Economia da China expande 18,3% no trimestre

A economia da China cresceu anualmente 18,3% no primeiro trimestre de 2021, à medida que as fortes demandas doméstica e externa impulsionaram a recuperação em comparação com uma base baixa no início de 2020, quando a Covid-19 paralisou a segunda maior economia do mundo.

O Produto Interno Bruto alcançou 24,93 trilhões de iuanes (US$ 3,82 trilhões) no primeiro trimestre, um aumento de 0,6% em relação ao quarto trimestre do ano passado, mostraram os dados do Departamento Nacional de Estatísticas (DNE) nesta sexta-feira.

A recuperação de dois dígitos com relação ao ano passado coloca o crescimento médio do primeiro trimestre de 2020 e 2021 em 5% em relação ao nível de 2019.

A economia chinesa registrou uma contração de 6,8% no primeiro trimestre de 2020 devido ao coronavírus. O motor de crescimento global recuperou seu equilíbrio com um retorno “em forma de V” para atingir três trimestres consecutivos de recuperação no ano passado (3,2% no segundo trimestre, 4,9% no terceiro e 6,5% no quarto trimestre).

Os dados desta sexta-feira enviam sinais encorajadores no sentido geral. No primeiro trimestre, a produção industrial de valor agregado, as vendas no varejo e o investimento em ativos fixos da China aumentaram 24,5%, 33,9% e 25,6%, respectivamente.

Impulsionado pela crescente demanda interna e externa, o total de importações e exportações de bens aumentou 29,2% ano a ano, para 8,47 trilhões de iuanes.

“Graças às medidas eficazes que o governo tomou para controlar a pandemia e estimular a economia, observamos um impulso resiliente nos indicadores econômicos provenientes tanto do lado da produção quanto do consumo”, disse à Xinhua Hoffman Cheong, sócio-gerente da EY China North.

Em particular, as vendas de catering quase voltaram ao nível do início de 2019, sugerindo um forte sentimento da população em sair, encontrar pessoas e gastar dinheiro, apontou Cheong. “Esta é a razão subjacente pela qual estamos confiantes nas perspectivas da China.”

Apesar da recuperação econômica, o DNE alertou para grandes incertezas e instabilidades, já que a Covid-19 continua a se espalhar globalmente e a base para a recuperação econômica doméstica ainda não se solidificou.

“Os problemas estruturais de longa data permanecem proeminentes com novas situações e problemas decorrentes do desenvolvimento”, salientou o DNE.

Em 2021, a China pretende expandir sua economia em mais de 6%, criar mais de 11 milhões de novos empregos urbanos e aumentar a demanda doméstica e o investimento efetivo, o que deve colocar a economia de volta à vitalidade pré-pandêmica.

O país buscará um desenvolvimento de alta qualidade, promoverá reformas estruturais do lado da oferta e consolidará e expandirá as conquistas da resposta à Covid-19 e do desenvolvimento econômico e social, entre outras tarefas importantes, de acordo com um relatório de trabalho do governo.

 

Agência Xinhua

Leia também:

EUA e China se aproximam em prol das finanças sustentáveis

Artigos Relacionados

Produtos de consumo da China devem atrair marcas internacionais

A primeira Exposição Internacional de Produtos de Consumo da China, que começou nesta sexta-feira e termina no próximo dia 10, em Haikou, capital da...

China ampliou volume de exportações de serviços

A China registrou um déficit comercial de serviços de 66,69 bilhões de iuanes (US$ 10,3 bilhões) no primeiro trimestre deste ano, uma queda de...

De olho na Eletrobras, setor privado não investe

Ação da estatal vale quase metade do que valia há 11 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.