27.9 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, janeiro 21, 2021

Economia dá mais motivos para preocupação

Há alguns dias, a economista Laura Carvalho escreveu um artigo em que pedia desculpas pelo excesso de otimismo quando, em ocasiões anteriores, discutiu se o copo da economia brasileira estava meio cheio ou meio vazio. Os resultados divulgados pelo IBGE, quinta e sexta, para PIB e desemprego, corroboram a mais recente análise da economista.

Os dados provocaram contida euforia no mercado, mas uma análise fria dos números permite concluir que a notícia boa é que os resultados poderiam ter sido piores. O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,7% no primeiro semestre do ano comparado ao mesmo período de 2018. No ano passado, vinha crescendo à taxa de 1,1%. O mesmo ocorreu com os últimos quatro trimestres sobre os quatro trimestres imediatamente anteriores: a alta de 1,4% foi reduzida para 1%.

Assim, se a economia patinou uma vez mais em 2018, repetindo o magro 1,1% de 2017, a perspectiva é de que o resultado seja ainda um pouco mais fraco em 2019, como espera a maioria dos economistas. Se “são FGTS” ajudar, talvez algo como crescimento de 0,8%.

Os números da desocupação também são preocupantes. A queda no desemprego se deu com trabalho informal ou por conta própria. O rendimento real habitual caiu 1% em relação aos R$ 2.311 do primeiro trimestre de 2019. Quando se junta a isso a pesquisa da CNT, que mostrou que metade dos brasileiros que ainda têm emprego teme perdê-lo, têm-se um quadro ruim para a retomada do consumo.

Pior de tudo é ficar discutindo entre o resultado medíocre e o muito medíocre, enquanto se deixa de lado um plano nacional de retomada econômica.

 

Pela culatra

Muito se falou na camisa de força que o Teto dos Gastos exerceria sobre o orçamento da União e, consequentemente, sobre o desempenho da economia e o atendimento das demandas sociais. Agora, o governo ameaça suspender, por período não definido, novas contratações do Minha Casa Minha Vida (MCMV) em 2020, visando economizar R$ 2 bilhões para enfrentar despesas obrigatórias.

O setor de construção, que apoiou o Teto dos Gastos, as reformas Trabalhista e da Previdência e outros mitos, veio a público protestar, ao ver – desculpem o inevitável trocadilho – a casa cair.

O Secovi-SP, o Sindicato da Habitação, lembra que, graças ao desempenho do setor imobiliário, a construção civil cresceu 2% no segundo trimestre de 2019, na comparação com igual período do ano anterior, rompendo um ciclo de cinco anos consecutivos de queda.

Os lançamentos imobiliários cresceram 11,8%, e as vendas, 16% em âmbito nacional. Na capital paulista, a Pesquisa Secovi-SP de junho registra recorde, com incremento de 176% nas vendas e quase 219% nos lançamentos, em relação ao mesmo mês do exercício anterior.

Faz sentido? Qual a lógica em paralisar uma atividade que pode gerar em impostos, renda, consumo muito mais do que a economia pretendida?”, questiona o presidente do Secovi-SP, Basilio Jafet. O Sindicato adiciona que “o maior programa habitacional do planeta” é conquista “da sociedade e uma política de Estado, não de governos”.

Neutralizar o segmento que mais impactos positivos traz para o desenvolvimento e que mais movimenta inúmeros outros setores produtivos é o que podemos definir como um autêntico tiro pela culatra”, afirma Jafet.

(Será o “tiro pela culatra” trocadilho com o presidente que adora ser fotografado fazendo arminha com a mão?)

 

Onde está?

Uma revista semanal encontrou Queiroz, “escondido” bem no coração de São Paulo. O próximo passo é descobrir, em meio à crise econômica que se agrava: alguém viu Paulo Geudes por aí?

 

Rápidas

O governador João Doria, a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, e a secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Célia Leão, lançam nesta segunda-feira, às 9h30, no Palácio dos Bandeirantes, o programa Meu Emprego – Trabalho Inclusivo, que visa beneficiar pessoas com deficiência *** O economista Marcos Ferrari assumirá 9 de setembro a presidência executiva do SindiTelebrasil, entidade que reúne as prestadoras de serviços de telecomunicações *** Feira de Produtos cultivados sem agrotóxicos neste domingo no Caxias Shopping *** Também neste domingo, o Instituto Expo Religião reúne líderes religiosos e suas comunidades para doar sangue no Hemorio, no Centro.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.

UE planeja iniciar gastos de grande fundo de recuperação em meses

Incerteza econômica na Alemanha continua em 2021; economista mantém previsão de crescimento do PIB do país em +3,5%.

Exterior abre positivo e Copom no radar interno

Na Ásia, Bolsas fecharam sem sinal único; Hong Kong registrou avanço de 1,08%.

Índice Ibovespa futuro opera entre perdas e ganhos

No momento, o futuro do índice Ibovespa está em alta de 0,03% e o futuro do dólar está em queda de -0,34%.

Comportamento indefinido

Ontem, logo cedo, Europa seguia a trilha de alta dos mercados da Ásia, o mesmo acontecendo com o mercado americano.