Economia do Brasil será a 3ª pior do mundo em 2022

ONU: é hora de reduzir a desigualdade.

Depois de expandir 5,5% em 2021, a produção global deverá crescer apenas 4% em 2022 e 3,5% em 2023, de acordo com a Situação Econômica Global e Perspectivas das Nações Unidas (WESP) 2022, divulgada nesta quinta-feira.

O relatório diz que a recuperação econômica global está enfrentando ventos contrários significativos em meio a novas ondas de infecções por Covid-19, desafios persistentes do mercado de trabalho, desafios persistentes da cadeia de suprimentos e crescentes pressões inflacionárias.

Os dados da ONU apontam que, entre as mais de 170 economias analisadas, o Brasil terá o terceiro pior desempenho, com alta de 0,5%, à frente somente de Guiné Equatorial e Mianmar. O Monitor Mercantil mostrou ontem que o PIB brasileiro terá a menor alta na América Latina.

A recuperação em 2021 marcou a maior taxa de crescimento em mais de quatro décadas, destacou o relatório. No entanto, o impulso – especialmente na China, Estados Unidos e União Europeia – desacelerou consideravelmente até o final de 2021, à medida que os efeitos dos estímulos monetários e fiscais começaram a diminuir e surgiram grandes interrupções na cadeia de suprimentos. As crescentes pressões inflacionárias em muitas economias estão representando riscos adicionais para a recuperação.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, destacou que “agora é a hora de fechar as lacunas de desigualdade dentro e entre os países. Se trabalharmos em solidariedade, como uma família humana, podemos fazer de 2022 um verdadeiro ano de recuperação para pessoas e economias”.

Prevê-se que os níveis de emprego permaneçam bem abaixo dos níveis anteriores à pandemia durante os próximos dois anos e possivelmente além. A participação da força de trabalho nos Estados Unidos e na Europa permanece em níveis historicamente baixos, já que muitos que perderam empregos ou deixaram o mercado de trabalho durante a pandemia ainda não retornaram, segundo o relatório.

A escassez de mão de obra nas economias desenvolvidas está aumentando os desafios da cadeia de suprimentos e as pressões inflacionárias. Ao mesmo tempo, o crescimento do emprego nos países em desenvolvimento continua fraco, em meio ao menor progresso da vacinação e gastos limitados de estímulo. A África, a América Latina e o Caribe e a Ásia Ocidental devem ter uma lenta recuperação de empregos.

O relatório disse que níveis mais altos de desigualdade dentro e entre países estão surgindo como uma cicatriz de longo prazo da pandemia. Nos próximos anos, uma recuperação total do PIB per capita permanecerá ilusória para muitos países em desenvolvimento. A África e a América Latina e o Caribe devem apresentar diferenças de 5,5 e 4,2 pontos percentuais, respectivamente, em comparação com as projeções pré-pandemia.

Essas lacunas persistentes do produto exacerbarão a pobreza e a desigualdade e impedirão o progresso em alcançar o desenvolvimento sustentável e combater as mudanças climáticas. Em contraste, o PIB per capita das economias desenvolvidas, em relação às projeções pré-pandemia, deverá se recuperar quase totalmente até 2023.

Com Agência Xinhua

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

China reduz juros em empréstimo de médio prazo

O banco central da China reduziu nesta segunda-feira (17) as taxas de juros de seus empréstimos de médio prazo (MLF) e repôs reversos em...

Importação de óleo pelo Brasil quase dobrou em 2021

Somadas a gás natural, compras passam de US$ 18 bilhões.

Taxa única sobre ultrarricos garantiria saúde universal

10 trilionários ganharam US$ 15 mil por segundo durante pandemia.

Últimas Notícias

Empregos na saúde ultrapassa 4,6 milhões

O número de pessoas empregadas na cadeia produtiva da saúde cresceu 0,6% entre agosto e novembro do ano passado ao atingir 4.652.588 de trabalhadores,...

RJ terá dificuldades de pagar R$ 92 bi à União

O Governo do Estado do Rio de Janeiro poderá encontrar dificuldades para cumprir o pagamento de R$ 92 bilhões devidos à União. Isso porque...

China reduz juros em empréstimo de médio prazo

O banco central da China reduziu nesta segunda-feira (17) as taxas de juros de seus empréstimos de médio prazo (MLF) e repôs reversos em...

Petrobras: recorde de produção no pré-sal em 2021

A Petrobras atingiu recorde anual de produção no pré-sal em 2021, ao alcançar 1,95 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed). Esse...

Médicos de SP mantêm greve na quarta-feira

Após se reunirem com o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, na tarde desta segunda-feira, o Sindicato dos Médicos de São...