Educação no Brasil: qualquer caminho serve?

Por Luiz Alexandre Castanha.

Opinião / 15:36 - 11 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Senhor, para onde vai essa estrada?

Para aonde você quer ir?

Eu não sei. Estou perdida.

Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve.

(Alice no País das Maravilhas).

O famoso diálogo entre o gato e Alice faz parte do clássico escrito pelo romancista, poeta e matemático britânico Charles Lutwidge Dodgson, em 1865. Mas o que ele não sabia, e nem sequer imaginava, é quão atual sua frase ainda seria e se encaixaria nos dias de hoje.

Acaba de ser nomeado o quarto ministro da Educação, em pouco mais de um ano e meio de governo. O presidente tenta dar um caráter técnico para a escolha e ao mesmo tempo acenar a grupos de apoio, como os evangélicos e a chamada ala ideológica.

Quando se trata de guiar o futuro da Educação, já faz alguns anos que o governo brasileiro demonstra que não sabe qual caminho seguir e, de tempos em tempos, a situação chega a pontos mais críticos. Mais uma vez, agora por conta especialmente do coronavírus e da falta de representatividade ministerial, chegamos a uma situação em que o governo se vê encurralado, com diversas decisões importantes a serem tomadas e nem uma pista de qual direção tomar.

Mas podemos pensar na nossa visão otimista: logo vamos nos acertar e nos ajustar – ledo engano.

Infelizmente, ao olhar para a situação que se instaurou e as consequências da mesma, as perspectivas não são convincentes. O tempo na escola, principalmente para quem tem menos acesso, é bem difícil de recuperar. Para isso, teríamos que fazer um novo planejamento de retomada que duraria pelo menos de 2 a 3 anos, como está acontecendo na Inglaterra, por exemplo.

Mas a verdade é que, enquanto isso, estamos perdendo tempo precioso e aumentando o prejuízo de milhares de estudantes. É só olhar para outros modelos, como o de Singapura, país que só depois de vários anos de disciplina e cuidado com os alunos, professores e pais, conseguiu obter a liderança no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) – teste em que o Brasil ocupa a 57ª posição.

O que mais preocupa até aqui é a necessidade de termos um plano que siga com disciplina por muitos anos, se mantenha e perdure por vários governos. E qual é a chance que temos de que isso aconteça hoje?

A verdade é que acredito que estamos à deriva, sem um plano de longo prazo em mente. O novo ministro que acaba de assumir o cargo não mudará muita coisa, pois o que realmente nos falta é o hábito – ou mesmo a capacidade – de enxergamos em longo prazo. E isso vai além da escolha de um governante.

A Constituição Federal foi escrita com muitos objetivos para a Educação. De 1988 para os dias atuais, muita coisa mudou, mas seguimos lutando para reparar um déficit histórico. Diferentemente de países como a China, que hoje colhem excelentes resultados. É necessário, enquanto política pública, dar continuidade a trabalhos iniciados, não tendo apenas uma visão sistêmica, mas também de projetos para o Brasil.

Então, se perguntássemos ao gato da Alice: “Senhor gato, quem você acha que poderia resolver os problemas da nossa Educação?” Ele responderia: “Para onde você quer realmente ir?”

Precisamos de um choque urgente e rápido na Educação. Para isso, é necessária a capacidade de diálogo para envolver todos os atores educacionais, a fim de garantir que nosso ensino possa caminhar após a pandemia.

O que precisamos neste momento é enfrentar a crise e seus impactos na Educação com base na realidade, e isso só será possível com monitoramento, usando a ciência e o melhor conhecimento possível de gestão pública e de trocas de boas experiências.

Para que tenhamos mudanças, de fato, é necessário compreender que é preciso esforço mútuo para, por exemplo, ofertar trajetórias educacionais alternativas contemplando projeto de vida dos estudantes, focar no acompanhamento e reforço escolar, investir em tecnologia como propulsora à aprendizagem e promover qualidade com equidade, desenvolvendo competências socioemocionais e fomentando a inovação.

Realmente espero que eu esteja errado, pois o que precisamos é ver o Brasil prosperar verdadeiramente na Educação para gerar pessoas autônomas, capazes e produtivas. Só desta maneira conseguiremos avançar em todas as outras áreas no país.

Luiz Alexandre Castanha

Especialista em Gestão de Conhecimento e Tecnologias Educacionais.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor