E daí, Ursula?

Governo brasileiro dá aulas sucessivas de como desdobrar a pandemia em diversas crises: de saúde, econômica, política etc.

Empresa Cidadã / 16:02 - 5 de mai de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Ursula von der Leyen, ex-ministra da Defesa da Alemanha da Chanceler Angela Merkel e presidente da Comissão Europeia (CE), instância executiva do Parlamento da União Europeia (UE), disse, na abertura da reunião da CE, em cooperação com a OMS, com potenciais doadores de recursos a serem empregados na busca da vacina anti Covid-19, que o desenvolvimento de uma “vacina é nossa melhor oportunidade coletiva de vencer o vírus e precisa de financiamento”.

A presidente da CE é uma dessas pessoas que tem noção (o oposto de “sem-noção”) das consequências dos seus atos. A médica, culta, competente e responsável, apesar de alguns “trancos de ombro” que recebeu da esquerda, por suposta complacência com o governo de extrema direita da Hungria, é das que mais têm insistido na importância da ciência, da cooperação internacional e da democracia.

Enquanto, no mundo, cooperação, solidariedade, transparência e investimentos em saúde são conceitos cada vez mais difundidos para exercício da cidadania no pós-pandemia, o governo brasileiro dá aulas sucessivas de como desdobrar a pandemia do voraz coronavírus, em diversas crises: de saúde, econômica, política etc.

Há, no mundo empresarial, e não só o das grandes corporações quem encontre respostas para a pergunta “E daí?”. Solidariedade é um dos componentes mais frequentes no cenário presumível que resultará da Covid-19. No caso das empresas, a expressão da solidariedade é bem peculiar e precisa estar conectada aos seus aspectos estratégicos, ou será só discurso. Até a crise seguinte...

 

O caso Dimona, solidariedade na prática

A Dimona, tradicional empresa de personalização de camisetas do Rio de Janeiro está personalizando máscaras de proteção individual e destinando parte do lucro derivado de suas vendas para doações em comunidades em condição de vulnerabilidade social. Também participa da campanha “COmVIDa-20”.

A Dimona adaptou suas instalações e máquinas para aprimorar, em tempo recorde, o treinamento de seus colaboradores para a produção de máscaras de proteção individual. A empresa, que foi licenciadora oficial de produtos de grandes eventos, como o Rock In Rio, os Jogos Olímpicos, a Jornada Mundial da Juventude e de grandes blocos de carnaval da cidade, entra assim no campo dos EPIs e converterá parte do seu lucro para a compra e distribuição de cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade social.

A capacidade inicial de produção é de 7 mil máscaras por dia. A expectativa é que, com as recentes recomendações das autoridades de saúde para o uso do acessório como forma de prevenção, a personalização, que sempre foi a qualidade que distingue a empresa, ganhe mais destaque. Empresas petroquímicas, construtoras e imprensa têm procurado a Dimona nas últimas semanas com intuito de garantir a saúde e correta proteção de seus colaboradores.

Simultaneamente ao lançamento das máscaras de proteção, a Dimona está atuando em diferentes frentes de solidariedade: 10% do valor apurado nas vendas das máscaras serão destinados à compra de cestas básicas para doação ao Instituto da Criança e campanhas em comunidades carentes. As doações serão semanais, e o projeto Gramachinhos, em Duque de Caxias (RJ), foi o primeiro a receber os donativos – ao todo foram distribuídos 70 kits de alimentos. Além disso, em parceria com a Fundação Santa Cabrini, a empresa carioca está doando tecido de malha para que costureiras (detentas) do sistema prisional possam confeccionar máscaras para doação aos órgãos de saúde e segurança. Com a primeira doação de tecidos feita pela Dimona, será possível produzir cerca de 1.500 peças.

Há também o apoio à campanha ComVIDa-20, que estimula uma corrente do bem através da venda de kits contendo máscaras de proteção e camisetas. Pedro Werneck, presidente do Instituto da Criança, reflete que, no início da pandemia, grande parte da sociedade civil adquiriu a consciência sobre a necessidade de buscar ações para combater a Covid-19. “Graças à contribuição de pessoas, empresas e iniciativas como a COmViDa-20, podemos avançar a favor da preservação de vidas. Causas provocam consequências. União e reação constroem soluções”, diz Werneck.

De uma hora para outra a realidade de todos nós foi afetada”, diz Leonardo Zonenschein, sócio-diretor da Dimona. E acrescenta. “Nossa empresa, pautada pela cultura familiar, sempre foi muito dinâmica. Nós procuramos agir rápido tendo como base o que chamamos de tripé de necessidades: a nossa necessidade de sobrevivermos enquanto empresa, a necessidade de manter os empregos de todo nosso time e a necessidade de ajudar os mais vulneráveis na sociedade. Para isso remontamos a nossa fábrica, adaptamos máquinas, processos e treinamentos, levando em conta, principalmente, os cuidados de higienização requisitados para a produção das máscaras e respondemos às necessidades do mercado, ao mesmo tempo viabilizando parcerias emergenciais com projetos sociais”, conclui Zonenschein. A variedade de máquinas e tipos de personalização tem um objetivo muito importante: garantir a transformação de uma ideia em estampa com excelência.

Faz parte da política de comunicação da Dimona o site, muito amistoso, onde é possível obter informações sobre a produção e venda de máscaras de proteção e outros itens da empresa, inclusive com a informação rápida de orçamentos, dadas algumas informações do cliente. No Instagram @dimona estão retratadas iniciativas sociais apoiadas pela Dimona.

 

Como será o amanhã?

Para tod@s que se interessam ou que têm curiosidade sobre o futuro, especialmente no pós Covid-19, na próxima edição da coluna Empresa-Cidadã (da sugestiva data de 13 de maio), traremos os 6 passos rumo ao futuro.

 

#fiqueemcasa

Bons livros, bons vídeos, boas companhias, solidariedade.

 

Paulo Márcio de Mello é professor servidor público aposentado da Universidade do Estado do RJ (Uerj).

paulomm@paulomm.pro.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor