Egito restringe viagens em função do avanço da Ômicron

Desde sábado é necessário apresentar certificado de vacinação ou teste negativo para a Covid-19 na chegada ao país.

O Egito anunciou novas restrições relacionadas à Covid-19 em aeroportos, portos marítimos e vias terrestres. O país vem registrando um aumento significativo nos casos, e a variante Ômicron é a dominante atualmente.

A partir deste sábado será exigida carteira de vacinação contra a Covid-19 ou resultados negativos de testes PCR para viajantes egípcios e estrangeiros, exceto crianças menores de 12 anos. A informação foi divulgada pelo ministro interino da Saúde, Khaled Abdel Ghaffar, em comunicado.

O certificado de vacinação deve mostrar que o viajante recebeu a vacina de dose única ou a última das duas doses pelo menos 14 dias antes da chegada ao país, segundo Abdel Ghaffar. A vacina deve ser aprovada pela Organização Mundial da Saúde ou pela Autoridade de Medicamentos Egípcia (EDA, na sigla em inglês).

A EDA concedeu aprovação de emergência para as vacinas contra o coronavírus da Sinopharm, Sinovac, AstraZeneca, Sputnik V, Moderna, Pfizer e Johnson & Johnson.

Se os viajantes não estiverem vacinados, eles devem apresentar um teste negativo para Covid-19 dentre os credenciados pelo Ministério da Saúde egípcio, que são o teste PCR, o teste rápido de antígeno ou o teste ID Now. O teste deve ter sido feito até 72 horas antes da chegada aos portos de entrada do Egito. Crianças menores de 12 anos não precisam fazer o teste.

No entanto, o país não aceitará testes de Covid-19 do tipo ID Now de viajantes provenientes da África do Sul, Botswana, Moçambique, Namíbia, Lesoto, Zimbábue e Eswatini, observou o ministro.

Vários países interromperam as viagens desses países do sul da África, onde a variante Ômicron foi detectada inicialmente. Em dezembro de 2021, a companhia aérea egípcia EgyptAir anunciou a retomada dos voos para Joanesburgo, na África do Sul, duas semanas após a suspensão. O Egito também anunciou medidas mais rígidas contra o coronavírus em novembro do ano passado para viajantes dos países acima mencionados.

Os viajantes que não estiverem com testes de coronavírus ou certificados de vacina em conformidade com as regras estabelecidas deverão fazer testes rápidos de antígeno, de acordo com o chefe do Departamento de Medicina Preventiva do Ministério da Saúde, Amr Qandil.

Caso um viajante teste positivo para a Covid-19, será necessário ficar em quarentena em seu hotel ou residência por cinco dias. No sexto dia, a pessoa fará um teste PCR e pode então encerrar a quarentena caso teste negativo e não apresente sintomas da doença. Em caso de teste positivo, ele terá que ficar em quarentena por mais cinco dias e sair da quarentena no sexto dia sem precisar fazer outro teste.

Na última quinta-feira, o Egito registrou 1.403 novos casos e 22 mortes por Covid-19.

 

Agência de Notícias Brasil-Árabe

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Carga tributária brasileira já corresponde a 35% do PIB

Mais de R$ 1 tri de impostos arrecadados só neste ano

Setor de telecom investiu R$ 35,6 bi em 2021

Com as licenças do 5G, valor chega a R$ 38,5 bi

China propõe expansão do Brics

Argentina é um dos candidatos a integrar grupo.

Últimas Notícias

Leega lança solução de inteligência de dados marketing das empresas

Marketing Analytics combina arquitetura Cloud, engenharia de dados e machine learning.

Qyon Tecnologia planeja crescer 65% em 2022

Marca deve fechar ano com cerca de 100 franquias.

XP amplia crescimento do PIB para este ano

Elevou a projeção de 0,8% para 1,6%

Perfil de risco visto pelas corretoras

Uso do Questionário de Perfil de Investidor, chamado de suitability, que tem como função identificar seu apetite de risco

Diretor do Grupo Nubank cumpre novo mandato na Anbima

Permanecerá na vaga de conselheiro titular reservada à Anbima no Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional