Efeito urna

O convite do presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda, ao presidente Lula – torcedor do clube – para comemorar em São Januário os 60 anos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), cujo lançamento foi feito no Estádio de São Januário por Getúlio Vargas, outro vascaíno, é uma jogada, no mínimo, incoerente. Afinal, o cartola vascaíno deve, em grande medida, a sua condição de ex-deputado ao seu voto pela redução dos mesmos direitos trabalhistas consolidados pela CLT agora homenageada por ele. Em futebol, isso se chama virar a casaca. Em política, é demagogia, mesmo.

Mudez perigosa
A tentativa do presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo (PT-SP), de transferir o ônus das conseqüências da manutenção dos juros em 26,5% ao ano pelo Banco Central para os “tagarelas” que cobraram, e continuam cobrando, a redução dos juros para níveis civilizados, fornece argumento extra para os que se insurgem contra a “independência” do Banco Central. Para além da esquizofrenia política de atribuir às vítimas do monetarismo mais tacanho a razão da sua existência, JP revela que suas convicções sobre a “independência” do BC não resistem aos seus próprios argumentos. Afinal, a insegurança provocada por um BC que eleva juros apenas para não ceder a pressões dos tagarelas é razão suficiente para desconfiar que se está diante de uma quimera.
Até porque, enquanto os tagarelas fazem suas reivindicações às claras e publicamente, os defensores dos juros elevados costumam exibir seus argumentos, sem alaridos, nas sombras e nas futuras diretorias a serem ocupadas pelos oráculos contemporâneos. É o típico caso de mudez perigosa.

É vosso!
A tucanização do governo Lula estimula as agências ditas reguladoras, como a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a adotarem postura olímpica em relação ao recado das urnas contra as políticas neoliberais. O presidente da Associação de Engenheiros da Petrobras (Aepet), Fernando Siqueira, denuncia que, antes mesmo de concluir a quinta licitação para exploração de poços de petróleo, a ANP já prepara a sexta: “O coordenador das licitações é Milton Franke, que, após deixar a Petrobras, foi ser consultor da Shell. Franke escreveu um livro, distribuído entre parlamentares, cujo título é Nem Deus é brasileiro, nem o petróleo é nosso”.

Conflito milenar
Discutir as causas e a origem do conflito entre árabes e israelenses é o objetivo do seminário sobre Oriente Médio que o Ibmec Cultura promove nesta segunda-feira, às 17h30m. O debate será conduzido pelo historiador Márcio Scalercio, autor do livro Oriente Médio – Uma análise reveladora de dois povos condenados. Os interessados em participar devem confirmar presença pelo telefone (11) 3175 – 2300 ou pelo e-mail [email protected]

Agasalho
Os 17 terminais rodoviários administrados pela Socicam no Brasil iniciaram a campanha de doação de agasalhos, da qual participam desde 1999. No Rio, ela conta com o apoio da Barcas S/A, que oferecerá, neste domingo, um passeio turístico gratuito pela Baía de Guanabara para todos que participarem da campanha. A barca sai às 9h30m, da Estação de Niterói, e às 10h, da Estação Praça XV (Rio). O movimento anual nos terminais gerenciados pela Socicam é de 100 milhões de passageiros.

Trabalhadora
A presença feminina na construção do Rio de Janeiro é o tema do livro Um Rio de Mulheres – A Participação das Mulheres Fluminense na História do Estado do Rio de Janeiro, de Schuma Schumaher e Érico Vital Brazil. O lançamento será dia 28, às 18h, no auditório do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro (Av. Presidente Vargas 502/21º andar, Centro), com direito a atividades culturais promovidas pela Comissão Estadual da Mulher Trabalhadora da CUT/RJ.

Óleo da discórdia
Os prefeitos filiados à Associação Brasileira de Municípios com Terminais Marítimos e Fluviais de Petróleo e Gás Natural (Abramt) vão recorrer, nos próximos dias, ao Supremo Tribunal Federal (STF) para evitar que municípios que recebiam indevidamente royalties relativos à exploração de petróleo voltem a receber os repasses. Essas cidades tiveram os royalties cancelados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) após auditoria. Sete deles, porém, conseguiram liminares para  voltar a receber os benefícios.
A lei 7.990 estabelecia que apenas as cidades com estrutura de operação, embarque e desembarque de petróleo (terminais marítimos e fluviais) tinham direito aos royalties. Mas, de acordo com a Abramt, uma nova interpretação da lei acabou beneficiando cerca de 150 municípios, reduzindo os repasses para as cidades originalmente contempladas.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDebate interditado
Próximo artigoFúria

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...