33.1 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Ele, robô

Especialistas do MIT trabalham com cenários em que o avanço da robótica pode levar a uma taxa de desemprego mundial de 80%. Sobrarão para os seres humanos profissões que exijam criatividade, algo intrínseco ao ser humano que os robôs não têm. Mas… por quanto tempo? O avanço da Inteligência Artificial (IA) impressiona. Recentemente, o Facebook encerrou seu projeto que criou uma linguagem própria que não pode ser compreendida por humanos. Vem às mentes o cenário que o cinema costuma apresentar com a aniquilação da humanidade pelos robôs. Para o coordenador acadêmico do MBA em Marketing Digital e do Post-MBA em Digital Business da FGV, André Miceli, isso não deve acontecer, mas teremos problemas.

Um deles é como a população vai lidar com a IA. Miceli alerta para o fato de que robôs diminuíram de tamanho, tiveram sua capacidade de aprendizado ampliada nos últimos anos, deixaram de ser usados apenas para atividades físicas e passaram para as intelectuais. “Esse movimento trará grande impacto para as economias e deverá impulsionar a automação. Muitos profissionais serão substituídos por máquinas. Essa automação está a poucos passos de ganhar uma escala que vai mexer com todos nós”, afirma o especialista.

Para o MIT, o desemprego resultante é principalmente uma questão econômica e política. No quadro que se desenha atualmente, haverá pouca gente trabalhando e a maioria terá que se virar com um subsídio – talvez a renda mínima universal. A dúvida, sustentam os pesquisadores da universidade norte-americana, é de onde se conseguirá dinheiro para pagar a ajuda. André Miceli, da FGV, afirma que será necessário pensarmos em alternativas econômicas, já que não haverá emprego para todos nesse novo cenário que se aproxima. “Precisaremos nos adaptar a um mundo novo e estar dispostos a abraçar as inovações tecnológicas, uma vez que quem não estiver liderando a mudança, poderá ser atropelado por ela”, avalia o professor.

As iniciativas de carros autônomos – vinculados à Uber? – tratores que fazem a colheita sozinhos e outras inovações trazem à mente livros de Asimov, K. Dick e Huxley. E esse futuro não está assim tão distante.

 

Exemplo

A produtividade da cultura do guaraná pode aumentar sete, até dez vezes, graças às cultivares desenvolvidas pela Embrapa Amazônia Ocidental (AM). No município de Maués (AM), o pequeno produtor Adeílson Gomes de Souza, o seu Dedé, produzia em média 70kg de guaraná por hectare até 2010. A cultura estava ficando inviável.

Em sete anos, seu Dedé viu sua produção aumentar para uma média 400kg a 500kg de semente seca por hectare. “O que eu produzia na minha área toda, hoje eu produzo em apenas um hectare”, comemora.

A Embrapa é, junto com o Cenpes da Petrobras e outros poucos centros de excelência, a prova de que o Brasil tem capacidade e só tem a ganhar se investir em pesquisa e inovação.

 

Imune

Enquanto direita e esquerda discutem se o PT é uma seita, e qualquer ataque a Lula, uma heresia, o sistema financeiro continua à margem de qualquer crítica ou denúncia.

 

Dependência

O Dia da Independência passou quase como um dia normal, com o comércio aberto e boa parte dos serviços funcionando. Pode-se atribuir parte da explicação à crise econômica, mas a indiferença da população à data foi gritante. Camisas amarelas, assim como os patos da mesma cor, ficaram nas gavetas.

 

Rápidas

A Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EESP), em parceria com o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), realizarão nestas segunda e terça-feira o 14º Fórum de Economia. Participam Luiz Carlos Bresser-Pereira, coordenador; o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira; José Luis Oreiro (UNB); Ernesto Lozardo (Ipea); Celso Rocha de Barros (Bacen); Gilberto Poleto (Abimaq); e Júlio Gomes de Almeida (IEDI), entre muitos outros *** O Centro de Liderança Pública (CLP), em parceria com a Economist Intelligence Unit e Tendências Consultoria Integrada, divulga no dia 20, na sede da B3 (bolsa de São Paulo), o Ranking de Competitividade dos Estados 2017. Também serão anunciados os vencedores do Prêmio Excelência em Competitividade. O Ranking de Competitividade dos Estados pode ser consultado no site www.rankingdecompetitividade.org.br/ *** O IAG – Escola de Negócios da PUC–Rio está com inscrições abertas para seus cursos de MBA para 2018. Informações: www.iag.puc-rio.br

 

 

 

 

 

Artigo anteriorAnalisando o VT
Próximo artigoGlobalização vira-lata
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.