Economia do Brasil será a 3ª pior do mundo em 2022

ONU: é hora de reduzir a desigualdade.

Depois de expandir 5,5% em 2021, a produção global deverá crescer apenas 4% em 2022 e 3,5% em 2023, de acordo com a Situação Econômica Global e Perspectivas das Nações Unidas (WESP) 2022, divulgada nesta quinta-feira.

O relatório diz que a recuperação econômica global está enfrentando ventos contrários significativos em meio a novas ondas de infecções por Covid-19, desafios persistentes do mercado de trabalho, desafios persistentes da cadeia de suprimentos e crescentes pressões inflacionárias.

Os dados da ONU apontam que, entre as mais de 170 economias analisadas, o Brasil terá o terceiro pior desempenho, com alta de 0,5%, à frente somente de Guiné Equatorial e Mianmar. O Monitor Mercantil mostrou ontem que o PIB brasileiro terá a menor alta na América Latina.

A recuperação em 2021 marcou a maior taxa de crescimento em mais de quatro décadas, destacou o relatório. No entanto, o impulso – especialmente na China, Estados Unidos e União Europeia – desacelerou consideravelmente até o final de 2021, à medida que os efeitos dos estímulos monetários e fiscais começaram a diminuir e surgiram grandes interrupções na cadeia de suprimentos. As crescentes pressões inflacionárias em muitas economias estão representando riscos adicionais para a recuperação.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, destacou que “agora é a hora de fechar as lacunas de desigualdade dentro e entre os países. Se trabalharmos em solidariedade, como uma família humana, podemos fazer de 2022 um verdadeiro ano de recuperação para pessoas e economias”.

Prevê-se que os níveis de emprego permaneçam bem abaixo dos níveis anteriores à pandemia durante os próximos dois anos e possivelmente além. A participação da força de trabalho nos Estados Unidos e na Europa permanece em níveis historicamente baixos, já que muitos que perderam empregos ou deixaram o mercado de trabalho durante a pandemia ainda não retornaram, segundo o relatório.

A escassez de mão de obra nas economias desenvolvidas está aumentando os desafios da cadeia de suprimentos e as pressões inflacionárias. Ao mesmo tempo, o crescimento do emprego nos países em desenvolvimento continua fraco, em meio ao menor progresso da vacinação e gastos limitados de estímulo. A África, a América Latina e o Caribe e a Ásia Ocidental devem ter uma lenta recuperação de empregos.

O relatório disse que níveis mais altos de desigualdade dentro e entre países estão surgindo como uma cicatriz de longo prazo da pandemia. Nos próximos anos, uma recuperação total do PIB per capita permanecerá ilusória para muitos países em desenvolvimento. A África e a América Latina e o Caribe devem apresentar diferenças de 5,5 e 4,2 pontos percentuais, respectivamente, em comparação com as projeções pré-pandemia.

Essas lacunas persistentes do produto exacerbarão a pobreza e a desigualdade e impedirão o progresso em alcançar o desenvolvimento sustentável e combater as mudanças climáticas. Em contraste, o PIB per capita das economias desenvolvidas, em relação às projeções pré-pandemia, deverá se recuperar quase totalmente até 2023.

Com Agência Xinhua

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Previdência privada é pouco usada; 92% dependem de recursos do INSS

Mais da metade dos brasileiros gostaria de parar de trabalhar com 60 anos, mas só 28% acham que vão conseguir.

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

Desempenho da Bolsa com Lula é melhor que com Bolsonaro

Primeiros anos de governos costumam ser os melhores.

Últimas Notícias

Previdência privada é pouco usada; 92% dependem de recursos do INSS

Mais da metade dos brasileiros gostaria de parar de trabalhar com 60 anos, mas só 28% acham que vão conseguir.

Brilhante comércio de cerejas entre a China e o Chile

Um total de 356.000 toneladas de cerejas foram exportadas do Chile durante a temporada 2021-2022, com 88% do total indo para a China, de acordo com a iQonsulting, uma empresa de consultoria, com sede em Santiago, capital do Chile.

Empresa chinesa construirá parque de ciências agrícolas em Paracatu

A Prefeitura de Paracatu, no estado brasileiro de Minas Gerais, assinou um acordo com uma empresa chinesa para abrigar um parque de ciências agrícolas, visando construir o maior centro sul-americano de pesquisa e desenvolvimento de sementes de soja e milho e da cadeia de suprimentos.

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas