Efeitos colaterais

Com o país em pleno luto pelo assassinato de 12 crianças e adolescentes, impressiona e choca a falta de cerimônia com que ONGs e seus replicadores buscam se apropriar do acontecido. Aproveitam o momento de forte emoção da população para  passar contrabandos como o seu desejo, amplamente derrotado em plebiscito, de varrer do Brasil a indústria bélica nacional, que, claro, seria substituída pela das nações boazinhas, aquelas que exterminaram seus índios e têm na prática da invasão imperialista sua marca registrada.

Volta o desarmamento
Recentemente a imprensa publicou dados apresentados por uma ONG e pelo governo com a conclusão de que o desarmamento da população brasileira, realizado em 2003, trouxe como consequência a queda no número de assassinatos no Brasil. Contudo, um amigo desta coluna, analisando os números, chegou a conclusão oposta.
Os números totais de homicídios no Brasil e os de homicídios com armas de fogo foram, respectivamente: em 2003, 51.043 e 36.081 (70,6% dos assassinatos foram cometidos com armas de fogo); em 2004, 48.374 e 34.117 (70,6%); em 2005, 47.578 e 33.419 (70,2%); em 2006, 46.660 e 33.214 (71,3%). Ou seja, houve um leve aumento, de 70,6% para 71,3%, na participação dos homicídios com arma de fogo em relação ao total.
É curioso que a pesquisa apresentada pelo governo mostra percentuais diferentes: 2003, 77,9%; 2004, 76,2%; 2005, 74,4%; e 2006, 74,4% – como esta coluna mostrou em 30 de janeiro de 2008.
Independentemente da divergência, uma conclusão óbvia é que a violência é um problema muito complexo para ser tratado apenas como uma questão de desarmamento. Tal qual a Lei da Ficha Limpa, soluções simples para problemas complexos normalmente estão… erradas.

Antecipada
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou nesta segunda-feira que vai antecipar a campanha de desarmamento, que começaria em junho, para 6 de maio deste ano. Segundo o ministro, no orçamento da União há cerca de R$ 10 milhões reservados para pagamentos de indenizações de diferentes modalidades.

O autor
A propósito, o economista Marcos Coimbra, colaborador da página de opinião do MM, lembra ser da autoria do então senador José Roberto Arruda (DEM-DF), ex-líder do governo FH no Senado, o anteprojeto que proibiu o comércio e a posse de armas de fogo por cidadãos do país. Claro que bandidos e os exércitos de milicianos que protegem a turma do Bolsa Juros e os artistas que participaram da campanha  contra “o desarmamento” não são alcançáveis por essa restrição.

Castigo
Arruda, aliás, teve seus próprios problemas com a polícia, mas a Federal, no escândalo do mensalão do DEM. Ele perdeu o mandato de governador do distrito Federal.

Blindados
Emblematicamente, até agora, não apareceu ninguém para criticar a indústria de games violentíssimos, muitos dos quais ininterruptos, o que leva adolescentes a jogá-los durante até três dias sem dormir. A milionária indústria do setor – amplamente dominadas por multinacionais – parece ter blindagem cinco.

Fumo
Após ser condenada em uma ação em primeira instância no Rio, a indústria do cigarro se apressou a mostrar que tem ampla vantagem na Justiça. De acordo com a Souza Cruz, até o momento, do total de 628 ações indenizatórias ajuizadas contra a companhia desde 1995, em todo o país, mais de 460 foram rejeitadas (343 definitivas) e 11 aceitas (todas pendentes de recurso). Em linhas gerais, segundo a fabricante, os autores dessas ações pleiteiam indenização por danos morais e materiais atribuídos ao consumo de cigarros.

Espinhoso
“A razão de se explorar energia nuclear e o aprendizado adquirido com os recentes incidentes no Japão”. Este é o difícil tema que o presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, irá abordar em almoço-palestra no próximo dia 27, no Ibef-Rio (Av. Rio Branco, 156/4º andar – Ala C – Centro – RJ).

Artigo anteriorAssassinato midiático
Próximo artigoPoluição
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Vacinas vendidas por até 24x o custo de produção

Aliança denuncia altos lucros dos laboratórios.

Energia rara e cara

Modelo equivocado colocou Brasil entre os campeões de tarifas elevadas.

União perde bilhões de dólares no petróleo

Lei isentou campo mais produtivo de pagamento de participações especiais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Aprovada MP que simplifica abertura de empresas

Texto prevê a emissão automática, sem avaliação humana, de licenças e alvarás de funcionamento para atividades classificadas como de risco médio.

Auxílio impulsiona captação da poupança: R$ 6,37 bi em julho

Depósitos superam retiradas pelo quarto mês seguido.

Bahia e Sergipe exercerão direito de preferência em relação à Gaspetro

Privatização pode levar a monopólio de 2/3 do gás canalizado do país.

Câmara aprova projeto que privatiza os Correios

Nos EUA, ninguém pensa em abrir mão do serviço estatal.

Banco Mundial fez desembolso recorde para América Latina

Recursos para combater efeitos da pandemia na região que concentra 1 em cada 3 mortes globais.