Efeito

O desemprego é talvez a face mais visível do fracasso das políticas neoliberais na América Latina. Na Colômbia, a taxa de desemprego aberto é de 20,5% e estima-se que o subemprego – trabalhadores sem carteira assinada, serviços temporários ou com salários inferiores ao mínimo – chegue a 18%. Na Venezuela, o Governo Chavez ainda não foi capaz de baixar a níveis aceitáveis as altas taxas de desemprego – 13,5% – e subemprego – 52%. Peru e Equador, dois dos países mais afetados pela onda neoliberal que privilegiou a estabilidade monetárias, ostentam índices alarmantes – desemprego de 7,2% no Peru e de 13,2% no Equador e taxa de subemprego de 43,4% e 62,2%, respectivamente. Mesmo o México, que consegue “exportar” desempregados para os EUA – e com isso ostenta uma taxa oficial de 1,97% – tem 22,2% da população vivendo no subemprego. Para finalizar, o Chile, talvez o primeiro colocado no vestibular liberal, tem uma taxa de desemprego de 10% – os números do subemprego, que sabe-se serem elevados, não foram divulgados pelo Pulso Latino-americano, tablóide editado em Miami e publicado por uma penca de jornais conservadores da região.
Campeão
Ainda no Pulso Latino-americano, a confirmação do Brasil como primeiro colocado no ranking dos juros. No crédito pessoal, a taxa do CDC era de 67,3% ao ano, quase 18 pontos percentuais superior à do Uruguai, o segundo colocado.
Agenda
Como esta coluna antecipou na semana passada, a dolarização será o tema dominante nas discussões latinas, se depender da agenda neoliberal norte-americana. A adoção – ou melhor seria imposição – do dólar como moeda da região é o tema central do citado Pulso.

Papai Noel
A decisão do governador Anthony Garotinho de adiar para depois das festas de fim de ano a redução do inacreditável pedágio cobrado pela Via Lagos, de R$ 4,30 (durante a semana) a R$ 6,30 (nos fins de semana e feriado) para R$ 3, se não fizer parte das tradicionais trocas de boas festas de fim de ano, é inexplicável. Na verdade, a redução do pedágio representou um duplo bom negócio para a concessionária.
A exemplo do México, onde o preço extorsivo das tarifas esvaziou drasticamente o movimento nas estradas, levando as empresas a devolverem as concessões ao Estado, os absurdos preços do pedágio da estrada para a Região dos Lagos ameaçavam tornar a rodovia num novo elefante branco.
A redução da tarifa, além de ajudar a evitar o esvaziamento da estrada, vem acompanhada de ponto pouco divulgado pela mídia “chapa branca”: a redução das obrigações contratuais da Via Lagos, com o estado assumindo a responsabilidade por investimentos que caberiam à concessionária privada.

Método
Perguntar não ofende: como e por que foi contratada a empresa UND para realizar os estudos que resultaram na fracassada tentativa de mudar o nome da Petrobras?
Numerologia
Será que a UND, a empresa de publicidade responsável pela fracassada mudança do nome da Petrobras, é uma versão esmaecida da UDN?
Numerologia II
A equipe econômica não se emenda. Depois de errar durante seis anos seguidos a previsão do saldo da balança comercial, os sábios tucanos resolveram palpitar de novo e chutaram que, em 2001, a balança terá superávit de US$ 1 bilhão. Como nas outras vezes, a bola deve passar longe.

Presentão
O aumento de 17,81% presenteado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) à Cerj é um prêmio à ineficiência e um incentivo ao cartorialismo, para ficar-se no linguajar da plutocracia econômica. É injustificável que uma empresa com serviços tão precários tenha o aumento das suas tarifas garantido por contrato que garante a indexação negada aos setores produtivos do país.

Mamatas
O combate à sonegação pelo uso de esquemas de superfaturamento de importação ou subfaturamento de exportações chega ao país com anos de atra$o para o Tesouro Nacional. O esquema funciona da seguinte forma: uma empresa multinacional ou brasileira abre uma controlada em algum paraíso fiscal. Esta última compra, por exemplo, um computador no exterior pelo preço real de mercado de US$ 1 mil e o revende para a controladora por US$ 2 mil, ou R$ 3 mil, ou … Em outros países, até menos desenvolvidos que o Brasil, os controles para barrar este tipo de burla já existe há muitos anos.

Artigo anteriorPapai Noel
Próximo artigoPresentão
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.