Dívida eterna

Até a agência de rating Fitch – que hoje distribuiu sua claissficação sobre o Estado de São Paulo (BBB), classifica como onerosos os juros que incidem sobre o refinanciamento da dívida do estado (são reajustados pelo Índice Geral de Preços – IGP-DI, acrescidos de 6% ao ano). “A capacidade de atender ao serviço da dívida é afetada pela inflação e pelos estritos limites de comprometimento de receita, os quais se traduzem na manutenção do elevado estoque de dívida. Adicionalmente, parte do pagamento de juros é capitalizada todos os anos, levando ao aumento no estoque da dívida”, diz a agência.

Sobrecarga
O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) quer mudar de sede, saindo do prédio alugado, pela Eletros, a preços módicos – entre R$ 40 e R$ 50 por metro quadrado – para um edifício no Centro cujo valor do aluguel é mais ou menos o dobro.
Não se trata do único problema nos gastos do ONS. A agência que cuida do setor (Aneel), responsável por aprovar o orçamento do Operador, fez uma série de restrições e perguntas para entender por que as despesas terão incremento real de 27,79% nos próximos 12 meses, atingindo R$ 499,5 milhões. Só os gastos com a transferência para novas instalações somarão perto de R$ 36 milhões. A Aneel propôs uma redução do orçamento de 10%, ficando em R$ 445,5 milhões.
Os efeitos do veto recaíram sobre o seu elo mais fraco, que são os seus experientes profissionais, reclamam os trabalhadores, que esperavam melhorias no plano de cargos e salários e nos benefícios como previdência privada. Não houve nenhum corte nas verbas da alta administração.
O diretor-geral mais os quatro diretores recebem, conjuntamente, R$ 200 mil por mês. Os membros do Conselho de Administração ficam com R$ 90 mil mensais e os do Fiscal, com R$ 12,4 mil. Incluindo encargos e benefícios, a diretoria custa cerca de R$ 3,6 milhões por ano. Os 760 funcionários representam gasto de R$ 180 milhões/ano.

Falha ou ficção
O parecer da comissão da Aneel que analisou o orçamento do Operador Nacional do Sistema Elétrico estranha que, na execução dos 12 meses anteriores, houve concentração de gastos no último mês do ciclo (junho), “o que indica a possibilidade de previsão superestimada no período em execução e a necessidade de maiores gastos para que não haja saldo em disponibilidades a ser utilizado no próximo ciclo. O Operador não apresentou justificativas para a execução a menor (sic) do orçamento nem sobre o gasto discrepante do último mês”.
Em outro trecho, diz o documento da comissão da Aneel: “É necessária uma fiscalização mais próxima da execução orçamentária, pois há indícios que o ONS superestima o orçamento no que diz respeito aos custos relacionados a serviços (…) ou planeja mal a previsão.”

Boca para fora
Os bancos movimentam seus analistas, travestidos de economistas, para criticar a indexação de preços e alertar para o aumento da inflação. Por indexação deve-se entender que eles querem apenas limitar os reajustes de salários e de serviços – a maior parte de autônomos, ou seja, salários de quem não tem carteira. Já as tarifas dos próprios bancos ficam fora dessa cruzada, até porque sobem muito acima da inflação. O Itaú acaba de anunciar a seus clientes correção de quase 15% na tabela de tarifas, ou duas vezes e meia acima da inflação em 12 meses.

Hora de desembarcar
A julgar pelo entusiasmo com que as consultorias, através dos sites da mídia hegemônica, estão indicando o ouro como aplicação segura e promissora, talvez seja o momento de não seguir o conselho dos “especialistas” e dar um tempo nas compras do metal. Afinal, o impasse entre o Congresso dos EUA e o presidente Barak Obama pode acabar nesta quarta-feira, tempo suficiente para grandes investidores se desfazerem do ouro para, em seguida, fazerem a recompra, por um preço de ocasião.

Táxi
Nos tempos em que o dólar era encarado como investimento, dizia-se que, quando o motorista de táxi perguntava se valia a pena comprar a moeda norte-americana, era hora de vender. Talvez o conselho devesse ser atualizado hoje para ouro, ou ações. De qualquer forma, a médio prazo, o ouro deve continuar entre as principais compras dos especuladores mundiais.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLadeira abaixo
Próximo artigoCarteira para 5 milhões

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Receita: brasileiros movimentaram R$ 127 bi em criptomoedas em 2020

O subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Jonathan de Oliveira, disse, nesta quarta-feira em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara...

Elevar Selic para 7,75% será eficaz no combate à inflação?

Analistas prevêem taxa de 11% em maio de 2022.

Carteira da massa falida do Banco Cruzeiro do Sul

Por Antonio Pietrobelli.

Vencimento de título corrigido pela Selic puxa queda da Dívida Pública

O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal...

Quase 80% pretendem fazer compras no período da Black Friday

Varejo eletrônico gasta mais com publicidade para a data do que para o Natal.