual é a balança comercial, que deve fechar 2003 acima perto dos US$ 22 bilhões. Parte desse resultado, é fruto da desvalorização do real, mas outra é fruto da forte recessão interna, que freou as importações, empurrando as empresas locais a buscarem mercados externos para compensarem o tombo aqui.
O próprio ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, já admitiu que, em 2004, a balança não deve repetir o mesmo desempenho. Tal profecia se ancora na esperança de que um mínimo de crescimento impulsione as importações, principalmente de máquinas, equipamentos e insumos. Na última vez em que o país experimentou tal surto de crescimento, em 2000, o PIB avançou 4,2% e seu efeito colateral mais emblemático foi o apagão, que terminou por eletrocutar a candidatura tucana. Na verdade, o que se prepara é mais uma versão do medíocre stop and go (pára e anda). Ou para usar linguajar que causa urticárias na equipe econômica que caminha para seu 11º ano no poder: mais uma bolha de consumo; a bolha do Palocci.

Na mira
Ao participar de evento no Instituto de Biologia da Unicamp, o pesquisador Silvio Valle, da Fundação Osvaldo Cruz (Foicruz), classificou de ato de bioterrorismo a  introdução da soja transgênica no Brasil, que, segundo ele, interessa aos dois maiores produtores do mundo: Estados Unidos e a Argentina, de onde são contrabandeadas as sementes. Para Valle, a desinformação sobre o tema ajuda a consolidar o produto no país. Ele reclama que a comunidade científica vem sendo usada como “massa de manobra” por grupos contrários e favoráveis aos transgênicos.
A presidente da Associação Nacional de Biossegurança (ANBio), Leila Oda, que também participou do simpósio “Biossegurança, Transgênicos e Ambiente”, apoiou Valle e considera o Brasil suscetível a um ataque desse tipo.

Oh, pá!
Aproveitando as vantagens oferecidas pelo tucanato a empresários não nacionais, Portugal investiu no Brasil, entre 1996 e 2000, cerca de US$ 12 bilhões, se tornando um dos cinco maiores investidores estrangeiros no país, movimentando negócios que respondem por cem  mil empregos. No entanto, com a persistência do baixo crescimento do país, muitas empresas lusas têm fechado as portas no Brasil. Debater esse quadro será o principal objetivo do II Congresso Empresarial Brasil-Portugal Desafios do Novo Milênio, que será realizado entre os próximos dias 12 e 14 de novembro, em São Paulo. O evento contará com a participação do presidente de Portugal, Jorge Fernando Branco de Sampaio, e do ministro da Economia de Portugal, Carlos Manuel Tavares.

“Fila” externa
A Caixa Econômica Federal (CEF) encontrou um jeito interessante de não estourar o tempo de atendimento determinado por lei para o sistema bancário. Esta semana um cliente chegou a uma agência no Rio de Janeiro perto das 11h, recebendo o pedido para voltar às 12h30m, quando seria atendido sem demora, o que efetivamente ocorreu. Antes eram distribuídas senhas aos clientes de acordo com o assunto a ser tratado. Os clientes aguardavam o tempo necessário até que o número constante de cada senha aparecer em um painel eletrônico. Agora os painéis foram retirados e a espera transferida para o lado de fora da agência.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQueda virtual
Próximo artigoNa praça

Artigos Relacionados

Estaleiros darão a volta por cima

Indústria naval brasileira sofre com política do Governo Bolsonaro.

‘Empreendedores’ fecham suas empresas

Aumentou 35% número de negócios fechados em 2021.

Por que mexer no ICMS e manter dividendos elevados?

Acionistas ganham em dividendos tanto quanto toda a população perderia com corte no imposto.

Últimas Notícias

Clorin ganha destaque nos lares e empresas brasileiras

A empresa amplia distribuição da marca Milton no Brasil.

Tokenização: conceitos e casos de uso dessa tecnologia

BC e CVM acompanharão ao longo deste ano as operações dos projetos aprovados nos respectivos sandboxes regulatórios

Sim Pro Samba homenageia Lula Gigante

O Sim Pro Samba começa às 18h30, na Praça dos Professores. Gratuito!

Solução para o investidor no cálculo e declaração do IR

Usufruir de serviços automatizados para o cálculo e o pagamento de DARFs,

CVM divulga estudo sobre ESG e o mercado de capitais

Relação entre o mercado de capitais e o tema sustentabilidade,