Efeitos do trabalho híbrido na saúde física e mental

52% dos trabalhadores brasileiros querem  continuar trabalhando de casa.

Na medida em que os limites entre a vida pessoal e profissional se tornam menos nítidos nos dias de hoje, o equilíbrio se tornou mais importante do que nunca. Da mesma forma, a tendência do trabalho híbrido traz grandes preocupações como readaptação, convivência, reconhecimento e medo de contágio, afetando a saúde mental e provocando a psicossomatização ( termo usado para definir sintomas físicos que surgem nos indivíduos, causados por situações emocionais com as quais vivenciam).

Segundo Vanessa Jaccoud, especialista em Psicossomática, “o stress, as novas dinâmicas, a alta auto-exigência, a sobrecarga, a ansiedade e a mudança dos panoramas de vida (laboral, familiar, social, etc), incidiram sobre essas novas adaptações que somos forçados a viver, e as questões somáticas (físicas) também aparecem, por conta da exposição à esta nova realidade”.

De acordo com um estudo recente da Accenture, 52% dos trabalhadores brasileiros querem  continuar trabalhando de casa pelo menos uma vez por semana. Para 46%, com a forma híbrida, será mais difícil a colaboração com seus colegas, agora que alguns estarão no mesmo ambiente físico, enquanto outros, distantes. O estudo mostra ainda que 31% destes trabalhadores se questionam se o trabalho será valorizado pelos seus gestores.

As doenças psicossomáticas ocorrem quando um conflito intrapsíquico, resultante de uma situação de intenso stress, ultrapassa a capacidade de tolerância, abalando a homeostasia (equilíbrio entre as diversas funções) do indivíduo, e não encontrando uma forma consciente deste conflito ser desvelado e tratado, manifestando-se através de pressões e alterações no corpo (soma), pela incapacidade de elaboração mental. Então, adoecer pode ser uma tentativa de estabelecimento de um equilíbrio para o corpo, com a doença surgindo como uma linguagem psicoemocional, a qual desestabilizando o sistema holístico, inclusive o imunológico, é então simbolizada no corpo.

É importante criar um ambiente de trabalho saudável e flexível. Os indivíduos estão preocupados com os impactos da falta de convivência diária com seus colegas e superiores, em suas responsabilidades diárias. Como as empresas devem lidar com o trabalho híbrido e os desafios pós-pandemia?

“A resposta está diretamente relacionada com o modelo de trabalho com foco nas pessoas. Afinal, considerar a perspectiva humana é uma maneira de promover o engajamento e o bem-estar dos profissionais. É preciso aumentar a qualidade de vida tanto no trabalho em casa quanto presencial, com condições favoráveis e relações harmônicas. A psicoterapia também é de grande ajuda na solução da psicossomatização e manutenção desse bem estar”, finaliza Vanessa Jaccoud.

Instagram: @dravanessajaccoud

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Debate abordará real digital e seus impactos

Será ao vivo e gratuito e terá transmissão ao vivo no canal da Febraban

Cade vai analisar condutas unilaterais restritivas à concorrência

OCDE realizou revisão por pares sobre a legislação e a política da concorrência do Brasil em 2019

Estética In Rio traz novos nichos de mercado e oferece 80 workshops

São esperados 20 mil visitantes.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.