Economia da China expande 18,3% no trimestre

A economia da China cresceu anualmente 18,3% no primeiro trimestre de 2021, à medida que as fortes demandas doméstica e externa impulsionaram a recuperação em comparação com uma base baixa no início de 2020, quando a Covid-19 paralisou a segunda maior economia do mundo.

O Produto Interno Bruto alcançou 24,93 trilhões de iuanes (US$ 3,82 trilhões) no primeiro trimestre, um aumento de 0,6% em relação ao quarto trimestre do ano passado, mostraram os dados do Departamento Nacional de Estatísticas (DNE) nesta sexta-feira.

A recuperação de dois dígitos com relação ao ano passado coloca o crescimento médio do primeiro trimestre de 2020 e 2021 em 5% em relação ao nível de 2019.

A economia chinesa registrou uma contração de 6,8% no primeiro trimestre de 2020 devido ao coronavírus. O motor de crescimento global recuperou seu equilíbrio com um retorno “em forma de V” para atingir três trimestres consecutivos de recuperação no ano passado (3,2% no segundo trimestre, 4,9% no terceiro e 6,5% no quarto trimestre).

Os dados desta sexta-feira enviam sinais encorajadores no sentido geral. No primeiro trimestre, a produção industrial de valor agregado, as vendas no varejo e o investimento em ativos fixos da China aumentaram 24,5%, 33,9% e 25,6%, respectivamente.

Impulsionado pela crescente demanda interna e externa, o total de importações e exportações de bens aumentou 29,2% ano a ano, para 8,47 trilhões de iuanes.

“Graças às medidas eficazes que o governo tomou para controlar a pandemia e estimular a economia, observamos um impulso resiliente nos indicadores econômicos provenientes tanto do lado da produção quanto do consumo”, disse à Xinhua Hoffman Cheong, sócio-gerente da EY China North.

Em particular, as vendas de catering quase voltaram ao nível do início de 2019, sugerindo um forte sentimento da população em sair, encontrar pessoas e gastar dinheiro, apontou Cheong. “Esta é a razão subjacente pela qual estamos confiantes nas perspectivas da China.”

Apesar da recuperação econômica, o DNE alertou para grandes incertezas e instabilidades, já que a Covid-19 continua a se espalhar globalmente e a base para a recuperação econômica doméstica ainda não se solidificou.

“Os problemas estruturais de longa data permanecem proeminentes com novas situações e problemas decorrentes do desenvolvimento”, salientou o DNE.

Em 2021, a China pretende expandir sua economia em mais de 6%, criar mais de 11 milhões de novos empregos urbanos e aumentar a demanda doméstica e o investimento efetivo, o que deve colocar a economia de volta à vitalidade pré-pandêmica.

O país buscará um desenvolvimento de alta qualidade, promoverá reformas estruturais do lado da oferta e consolidará e expandirá as conquistas da resposta à Covid-19 e do desenvolvimento econômico e social, entre outras tarefas importantes, de acordo com um relatório de trabalho do governo.

 

Agência Xinhua

Leia também:

EUA e China se aproximam em prol das finanças sustentáveis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.

Empresas chinesas pedem proteção da propriedade intelectual

49 companhias chinesas apresentaram 108 pedidos internacionais de desenhos industriais em 5 de maio

Últimas Notícias

Cana: safra começa com qualidade e produtividade inferiores à anterior

Indicadores de qualidade e produtividade em abril são negativos, mas clima pode contribuir para a recuperação.

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.

Carga de energia aumentou 2,2% em abril ante 2021

ONS: Subsistema Sudeste/Centro-Oeste registra variação positiva de 4,8%.