Edward Meirelles

Interlocutores do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, se dizem impressionados como, a despeito das fortes críticas a sua performance, Meirelles exibe inabalável convicção sobre a certeza do rumo tomado. Confiança semelhante talvez só tenha sido exibida, em 10 de abril de 1912, quando o Titanic afundou. Até então, seu comandante, Edward J. Smith, garantia que o navio estava blindado contra tempestades.

Protagonista
A história política do país nas últimas quatro décadas, desde o golpe militar de 1964 aos dias atuais, está contada no livro Do regime militar ao mensalão – Minhas lutas pela dignidade humana, que o senador Pedro Simon (PMDB) lança, nesta quarta-feira, às 17h, no Salão Nobre do Senado. A obra tem 680 páginas e registra discursos selecionados de Simon, entre eles o que provocou a demissão do então ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros, numa sessão do Senado, em 19 de novembro de 1998, em que o ministro prestava esclarecimentos sobre sua participação na privatização da Telebrás.
O senador pediu a palavra: “Eu lhe digo do fundo do coração: eu, se fosse Vossa Excelência, renunciava. Se eu fosse Vossa Excelência praticava um gesto de grandeza, ajudava o presidente da República (…) que não vai exonerá-lo, e não pode fazê-lo porque daria a entender que tem algo de grave contra Vossa Excelência.”
Pouco depois do discurso, Mendonça de Barros pediu demissão do cargo que ocupou de abril a novembro de 1998.

Título
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP-RJ) faz, nesta quarta, a aula inaugural do Curso Integrado de Cirurgia Plástica versão 2007. O curso faz parte do caminho para a preparação do futuro cirurgião plástico. O presidente da SBCP-RJ, Luiz Mario Bonfatti, explica que, para obter o título de especialista, o cirurgião percorre um longo processo de treinamento específico. Primeiro, residência em cirurgia geral durante dois anos; depois mais três anos de cirurgia plástica. Após tal treinamento, o cirurgião ainda tem de se submeter a provas de título, exame escrito e banca para prova oral, antes de ser aprovado como especialista em cirurgia plástica.

CDC
O recall “branco” – quando as empresas não chamam seus consumidores para troca de determinado produto com defeito, mas realizam a substituição ou o conserto gratuito quando procuradas – não se restringe ao setor de automóveis, tradicional usuário desse procedimento de desrespeito ao comprador. No setor de celulares, a prática é ainda mais comum. O modelo V220, da Motorola, é um campeão de problemas – todas as áreas de atendimento das operadoras que trabalham com GSM criticam o produto. Somente O Globo recebeu 39 cartas sobre o mesmo tipo de defeito no aparelho da empresa norte-americana. Nos Estados Unidos, também são freqüentes as queixas. Mas a Motorola só realiza a troca após muita reclamação.

Problemas
Não está nada legal a relação entre as empreiteiras que constróem e mantêm os prédios da Delegacia Legal, no Rio de Janeiro, e a Secretaria de Segurança Pública.

Troco
Apesar de o pedágio da Ponte Rio-Niterói, situado em Niterói, a fatura de quem opta pelo sistema de passagem eletrônica é emitida na também fluminense Rio Bonito, a pelo menos 20km da praça de pedágio. É que lá a concessionária Ponte S/A paga apenas 2% de ISS.

A revolta das tubaínas
Nos próximos dias 14 e 15, a Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras), volta a Brasília, na segunda marcha do setor contra o alto de nível de impostos cobrado do setor. Formado por pequenos e médios produtores e com capital nacional, o segmento se queixa de ser o mais tributado de toda a cadeia de produção de bebidas do Brasil: 51,2%.
Os representantes da Afrebras têm reuniões agendadas, em Brasília, com o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e com o Ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, para apresentarem suas reivindicações.

Artigo anteriorSem artifícios
Próximo artigoMuy amigo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.