Egito proíbe exportação de cinco produtos básicos

Governo emitiu resolução interrompendo por três meses as vendas ao mercado internacional de alguns tipos de alimentos.

O Egito proibiu a exportação de cinco produtos básicos do país com o objetivo de controlar o aumento de preços e garantir o suprimento de alimentos no mês do ramadã (o mês do jejum diurno, que cai neste ano de 1º a 30 de abril). O Ministério da Indústria e Comércio do país emitiu a resolução 141 interrompendo a exportação de trigo, lentilhas, massas, favas e farinhas. A medida vale por três meses e entrou em vigor quinta-feira. A decisão foi tomada em um contexto de cooperação entre o governo e o setor privado. O chefe da Comissão de Abastecimento e Comércio Interno da Divisão Geral de Importadores da Federação das Câmaras de Comércio do Egito, Matti Bishai, disse que a crise russo-ucraniana resultou em um grande aumento no preço de alguns produtos que os consumidores egípcios não têm como bancar.

Em declaração à ANBA, Bishai disse que o preço de alguns produtos subiu de uma maneira exagerada, que não está no alcance do consumidor, motivo pelo qual o governo egípcio interveio para controlar esse aumento nos valores.

O executivo afirmou que todos os governos do mundo atualmente estão trabalhando para fornecer alimentação para os seus cidadãos e tentando controlar os índices da inflação. Por isso, a resolução de proibir a exportação de alguns dos produtos básicos já era esperada, já que a procura por esses produtos é alta durante o ramadã.

Bishai explicou que o motivo do aumento de preços nos produtos se deve à alta nos preços das matérias-primas globalmente, aos altos preços de frete e transporte e à existência de um desequilíbrio nas cadeias de suprimentos como resultado da crise russo-ucraniana. Ele acredita, no entanto, que os aumentos foram exagerados.

Mostafa Madbouly, atual primeiro-ministro do Egito, teve reunião na quarta-feira com entidades empresariais para formar um comitê de gestão de crises. O comitê visa a enfrentar eventuais obstáculos nesta fase, além de acompanhar os mercados e manter total cooperação entre o governo e o setor privado. A medida deve ajudar na disponibilização de mercadorias a preços razoáveis neste período delicado.

O ministro da Agricultura e Recuperação de Terras, El-Sayed El-Qusair, disse que o Egito está trabalhando para disponibilizar novas terras agrícolas, ampliando assim o fornecimento de produtos básicos, especialmente o trigo. A produção anual de trigo do Egito deve chegar a 10 milhões de toneladas neste ano.

A Federação das Câmaras de Comércio do Egito declarou emergência extrema para monitorar e acompanhar os mercados, para conhecer por perto do volume dos produtos oferecidos, e a imediata intervenção com o Ministério de Abastecimento e Comércio Interno, caso descoberta falta de produtos estratégicas.

O embaixador Nader Saad, porta-voz do Conselho de Ministros, disse que a época da era dos preços forçados acabou, que o mundo vive em um mercado sujeito às forças da oferta e da demanda e, ao mesmo tempo, os mecanismos do livre mercado não significam em nada que o governo tenha perdido o controle sobre os mercados para diminuir o aumento dos preços que chegam aos cidadãos.

Saad revelou que existem mecanismos que o governo vai utilizar para controlar o ritmo dos mercados, sendo o principal deles o aumento da oferta no próximo período para reduzir o impacto dos preços, sublinhando que o governo vai apertar o controle para evitar o monopólio ou retenção mercadorias negociadas no mercado para aumentar seus preços de forma exagerada.

A Agência Central de Mobilização Pública e Estatística do Egito informou um aumento de 2% no índice geral dos preços ao consumidor no país em fevereiro em relação a janeiro. Ela atribuiu as altas principalmente ao maior preço de hortaliças, carnes, frango, frutas, cereais, pães, água mineral e gaseificada, sucos naturais, lácteos, queijos e ovos.

 

Com informações da Agência de Notícias Brasil-Árabe

Leia também:

Árabes podem suprir lacuna da Rússia em fertilizantes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Ministério quer explicações da TecToy sobre carregador

Produto não tem autorização para ser vendido no mercado brasileiro.

ONS: chuvas mantêm afluências estáveis

Reservatórios permanecem sem surpresas na terceira revisão de maio; carga de energia aumentou 2,2% em abril em comparação com 2021.

Honda lidera vendas no Sudeste; Yamaha fica em segundo

De acordo com levantamento mensal da Webmotors, PCX e NMAX 160 ABS lideraram a disputa pelo desejo do consumidor em abril.

Últimas Notícias

Ministério quer explicações da TecToy sobre carregador

Produto não tem autorização para ser vendido no mercado brasileiro.

Envios de celulares na China alcançam 69,35 milhões de unidades no Q1

As remessas de telefones celulares da China tiveram uma queda anual de 29,2%, chegando cerca de 69,35 milhões de unidades no primeiro trimestre deste ano, de acordo com um relatório da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT, sigla em inglês).

ONS: chuvas mantêm afluências estáveis

Reservatórios permanecem sem surpresas na terceira revisão de maio; carga de energia aumentou 2,2% em abril em comparação com 2021.

Receita do setor postal da China aumentou 6,3% de janeiro a abril

A indústria postal chinesa registrou um aumento constante na receita de negócios nos primeiros quatro meses deste ano, mostram os dados oficiais.

Rio é o terceiro estado que mais abre empresas no Brasil

Resultado do primeiro trimestre ano é positivo se comparado ao mesmo período de 2020; 51% dos MEI trabalhavam com carteira assinada.