Economia do Brasil está onde sempre esteve desde 2015

Não é incompetência dos neoliberais, é a prova do seu sucesso.

A constatação de que a economia brasileira voltou a andar de lado, após a vertiginosa queda durante a pandemia e a rápida recuperação logo após, não deveria surpreender ninguém com o mínimo de conhecimento sobre o assunto. Desde 2015, quando o PT entregou o comando da política econômica aos delírios neoliberais, que o Produto Interno Bruto (PIB) vem fraco, primeiro caindo em recessão, depois com altas modestas que não ainda não compensaram as perdas.

Como escreveu Daniel S. Kosinski, membro do Instituto da Brasilidade, em artigo para o Monitor, não é incompetência dos neoliberais, é a prova do seu sucesso, pois “a dissolução do Brasil nos ‘mercados internacionais’ é, há tempos, o principal objetivo do seu projeto”.

A situação, que já é crônica, pode ficar incontrolável, com a inflação agravando as desigualdades em uma economia estagnada. A falta de energia e de água apenas aguça a disputa por uma parte maior do quinhão, com transferência de renda para alguns beneficiados. Exemplo, a tentativa da concessionária de saneamento de Manaus de emplacar um reajuste de 24,52%.

O projeto neoliberal se presta a isso e não consegue atrair nem ao menos o capital das corporações que beneficia, que preferem deixar no exterior os dólares obtidos com exportações. Se ingressassem no País, poderiam ajudar a segurar a cotação da moeda norte-americana, principal combustível (com trocadilho) da inflação.

Parafraseando Darcy Ribeiro, não é uma crise; é um projeto.

 

Oposição

A paciência da Febraban com Guedes se esgotou a partir do momento em que abriu os olhos para os prejuízos com a sucessão de crises incentivadas pelo governo ou quando constatou a perda de lucratividade e a ameaça de ter que pagar imposto sobre dividendos?

 

Rápidas

“Afeganistão, cemitério de Impérios” é o tema da palestra que o embaixador do Brasil no Paquistão, Olyntho Vieira, fará na Associação Comercial do Rio (ACRJ), dia 20, às 11h. Informações: (21) 2514-1203 *** Nesta quinta, às 17h, o escritório Bosisio Advogados promoverá evento sobre a utilização de provas digitais no processo do trabalho, via YouTube *** De 14 a 16 de setembro, das 9h às 18h, ocorrerá o Uqbar Day 2021, sobre securitização *** Jou Jou Design, de papelaria fina e presentes, acredita na retomada e inaugura duas lojas em outubro, no Shopping Grande Rio e no Park Shopping Campo Grande *** O West Shopping reúne produtores independentes em feira de flores, neste final de semana *** O vice-presidente da Federação Interamericana de Advogados (FIA), Fernando Fragoso, será um dos palestrantes em “O princípio in dubio pro societate no processo penal”, nesta sexta-feira, às 10h30, no canal TVIAB no YouTube *** A FGV Europe realizará em 8 e 9 de setembro seminário virtual sobre cidades inteligentes, em parceria com a embaixada da Itália e o consulado italiano no Rio. O governador Claudio Castro, o prefeito Eduardo Paes e o embaixador Francesco Azzarello participam da abertura, 10h, pelo canal da FGV no YouTube.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Terceira via tira a máscara

Diferença para atual governo está nos métodos, não nos fins.

Baía de Guanabara como sujeito de direitos

Em SC, Judiciário debate gestão e governança da Lagoa da Conceição.

Melhor bolinho de bacalhau

O mais novo ‘Patrimônio Cultural’, que foi frequentado por Pixinguinha.

Últimas Notícias

Cautela pré-Fomc pesa sobre Bolsas no globo

Em dia de vencimento de opções, NY fechou em baixa, com o retorno das incertezas sobre o ritmo de retomada econômica.

A desigualdade entre os ‘iguais’

Por Rafael Luciano de Mello.

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.