É a qualidade!

Por Luís Machado.

Opinião / 16:13 - 25 de set de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Conceitualmente, qualidade pode ser definida como a totalidade de características de um produto ou serviço que possuem a capacidade de atender a necessidade de um determinado cliente ou consumidor.

As características são especificações definidas como atributos do produto e estão relacionadas com as conformidades que definem o grau de concordância com as suas especificações, durabilidade, imagem e atendimento.

O verdadeiro critério de boa qualidade é sempre a preferência e a satisfação do consumidor e no ramo alimentício é o conjunto destas características contidas no alimento que consolida este conceito através do consumo de um alimento seguro e saudável.

Alta qualidade e preços menores é o binômio que as empresas almejam, pois os clientes estão cada vez mais exigentes e criteriosos, o que nos faz buscar incessantemente a excelência em qualidade equilibrando com preços acessíveis para aumentar a percepção e o interesse para nossos produtos.

Os princípios e as práticas exigidas devem integrar o sistema de gestão da qualidade das empresas, pois a qualidade é essencial, considerando que é impossível sobreviver no mercado sem ela.

O sistema de gestão da qualidade nas empresas é estabelecido pelos princípios e práticas exigidas, cujo objetivo do controle é a prevenção e o monitoramento da qualidade dos alimentos e dos processos que permitem obtê-lo, entregando um produto com as características esperadas para o consumidor.

A maneira adequada para a execução deste processo deve basear-se em padrões estabelecidos, monitorados e documentados, que validam os padrões e as especificações que os alimentos e as matérias-primas devem apresentar.

A garantia de qualidade, sem sombra de dúvida, não pode ser uma escolha exclusiva das indústrias de alimentos de grande porte e sim a responsabilidade consciente em todas as etapas de toda e qualquer cadeia industrial, visando a proteção do consumidor e a vigilância contra possíveis riscos pela garantia e cumprimento da legislação vigente.

Este trabalho, que depende de rígidos controles em todas as etapas da cadeia, tem um só objetivo: entregar alimentos de qualidade e seguros ao consumidor, zelando pela saúde da sociedade, minimizando contaminações e riscos pelo controle higiênico-sanitário dos processos e produtos.

Para as empresas, cabe o foco na garantia da qualidade de processos e produtos e ao consumidor final, a satisfação de consumir produtos que lhes possibilitem a satisfação de uma boa e saudável refeição.

Luís Machado

Consultor em Qualidade.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor